Pesquisar este blog

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

O coração tem útero - notas sobre nacionidade e a cultura de adoção

1.1) Uma forma de tomar o país como um lar em Cristo é tomando os filhos da sua amada como sendo seus, se ela for viúva.

1.2) Se eu me casasse como um polonesa que se tornou viúva muito jovem, então tomar os filhos dela como sendo meus seria uma forma de tomar o país dela como se fosse meu.

2.1) No caso do Brasil, se eu conhecesse uma mulher de outro estado nessa mesma qualidade, eu tomaria o estado dela como meu lar em Cristo tanto quanto o estado onde eu nasci.

2.2.1) Se esse processo fosse repetido ao longo das gerações para todos os 27 estados, então o Brasil como um todo seria tomado como um lar em Cristo, pois isso estaria na memória da família. E haveria aí uma dinastia nascida no Brasil que poderia ser chamada a reinar sobre Portugal, Brasil e Algarves, se houvesse um chamado das côrtes para assumir o posto que um dia pertenceu a D. Afonso Henriques, pois tomar todas as terras e pessoas como um mesmo lar em Cristo é servir a Ele em terras distantes - e isso é ato de nobreza e honra a missão que recebemos em Ourique. E a nobreza começa no lar, em família.

2,2,2) Se o coração tem útero, então adotar é uma forma de casar heranças de modo que vivam a vida em conformidade com o Todo que vem de Deus, dado que o amor legitima todas as coisas nobres, se tiver por Cristo fundamento.

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 20 de novembro de 2017.

sábado, 18 de novembro de 2017

Notas sobre o verdadeiro processo de substituição das importações


1.1) Quando comecei a assistir missa pela primeira vez, ouvi o pároco dizer na homilia que catolicismo era compromisso com a excelência.


1.2) Quando se serve a todos aqueles que amam e rejeitam as mesmas coisas tendo por Cristo fundamento, pouco importa o lugar onde o produto é produzido. Se um produto de boa qualidade é produzido na Polônia, a Polônia será tomada como um lar em Cristo porque coisas boas costumam ser feitas lá. Se você quiser produzir, você deve fazer com que o produto brasileiro seja bom o bastante de modo que o Brasil seja tomado como um lar em Cristo, sem que as pessoas esqueçam as memórias boas que vêm da Polônia.



1.3) O verdadeiro processo de substituição de importações implica honrar as boas memórias vindas de produtos importados de boa qualidade - e isso é um tipo de nacionidade. E substituir o que antes era importado implica colaborar de modo que essas memórias permaneçam vivas e não competir, de modo a destruí-las



2.1) Substituir um produto importado por equivalentes nacionais de qualidade duvidosa é não só amar o dinheiro como se fosse Deus, mas também tomar o país como se fosse religião em que tudo deve ser produzido no país de modo a este ser autossuficiente em tudo. Não é à toa que protecionismo neste aspecto é totalitarismo.



2.2) Eu lembro que, na época em que meus pais eram jovens, as melhores lanternas costumavam vir da República Tcheca (que na época estava unida à Eslováquia, formando a Checoslováquia). Quando se iniciou o processo de substituição das importações, minha avó ficava indignada, pois os produtos de boa qualidade, importados, começavam a se escassear no mercado.



3.1) Aqui no Brasil, com a mentalidade dinheirista do nosso empresariado, o dinheiro ganho por força desse protecionismo não será investido em P&D de modo a melhorar a qualidade do produto. E as coisas ficam por isso mesmo.



3.2) Quando se pensa mais em dinheiro do que na excelência, a tendência é fazer economia de custos de modo a reduzir ainda mais a qualidade de um produto cuja qualidade já era questionável. Não é à toa que o amor ao dinheiro, visto como um sinal de salvação, leva a um conservantismo. E não é à toa que eles dependem de um Estado tomado como se fosse religião e de uma política de substituição de importações para que possam prosperar.



3.3) Essa é a prova cabal de que o capitalismo, servindo aos interesses do Estado, favorece o comunismo.



José Octavio Dettmann



Rio de Janeiro, 18 de novembro de 2017.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Da caridade para com a verdade - da importância de compilar as melhores postagens de seus pares de modo a formar um livro

1) Faz uns dias que não escrevo nada novo, mas em compensação estou coletando as postagens mais importantes do Marcelo Dantas, do Haroldo Monteiro, do Loryel Rocha, do Roberto Santos e de outros contatos importantes e jogando para o meu blog, visto que recuperar informação no facebook anda complicado.

2.1) Essas reflexões não só enriquecem o que escrevi em meu blog como também ajudam a dar mais clareza ao trabalho que faço, criando uma espécie de diálogo.

2.2) Enfim o que eles produzem tinha que virar livro, mais ou menos nos moldes que o Felipe Moura Brasil fez com as postagens do Olavo para o livro O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota.

3) Que privilégio estar em tão boa companhia!

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2017.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Como a democracia partidária faz o país ser tomado como se fosse religião?

As democracias de partido são uma "beleza", uma verdadeira "conquista" da humanidade.

"(...) o partido único é o 'aboutissement' natural do regime de partidos, segundo o percebeu com muita agudeza Simone Weil. Com efeito, cada partido se considera senhor da verdade política, vendo no seu programa a salvação social. As tintas ideológicas de tais programas acentuam uma coloração messiânica nos mesmos, especialmente quando se trata de ideologias radicais. Nestes casos os antagonismos partidários representam a oposição amigo-inimigo -- critério fundamental de Carl Schmitt para caracterização do 'político' -- não apenas por ver-se no adversário um inimigo do próprio partido, mas porque se passa a considerá-lo um inimigo da comunidade nacional, que deve ser proscrito para que seja assegurado o destino histórico da comunidade. O partido tende a ser intolerante, e nas democracias de partido há como que uma institucionalização da guerra civil. Isto para não se falar dos partidos quando são meros ajuntamentos de interesses pessoais dos políticos, na luta pela conquista do poder."

José Pedro Galvão de Sousa, Da Representação Política

Roberto Santos (https://www.facebook.com/roberto.santos.3114/posts/10214217317010308)

Facebook, 24 de agosto de 2017.

Notas sobre algumas lições contidas na obra Robinson Crusoé

1) Quando Robinson Crusoé resolve partir da Inglaterra para fazer fortuna no mundo, seu pai, muito prudentemente, lhe diz que seria totalmente desnecessária tal aventura,  uma vez que ele - sendo filho de um homem de classe média alta - poderia viver tranquilo para o resto de sua vida, sem as mazelas de um pobre, nem as preocupações de um nobre. Em outras palavras, seu pai lhe faz uma apologia da vida burguesa. Robinson Crusoé, contudo, não quer saber de conselhos, e parte para a sua aventura rumo à conquista da sonhada nobreza e de uma imensa riqueza.

2) "Deus não vai te abençoar nesse teu empreendimento", disse-lhe o pai. De fato, Deus não abençoa os seus planos e, ao jogá-lo numa ilha deserta, faz com que ele passe a considerar a Sua existência, coisa na qual ele nunca pensara antes, mas também ensina-lhe duas coisas muito importantes: 

A) que a sua verdadeira vocação é a do produtor 

2) que a vida daqueles que trabalham para um Landlord, no qual ele queria se tornar, é muito dura e difícil. pois ali, ele era ao mesmo tempo um landlord e um vassalo de si mesmo.

3.1) Daniel Defoe conseguiu criar um personagem que, ao contrário do que dizia Adam Smith dos landlords, não fazia o seu sustento 'in their sleeps'. 

3.2) Ele era, tal como os landlords, dono de todas as terras sobre as quais pisava, mas, ao contrário destes, tinha que labutar para conseguir o seu sustento.

3.3.1) Robinson Crusoé é uma apologia ao mercado produtivo,e uma crítica feroz ao mercado financeiro e especulativo que surgia em sua época no meio da nobreza. 

3.3.2) Ao contrário do que pensam os libertários-conservantistas de hoje - principalmente os Brasil, que são um verdadeiro lixo tóxico, intelectualmente falando -, Adam Smith, ao falar de livre mercado, estava se referindo à liberdade em relação ao monopólio das terras ou recursos naturais que estavam nas mãos dos landlords, e não do Estado. 

3.3.3) O Estado, segundo ele, devia taxar os nobres, que eram uma raça de parasitas, e livrar os produtores e os consumidores de tais impostos para que a indústria pudesse crescer. Enfim, Adam Smith defendia o livre 'MERCADO", não a livre 'ESPECULAÇÃO'.

4) Robinson Crusoé consegue sobreviver, mas consegue fazer isso porque aprende essa lição.

Roberto Santos (https://www.facebook.com/roberto.santos.3114/posts/10214864808277185)

Facebook, 8 de novembro de 2017.

Como a salvação pela riqueza fez com que o mecanismo de perdão das dívidas fosse esquecido?

1) Como já disse em outro post, o mecanismo de perdão da dívida foi criado para estabilizar a economia produtiva e fortalecer o vínculo do povo com o novo rei.

2) À medida que esse mecanismo governamental e financeiro vai sendo esquecido, nem por isso ele deixa de estar na memória coletiva - e é por essa razão que o establishment vai mudando o polo de atenção, em que trocamos os aspecto financeiro da dívida pelo aspecto moral.

3.1) É por isso que o establishment hoje aparece como um suposto "libertador" moral - aquele que luta contra as dívidas que contraímos por séculos com os malditos conservadores. É isso que se grupo alega

3.2) E, quanto mais o conservador for intransigente na sua defesa dos valores tradicionais, mais a atenção dele se voltará para o aspecto puramente moral da coisa, camuflando - para si e para o revolucionário - o problema essencial que das finanças, por meio das quais os globalistas dominam a tudo e a todos. 

3.3) Libertar as pessoas da dívida moral de gratidão contraída com os que conservam a dor de Cristo torna todos escravos da elite globalista. E ao enganar a todos, a elite globalista foi transformada num "deus", uma vez que a riqueza passa a ser vista como um sinal de salvação. E todos se tornam livres para o nada - só para se tornarem escravos das dívidas contraídas com essa corja parasitária.

Roberto Santos (https://www.facebook.com/roberto.santos.3114/posts/10214908654933324)

Facebook, 13 de novembro de 2017.

Quem será o Moisés de nossos tempos?

Trabalhar para o mercado financeiro é imoral?

1) Depende. A maioria fará lobby para eles depois que vir a grana grossa e imerecida entrando no bolso; a minoria - ou ninguém mesmo - fará como Moisés ao sair do Egito: roubar o mercado financeiro para com o dinheiro ganho fomentar uma poderosa indústria cultural contra o próprio mercado financeiro.

2) Quem será santo o bastante para fazer isso em nossos dias? Quem fizer isso será o Moisés de nossa era.

Roberto Santos (https://www.facebook.com/roberto.santos.3114/posts/10214909140065452)

Facebook, 13 de novembro de 2017.