Pesquisar este blog

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Notas sobre uma coisa que aprendi no The Guild 3

1) Embora o direito de votar estivesse restrito à nobreza, era verdade sabida que era preciso ser parte do povo para conhecer o caráter do príncipe, do soberano, assim como era preciso ser príncipe para conhecer o caráter do povo sujeito à sua proteção e autoridade.

2) Era por essa razão que os eleitores das cidades livres alemãs escutavam a opinião da população em geral a respeito do candidato A ou B. Se o candidato A tivesse má reputação junto ao povo, B seria escolhido, pois ele não foi rejeitado pelos súditos.

3) Naquela época, em torno do ano de 1400, a imprensa não havia sido desenvolvida e as notícias corriam de boca em boca. Por isso, você devia ouvir a opinião disseminada, uma vez que a voz do povo era a voz de Deus.

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 18 de outubro de 2017.

sábado, 14 de outubro de 2017

Não há ambiente mais competitivo do que uma sala de aula

1) Se há um lugar onde odeio estar é em sala de aula, pois eu me sentia obrigado a ter que competir com meus colegas, uma vez que ninguém colaborava comigo espontaneamente, uma vez que coleguismo simplesmente não existia.

2) Se eu ficasse doente, as coisas aconteciam e eu não sabia de nada. E eu sempre odiei isso - eu sempre ajudei a quem precisava, mas não recebia reciprocidade, quando mais precisava. Por isso que tendo a não ajudar ninguém, uma vez que ninguém me ajudava. Eis o que posso resumir, após muitos anos de experiência.

3) Com o advento do orkut em 2004, eu ficava numa situação de tremenda desvantagem. Os colegas que usavam a rede sabiam das coisas e eu não sabia de nada, visto que na época eu morava longe e não tinha tempo para acessar a rede. A mesma coisa pode ser dita com relação ao zap. Hoje tenho celular que acessa todas essas coisas, mas não uso, visto que não estou em ambiente competitivo.

4) Vivo recluso em meu quarto desde 2012 - e me sinto feliz. Com o que depender do meu esforço, eu vou ficar contente, pois Deus ajuda. Se tiver que depender dos fdps com os quais fui obrigado a conviver por força do ofício de estudante, eu estou ferrado, pois são tempo e energia jogados fora.

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 14 de outubro de 2017.

Só vou para a Europa se houver uma cruzada

1) Tirando Portugal e Polônia, recuso-me a ser acompanhante de pessoa alguma, em seu tour pela Europa. Não quero ter o desgosto de ver muçulmanos pelo caminho. E pior é que não posso matá-los, sob pena de estar sendo acusado de homicídio, enquanto eles podem matar e enganar em nome de seu demiurgo, Allah.

2) O dia em que organizarem uma cruzada contra essa gente maomentana, podem me chamar que eu vou.  Vou pra linha de frente e levo carne de porco comigo.
José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 14 de outubro de 2017.

Notas sobre nacionidade e cultivo das virtudes heróicas

1) Uma pessoa que não tem virtudes não pode ser vista nem no presente, nem na eternidade. Portanto, uma pessoa que não tem virtudes não pode ser lembrada, uma vez que amor é a constante lembrança de que a coisa amada não pode ser esquecida.

2.1) Alguns dizem que eu não amo ninguém, mas eu amo os virtuosos, os manifestamente virtuosos.

2.2) E num país onde simplesmente não há o cultivo das virtudes, é impossível que eu ame alguém, posto que são as virtudes que fazem com que eu ame uma pessoa concreta, a ponto de tomar o país onde ela nasceu e foi criada como se fosse meu lar em Cristo, sem que eu me esqueça dos compromissos que tenho com esta terra, que também amo como se fosse meu lar em Cristo.

3) Agora vocês entendem porque eu tendo a gostar das mulheres da Polônia, em vez das que nasceram em minha terra.

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 14 de outubro de 2017.

Das impurezas do branco - da promoção da sujeira em nome da limpeza

1) Na propaganda, a OMO afirma categoricamente que leva mais branco.

2) Carlos Drummond de Andrade já dizia que há impurezas no branco (afinal, devemos ver o que não se vê). E quanto mais se lava mais branco, mais há impurezas nesse branco, a ponto de promoverem uma verdadeira sujeira em nome da limpeza. E uma dessas impurezas se chama ideologia de gênero.

3) Em ótica, a luz branca é a soma das cores que compõem o arco-íris - por isso que o branco é rico em impurezas. E o arco-íris é o símbolo do movimento LGBT, um dos braços da ideologia de gênero. E neste ponto Carlos Drummond de Andrade está com a razão, pois o que há é ilusão de ótica (um belo nome para propaganda enganosa).

4) Por conta disso, eu sou categórico: sou OMOfóbico. Pela limpeza ética já!

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 14 de outubro de 2017.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Coisas que ocorrem no facebook por conta de você fazer bem seu trabalho

1) Certa ocasião uma pessoa me adicionou sob a alegação de que minhas postagens são "opressoras".

2) Passados alguns meses, a mesma pessoa pula fora do meu perfil sob a alegação de que "oprimi demais", a ponto de ofender aquilo que ela conserva de conveniente e dissociado da verdade. A pessoa que havia me adicionado não passava de uma liberal, uma esquerdista que se diz de direita.

3) Eu não lacro, nem oprimo - apenas digo a verdade. E não me bata a porta antes de fazer um bom exame de consciência. Se você tem algum tipo de conservantismo, então não me adicione. Meu tempo é precioso e não perderei meu tempo com quem no fundo só conserva o que é conveniente e dissociado da verdade.

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 13 de outubro de 2017.

Não existe esse negócio de direito à vida em comunidade

1) Se morasse sozinho, eu não veria Globo ou Globo News nem a pau, mas meus pais infelizmente assistem a essa merda.

2) Estava passando uma matéria da Globo News a respeito de crianças disponíveis a adoção - e uma das assistentes sociais diz que toda criança tem "direito à vida em comunidade".

3) Não existe direito à vida em comunidade a partir do momento em que moramos num país onde temos um amontoado de pessoas que vivem a vida onde cada um tem direito à verdade que bem entender, pois isso é anarquia. Sem o idem velle, idem nolle, não há como amar e rejeitar as mesmas coisas tendo por Cristo fundamento, essencial para se tomar o país como um lar em Cristo e não como se fosse religião, em que tudo está no Estado e nada pode estar fora dele ou contra ele.

4) É justamente porque o Estado é tomado como se fosse religião que se tem a falsa noção de direito à educação - leia-se doutrinação. E aí eles vão abolir as famílias sistematicamente a ponto de colocarem essa merda de ideologia de gênero na cabeça das crianças.

5) Isso pra não falar da tentativa de destruir a fé das pessoas vilipendiando a fé cristã. Por enquanto ultraje a culto ou a símbolos religiosos é crime, mas não vai demorar para haver abolitio criminis, tal como houve no crime de adultério (ou mesmo no crime de bigamia, ao reconhecerem as chamadas "uniões civis poliamorosas", que é como essa gente louca chama)

6) Isso pra não falar que a adoção pode ser voltada para o nada. Gays não podem ter filhos, a menos que adotem. E quando adotam, a criança será alvo de abuso sexual, de pedofilia. E isso quando não é usada para se traficar órgãos.

7) Que falta faz a velha roda dos enjeitados! A criança era cuidada num orfanato da Igreja, recebia toda uma educação e podia ser adotada por uma família pia. Definitivamente, o país necessita muito que o Estado esteja em consonância com os ensinamentos da Igreja Católica. Só assim é possível tomar o país como um lar, tal como houve em Ourique.

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 13 de outubro de 2017.