Pesquisar este blog

sábado, 30 de abril de 2016

Pra frente e à direita do Pai

1) 1964 não existiria, se não tivesse havido 1889. Na verdade, 1964 é um desdobramento da revolução de 1930, quando o castilhismo passou a dominar o país de maneira incontestável até a Carta de 1988.

2) Os nazi-petistas são vingativos quanto à 1964, mas são conservantistas quanto à lógica revolucionária que nos rege desde 1889.

3) Essa espiral do silêncio precisa ser rompida. Não quero saber de esquerda de farda ou esquerda vermelha - eu prefiro estar servindo a quem está sentado à direita do Pai, servindo a Ele em terras distantes. Prefiro andar pra frente sob monarquia, fundada na Aliança do Altar com o Trono edificada lá em Ourique, em 25 de julho de 1139.

Notas sobre a nossa atual circunstância de espiral do silêncio

1) Quando vejo muita gente protestando contra o PT usando a bandeira da República, eu vejo uma espiral do silêncio. Os revolucionários, por sua ignorância manifesta, tentam gritar a plenos pulmões diante das câmeras que não vai ter golpe.

2) Na verdade, o golpe já foi dado no dia 15 de novembro de 1889. 

3) Os gritos enlouquecidos não deterão a contra-revolução, que faz em conformidade com o Todo que vem de Deus, conservando a dor de Cristo e tomando o País como se fosse um lar, por conta da missão que herdamos do Cristo Crucificado de Ourique, de modo a servir a Ele nestas terras distantes. 

Constituição de 1988 - estudo de caso sobre a tradição conservantista e revolucionária

1) Meus pais estavam assistindo a um vídeo cujo título é "Lula vai morrer no dia 13".

2) O expositor, um protestante, soltou alguns argumentos interessantes: 

2.1) Que a Carta Constitucional de 1988 criou um Brasil novo. Este argumento é tipicamente positivista, pois faz da carta de 1988 um marco e tudo o que ocorreu no passado será deletado. Argumento tipicamente neopagão - não deixa de ser um caso particular da tradição quinhentista.

2.2) O período azul, social-democracia, durou de 1989 a 2002 - 13 anos

2.3) O período vermelho, nazi-petismo, durará 13 anos - de 2002 a 2016.

2.4) As revoltas de 2014 não derrubaram a Dilma porque o ciclo não estava fechado.

2.5) Esse número tem relevância cabalística - para tudo ser manejado por conta de um ciclo de treze anos, fundado sabedoria humana dissociada da divina, isso é fruto de gnose. Pois os acontecimentos serão manipulados de tal sorte a respeitar ciclo fundado em sabedoria dissociada da divina, o que é marcadamente revolucionário, pois cria um determinismo histórico, coisa que justifica o marxismo

2.6) Quando o sujeito começou a atacar a Igreja Católica, usando o termo "ICAR", eu senti que era o sujo falando do mal lavado. E parei de ouvi-lo. 

2.7) Decidi tomar este fato como um estudo de caso a ser analisado porque este vídeo representou um exemplo de metalinguagem revolucionária: um sujeito, que não crê em fraternidade universal, combatendo algo que se desdobrou do protestantismo, como o libertarismo e a Nova Ordem Mundial. Chega a ser algo cômico, se não fosse trágico - lembra um pouco esse pessoal que quer combater o PT usando a bandeira da República, que é revolucionária e anticristã.

3) Enfim, esse pessoal perdeu o senso de realidade. 

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Do escritor como um agricultor cultural

"Providing for body and soul can be a heavy responsability" (frase tirada da classe Patron, constante do jogo The Guild 2)

Eu digo mais, quanto ao ato de escrever:

1) Alimentar meus pares com dizeres que edificam a consciência é fornecer alimento para a alma. É uma responsabilidade tão tremenda quanto a do camponês que passa o tempo arando a terra.

2) O escritor, dentro da seara cultural, é também um agricultor: um agricultor de almas.

3) Quando almas são formadas dentro da conformidade com o Todo que vem de Deus desde o berço, menor a probabilidade de o mal pescar os virtuosos para o pecado, de modo a conduzi-los ao Cabo das Tormentas, para a perdição eterna. É um trabalho tão importante quanto o de pescar almas, tal como se fazia com os pagãos e os gentios.

Da relação entre nacionidade e hospitalidade

1) Quando se vai para um outro lugar, é preciso que se tenha em mente de que aquele lugar para onde se vai será sua morada, dentro daquela circunstância. Mesmo que a circunstância seja temporária, o lugar deve ser tomado como se fosse um lar, enquanto esta for sua circunstância. É mais ou menos a lógica do poeta Vinícius de Moraes: que isso seja infinito enquanto dure. 

2.1) Eis aí a grande diferença do hostel para o hotel. 

2.2) No hotel, a coisa é fundada de maneira impessoal, fundada no amor ao dinheiro: como foi feito para turismo de negócios, ele é perfeito para turismo em áreas onde a impessoalidade é a norma do dia, como as grandes cidades.

2.3) Em lugares mais familiares, em lugares onde não existe a impessoalidade, o senso de tomar o lugar como se fosse um lar se faz mais necessário. E isso leva necessariamente à hospitalidade.

2.4) A casa onde moro, o meu mundo interior, é o lugar onde desenvolvo as verdadeiras amizades. Caso um contato meu de internet esteja querendo fazer alguma coisa de relevo no Rio de Janeiro, ele pode simplesmente se fixar na minha casa pelo tempo que for necessário. Ele come minha comida, pode usar minha biblioteca e dorme num quarto de hóspedes - além disso, é próprio do Cristão dividir as coisas com os irmãos necessitados. Tão logo ele cumpra a sua missão, ele volta pra casa e acerta as contas comigo.

2.5) A hospitalidade e a nacionidade caminham juntas. 

2.6) Como isso é conforme o Todo que vem de Deus, o serviço hospitaleiro deve ser recompensado, levando-se conta o tempo que meu hóspede passou em minha casa e o quanto esta casa foi crucial para o desenvolvimento de sua atividade.

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 16 de abril de 2016.

Matérias relacionadas:

http://blogdejoseoctaviodettmann.blogspot.com/2016/12/notas-sobre-hospitalidade-uma-visao-que.html

Engenharia genética e o processo de proletarização do campo

1) A natureza fornece alguns recursos importantes, como certas espécies de vegetais que podem ser usadas em agricultura. Elas são pegas a partir de plantas selvagens.

2.1) Ao longo da civilização, a agricultura constituiu-se uma atividade basilar, pois fornecia todos os bens necessários para o atendimento das necessidades humanas. Do trigo vinha a farinha - e da farinha, combinada com água e outros bens complementares, temos o pão. Graças a isso, a classe camponesa, na Idade Média, adquiriu um poder político muito grande.

2.2) Com a engenharia genética, um novo tipo de bem complementar surgiu: a espécie geneticamente modificada. Da competição do modelo geneticamente modificado com a espécie domesticada, a espécie domesticada terminará extinta - logo, a cultura do colonato terminará escrava de empresas inescrupulosas que trabalham com engenharia genética, como a famigerada Monsanto. Da mesma forma, todo o conhecimento que se tinha por conta da cultura do colonato se perderá, por conta do progresso fundado na ganância, causa da entropia.

2.3) Essas espécies geneticamente modificadas forçam uma atividade agrária organizada tal qual uma fábrica, o que leva a se especular com comida, o que é um pecado contra a Doutrina Social da Igreja, pois querem proletarizar o campo da mesma forma como fizeram na cidade. Se o campo for proletarizado, haverá poder de vida e de morte sobre os que moram na cidade, pois a cidade é um eco-sistema dependente do campo, o que acaba gerando uma luta de classes mais ampla, de proporções gigantescas: campo x cidade.

3.1) Para haver engenharia genética dentro da conformidade com o Todo que vem de Deus, todo esse conhecimento deve estar nas mãos das famílias da forma mais ampla possível, através do distributivismo. Famílias sensatas preservarão suas espécies domesticadas e usarão espécies geneticamente modificadas de modo a colonizar novos ambientes onde a produção agrícola de certos gêneros não era possível, o que expande a fronteira agrícola e o senso de se tomar o país como se fosse um lar.

3.2) Se a genética veio a partir de um padre, então a engenharia genética deve se pautar por postulados próprios da conformidade com o Todo que vem de Deus e não trair tudo aquilo que há de mais sagrado.

sábado, 23 de abril de 2016

Notas sobre como o libertarismo esvazia tudo aquilo que decorre da dor de Cristo

1) Aqui no Pechincha, onde eu moro, sempre soltam fogos de artifício, por conta do dia de São Jorge.

2) Eles não estão comemorando a bravura e o martírio de São Jorge, por lutar contra o mal de modo a defender a fé em Jesus Cristo, que é o caminho, a verdade e a vida - na verdade, o que esses macumbeiros comemoram é o artigo 5º da Constituição de 1988, que garante a falsa liberdade de se crer no que quiser, ainda que isso esteja dissociado da verdade.

3) O libertarismo esvazia culturalmente tudo aquilo que decorre da dor de Cristo e só conserva o que é conveniente e dissociado da verdade. Por conta disso, acaba edificando liberdade para o nada.

4) Combater isso é crucial para se combater a mentalidade revolucionária e restaurar a Aliança do Altar com o Trono estabelecida em Ourique.

Sobre o voto censitário

1) Se a pessoa tem renda que decorre de trabalho, isso é sintoma de responsabilidade. E quanto maior a renda decorrente do trabalho, maior a responsabilidade de se fazer uma boa escolha. Por isso que o sufrágio era restrito - se fosse universalizado, a escolha irresponsável era certa.

2) Quando se faz uma má escolha, a renda per capita da população cai. E um dos sintomas de progresso material da população e de sua liberdade está na renda per capita.

3) O problema do voto censitário está quando o grosso da renda está concentrado em poucas mãos, quando o poder de usar, gozar e dispor é dominado e concentrado por todos aqueles que amam mais o dinheiro do que a Jesus Cristo. Além disso, há um outro problema: a política se reduzirá a aspectos econômicos - os aspectos morais deixarão de ser levados em conta, uma vez que há na sociedade a falsa noção de que a fraternidade universal inexiste e que a riqueza é um sinal de predestinação, de virtude, o que certamente prepara o caminho para o comunismo.

Os caminhos criados pelo Espírito Santo são criados de maneira improvisada, mas sólidos e seguros

1) Uma mente inspirada na conformidade com o Todo que vem de Deus - por estar amparada em sólidos princípios morais, em sã doutrina e em uma boa teoria - pode escrever sobre coisas de maneira improvisada, sem planejamento algum - e a coisa terá o selo da bondade, pois escrever para os outros é um ato de caridade e isso geralmente é atribuído ao Santo Espírito de Deus.

2) Uma leitura ou outra serve de referência, mas só no Espírito Santo é que fazemos as pontes de modo a que possamos construir os caminhos necessários de modo a encontrar o verdadeiro tesouro: o saber.

3) O processo de construir, de inteligir essas pontes, está na empiria - quanto mais experiência você tiver na vida reta, na fé reta e na consciência reta, mais você poderá extrair o que há de bom em cada leitura. 

4) Não adianta ler 80 livros se você não estiver devidamente inspirado. Uma vez feito esse trabalho, depois vem a transpiração - tal como vemos na tradução ou na revisão do texto, de modo a que ele fique gramaticalmente correto.

Sobre o fato de ser guiado pelo Espírito Santo

1) É verdade que o Espírito Santo, tal como o vento, sopra onde quer - mas, ao contrário dos seres com vocação para biruta de aeroporto, quem se deixa ser inspirado por Ele sempre acha um caminho, de modo a estar em conformidade com o Todo que vem de Deus.

2) É como o bandeirante - caminhando e explorando esses caminhos que encontra, sempre encontrará verdadeiros tesouros. E esses tesouros são espirituais, pois valem mais do que ouro e prata.

De que modo posso ser útil à Pátria

1) Meu lugar é estar diante dos mais ilustres varões do Império e do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.

2) Para eu ser útil no Congresso, ponham-me entre gente inteligente - não sou a pessoa mais indicada para lidar com gente inferior, como é o grosso dos nossos congressistas. 

3) Calígula nomeou um cavalo senador. A república fez algo pior: montou um estábulo - só tem cavalgadura da pior espécie.

Notas sobre três perfis de principado

1) Há príncipes com vocação para serem excelentes generais. (D. Pedro I)

2) Há príncipes com habilidades intelectuais tão notórias que dão excelentes juízes e pais da pátria. (D. Pedro II)

3) E há os príncipes pios que dizem sim a Cristo, levando povos inteiros sob sua proteção a dizerem sim a Ele. (D. Afonso Henriques, primeiro Rei de Portugal).

4) Os perfis dos príncipes são vários, pois os príncipes que tivemos tinham personalidades diferentes, pois eram pessoas diferentes que exerceram ao longo da história papéis diferentes, em função de seus dons e do modo como responderam às circunstâncias de seus respectivos tempos, em Cristo. É por isso que um rei tinha que ter muitos filhos para colaborar com os planos de Deus - a exemplo do grande número de cardeais passíveis da escolha divina, a existência de muitos príncipes nos permite antever que nunca faltará a vocação justa e adequada para um dado momento do reino.

5) Mas o que importa, para a estabilidade da monarquia, é que o papel inspiracional do monarca seja bem desempenhado. E bem desempenhado sistematicamente, ao longo do tempo e das gerações. Quando o papel inspiracional é bem desempenhado, isso supre as deficiências dos príncipes nos outros papéis onde eles não são tão bons.

6) Quando o príncipe é um bom exemplo de modo a se tomar o país como um lar, não faltará gente para representá-lo e supri-lo onde ele mesmo não tem habilidade. Logo, os inspirados atuam como longa manus dos príncipes nos setores onde eles são mais fracos: e as vitórias dos substitutos são também vitórias dos próprios príncipes, que deram causa para que o país vencesse uma guerra, em Cristo.

7) O ideal é que todo príncipe fosse perfeito. Mas a perfeição não é algo que Deus deu aos homens, marcados pelo pecado original. O príncipe perfeito é aquele que desempenha brilhantemente estes três papéis. Mas isso é algo muito raro. Só em momentos muito especiais na História que Deus manda esses gênios especiais para reger a pátria, nesses três perfis.

8) Quando um rei rege nesses três aspectos e é conforme o todo de Deus, ele é um santo.

Quem conserva a dor de Cristo paga um alto preço pelo que acredita

01) Como conservadores, nós pagamos um preço alto pelo que acreditamos.

02) Parafraseando Thomas Jefferson, we hold these thruths - e são as verdades decorrentes do fato de que nós aprendemos as verdades reveladas, através do ensino da Igreja, que recebeu a incumbência, como corpo de Cristo, aquilo que Cristo nos ensinava, quando esteve aqui entre nós.

03) O protestante que se revolta contra a Igreja, alegando que isso é monopólio, está incorrendo numa tremenda de uma mentira - essa incumbência, esse sacramento não pertence à Igreja, mas a Jesus, que por tradição, legou esse legado, que passou a ser administrado pela Igreja, através de São Pedro, eleito por Cristo, como sendo o seu primeiro Papa.

Tiradentes - um feriado que enforca a vida produtiva da nação

01) 21 de abril é dia nulo, por ser feriado fabricado e trabalho perdido - este país comemora como feriado o dia da mentira como se fosse a sua verdade. 

02) Essa mentira tomada como se fosse verdade acabou se tornando um motivo para se estar em vadiagem, pois em certos anos este dia cai numa quinta-feira - nela, a sexta, dia útil, é quem termina enforcada, de modo a se curtir um feriadão indevido, e fora da lei natural, junto com o sábado e o domingo. Eis aí como é construído o submundo - eis aí a subcultura criada pelos feriados fakes.

03) Como tomo meu país como um lar e não como religião de Estado totalitário, reitero meus sinceros votos de desprezo permanente a esta ordem mentirosa de 127 anos, coisa que faço questão de  atualizar a cada ano. Reitero ainda meus sincero votos de desprezo para os débeis mentais apátridas que justificam esta odiosa prostituição em que nos metemos ao nascer como sendo "o melhor dos governos". Enfim, Não há mentira mais mal contada do que esta, pois ela condenou gerações inteiras de brasileiras à morte, à apatria, à indignidade decorrente de um legado nulo, sem valor. 

A Aliança do Altar com o Trono atende à regra dos Direitos Humanos Tributários

1) Na época da Inconfidência Mineira, a coroa portuguesa cobrava um quinto de toda a riqueza do país (20%) - sem contar o dízimo da Igreja, que é voluntário. A carga financeira que sustenta a Aliança entre o Altar com o Trono era de 30%.

2) A Igreja - àquela época e ainda hoje - tomava para si a função de oferecer saúde, educação e de promover caridade e a evangelização das pessoas. A Coroa ficava responsável pela manutenção da ordem, os investimentos em infra-estrutura, tecnologia, e garantir o livre mercado e a propriedade privada. Obviamente essa estrutura fundada conforme o todo de Deus é custosa, mas necessária. 

3) Na Argentina, existe uma jurisprudência consolidada de que os Direitos Humanos tributários são de 33%, da riqueza nacional.  Isso porque hoje os mega-estados pretendem concentrar em si todas as atividades que outrora eram melhor executadas tanto pela sociedade civil, quanto pelo clero - e o resultado disso é o que vemos: péssima qualidade dos serviços, construção de verdadeiros currais eleitorais, de modo a fazer dos mais incultos dependentes dos maus políticos e tiranos que sugam quase metade do que é produzido pelo povo para custear os seus partidários. 

4) Os inconfidentes atentaram contra o governo fundado na aliança do altar com o trono - agora que a nulidade impera, hoje ela cobra o meio dos infernos.  Dentro da lógica dos direitos humanos tributários, a República é uma grande violadora dos direitos humanos, pois nega-nos o direito ao desenvolvimento, ao emperrar a nossa liberdade, de modo a servirmos bem e tomarmos nosso país como um lar

5) Os inconfidentes, esses revolucionários, não passam de mártires de araque - pois para ser mártir é preciso que se morra por uma boa causa, nobre por si mesma e conforme o todo que vem de Deus. Há algo de bom em se semear sistematicamente uma ordem livre fora da liberdade que se dá em Cristo? É claro que não - buscar a liberdade fora da liberdade que se dá em Cristo é buscar a escravidão. E a República, seja ela qualificada no comunismo ou no positivismo, é escravidão - por isso que a repudio tanto quanto o comunismo.

6) Sonegar à coroa e à Igreja e tornar-se mártir de falsa causa, e ser retratado como se fosse um Cristo sacrificado, não tem preço  - Tiradentes é o arquétipo da promoção da nulidade, da traição absoluta. É a desconstituição revolucionária da história de um povo, de tal modo a virar este espectro de país que temos hoje.

7) O verdadeiro genocídio começa quando se semeia essa mentira como se fosse verdade - o imaginário da pátria está sendo assassinado sistematicamente todos os anos, condenando gerações inteiras à apatria. São gerações inteiras de brasileiros que morreram sem conhecer a monarquia - e isso deve ser incluído entre as vítimas do genocídio republicano, sem contar os massacres de Canudos, do Contestado e outros tantos que por agora me esqueço de citar. A cada novo ano promovendo e atualizando entre nós a cultura decorrente dessas mentiras, mais brasileiros caem na apatria e acabam perdendo a esperança na pátria, de tal modo que acham que podem buscar uma nova vida fora do Brasil, longe de suas raízes. Do jeito como são as coisas hoje, eles só vão encontrar ilusão, pois serão tratados como se fossem cidadãos de segunda classe.

Como ocupar espaços nesta ordem revolucionária

1) Deodoro falou uma coisa muito importante: não se metam com coisas republicanas.

2) O regime não é legítimo e o voto é obrigatório por força de sabedoria humana dissociada da divina. Logo, não posso, não quero e não vou votar, pois não sou cidadão desta falsa pátria. Não vou conservar algo que não se funda na verdade, muito menos na vocação da pátria.

3) Se conheço bem o destino da pátria, então devo lutar para que o povo tenha a consciência restaurada. E uma vez a consciência restaurada em Cristo Jesus, ele não vai votar numa ordem ilegítima - ele preferirá aclamar o Imperador a votar num presidente da República.

4) Quem estiver conforme o todo e quiser ocupar os espaços, a gente elege, no sentido de ocupar o espaço e esvaziar a ordem esquerdista em seus próprios termos. Jamais votarei em alguém que não conheço, mas em alguém que seja sabidamente servo de Deus. E se eu o conheço, posso vigiá-lo melhor e assessorá-lo. 

5) Se você se mantém vigilante, você não permitirá a corrupção de um Cristão que queira destruir toda a legislação revolucionária. O candidato Cristão deve estar em conformidade com o todo - só ele merece o voto. E o partido deve ser uma associação de Cristãos, com o objetivo de ocupar os espaços e lentamente restaurar a aliança do Altar com o Trono.

6) Só assim que lentamente se restaura a monarquia, por vontade popular.

Notas sobre jus sanguinis

1) O sistema do jus sanguinis, num regime de Estado laico europeu, deseja criar uma espécie de novo homem, fundado na idéia de superioridade racial - e isso é um mito já refutado, mas ainda não revogado. Ele parte da idéia de que o Estado - a mais alta das realizações humanas, segundo Hegel - deve ser tomado como se fosse religião.

2.1) Esse nefasto direito parte do princípio de que italianos são melhores que os não-italianos, quando nascidos na Itália. E para ser considerado cidadão italiano, você deve jurar lealdade ao Estado italiano - com isso, você adquire a nacionalidade e passa-a aos filhos. É a versão institucionalizada do culto doméstico do pater familias, só que se dá de forma pública.

2.2) A lei constitucional, nesse sentido, acaba criando privilégios fundados no fato de que ser súdito do Estado implica ser descendente direto dos deuses que governam esse Estado, o que é um claro retorno ao escuro, ao paganismo.  A lei, por ter cunho abstrato e por se fundar no princípio da impessoalidade, não leva em conta a qualidade da pessoa, por conta de seu passado e conta dos serviços que seus antepassados prestaram ao país.

2.3) Um desses privilégios é o direito de votar. A nacionalidade, nesse aspecto, perverte a idéia de nobreza ao democratizá-la, ao inflacioná-la sociologicamente, terminando por destruir toda a tradição ensinada pela Igreja.

2.4) O fundamento da nobreza está no fato de que a ordem, fundada na virtude, entra por uma só pessoa, que vive a vida em conformidade com o Todo que vem de Deus, coisa que se dá na carne, e distribui esse exemplo a todos que a circundam. É uma evangelização silenciosa, mas ensurdecedora - as forças do mal não conseguem ocupar esta oficina, pois ela está sempre trabalhando em prol da comunidade daqueles que amam e rejeitam as mesmas coisas, tendo por Cristo fundamento. 

(José Octavio Dettmann​, comentando sobre o jus sanguinis, um dos critérios usados em direito para se adquirir nacionalidade, a partir do nascimento de alguém).

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Como deveria ser feita a fundação de Brasilia?

1) Se eu fosse governante e quisesse fundar uma capital, localizada no coração do país, de modo a facilitar a integração nacional, o primeiro passo é fazer com que esta nova capital fosse parte do senso de se tomar o país como se fosse um lar em Cristo, sem destruir tudo o que foi feito, quando a sede do governo estava na antiga capital, São Sebastião do Rio de Janeiro

2) Eu construiria a cidade de modo a que fosse uma cidade viva - e sem os artificialismos que Brasília tem, que se fundam na utopia. Ela começaria pequena; à medida em que crescesse - por força da livre iniciativa de sua gente e por força da sensatez dos bons governantes, constituídos de modo que aquela terra fosse tomada como se fosse um lar em Cristo -, a nova cidade seria promovida até se tornar uma metrópole. E quando se tornasse uma metrópole, eu autorizaria a instalação de acomodações governamentais de tal modo a que esta passasse a se tornar a nova capital do país. No dia 22 de abril, haveria a missa de instalação da capital nacional na cidade - e a cidade receberia o nome de Nova Ourique, pois essa cidade receberia o encargo de ser o coração da pátria, no que tange a servir a Cristo em terras distantes.

3) Jamais faria como JK fez: prometendo 50 anos em 5. Eu faria a nova capital levando em conta aquilo que se estabeleceu em Ourique e sem tirar as honras que são devidas ao Rio de Janeiro, por conta do enorme serviço que esta cidade teve por ter sido capital do Brasil e do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.

4) A nova capital viria pela força dos que moram na cidade que ajudaria a fundar - incentivos não faltariam. Seria algo mais verdadeiro e mais conforme o Todo que vem de Deus. Do jeito como Brasília foi fundada, é melhor destruir tudo e refundar a cidade.

Comentários sobre a regra da inexistência de juízo ou tribunal de exceção

1) Só numa Constituição divorciada da Lei Eterna é que temos esta regra: "não haverá juízo, nem tribunal de exceção".

2) A situação em que nos encontramos, como já disse, é de flagrante violação da Lei Eterna - como a situação é de defesa da ordem fundada na verdade, coisa que se funda na conformidade com o Todo que vem de Deus, então estamos numa circunstância de exceção - por isso, devemos estar em permanente prontidão, pois estamos em guerra contra o mal objetivo. O que a Carta de 1988 é letra morta e se aplica a uma sociedade laica, coisa que não somos - somos Cristãos e esta ordem não nos serve, pois não é verdadeira.

3) Lula e seus asseclas devem ser julgados por uma corte marcial, tendo por base a Lei Eterna. Os juízes que vão julgá-los devem ser tementes a Deus e aplicar a Lei Eterna e as Leis da Pátria contra este apátrida. Se as leis da pátria atentarem contra a Lei Eterna, que se faça a boa razão de não aplicá-las, pois isso não vem de Deus, do Cristo Crucificado de Ourique.

Notas sobre a mentira dita pelo General Vilas Boas

1) Se devemos amar e perdoar os inimigos, então devemos perdoar aqueles que não sabem o que fazem.

2) Comunista escolheu o que era conveniente e dissociado da verdade e edificou uma ordem fundada em sabedoria humana, dissociada da divina. Não só é um herege - ele é um apóstata, pois tenta destruir por todos os meios a verdadeira ordem, fundada na verdadeira fé. Desse crime, ele se confessa culpado - e disso é incapaz de se arrepender, pois a verdade, segundo Lênin, é preconceito burguês. Do mesmo modo, a justiça, segundo Karl Marx.

3) Quando digo que esses seres devem ser exterminados à base de espada, há gente que fala que não sou Cristão. Ora, a justiça divina também precisa de mãos humanas, pois o mal é flagrante e deve ser detido.

4) A situação em que nos encontramos é de guerra santa e não de normalidade institucional. Quem prega isso está se pautando numa ordem jurídica que vai contra a lei natural, como o General Vilas Boas, que afirmou isso. O que temos é violação da Lei Eterna - como a Lei Eterna antecede todas as outras, então a Guerra é justa e eles devem ser eliminados. É do sangues desses servidores de Satanás, desses sanguessugas, que regaremos a terra, de modo a que coisas boas sejam produzidas.

O ministro Patriota é um apátrida

1) O min. Patriota, o atual chefe do Itamaraty, é um apátrida - agiu como agente garantidor da ação criminosa que a infame búlgara está a promover no estrangeiro. A imprensa estrangeira, tão esquerdista quanto a nossa, está comprando as mentiras dessa mentirosa.

2) O que ele faz é crime de lesa-pátria. E alta traição se resolve com fuzilamento.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Do bloqueio como morte virtual

1) Se bloqueio é morte virtual, então é a glória para mim, pois sei que serei bloqueado por falar a verdade. 

2) A vida virtual é acessório que segue a sorte do principal, a vida real. Se eu sofrer um martírio virtual, eu terei a glória no Céu de forma real.

3) Se há homens que nasceram para a vida virtual, então haverá Santos virtuais. Esses Santos virtuais têm uma poderosa eficácia redentora na vida de todos aqueles que vivem a vida em terras distantes, na conformidade com o Todo que vem de Deus.

4) Cristo Crucificado de Ourique é o patrono desses navegantes de nossa era. Por isso, Nossa Senhora dos Navegantes rogai por nós para que sejamos dignos das promessas do Cristo Crucificado de Ourique! Assim seja!

Fui absolvido dos meus pecado

Depois de fazer minha confissão, meu confessor me perguntou:

_ José, o que você acha de Bolsonaro?

_ Um conservantista. Como conservantista conserva o que é conveniente e dissociado da verdade, ele manterá aquela famigerada regra do Código Penal, que permite o aborto em caso de estupro, que é contra a Lei Natural. Bolsonaro é herdeiro do positivismo, da esquerda que se diz falsamente de direita que preparou o caminho para esta república autoritária. Um arauto da apatria - como muitos o tomam como se fosse religião, muitos estarão condenados ao fogo eterno!

1) Senti-me glorificado! Falei ao meu confessor toda a verdade sobre esse demônio chamado Bolsonaro.

2) Se querem aprender o que é direita de verdade, então fiquem à direita do Pai. Tudo o que é preciso saber é ficar em conformidade com o Todo que vem de Deus, conservar a dor de Cristo e lembrar que Ele é o caminho, a verdade e a vida, a verdadeira liberdade. A morte de Cruz revelou a magnificência do Deus feito homem e acabou por edificar a verdadeira ordem. Se hoje somos livres, isso se deve ao fato de que somos livres em Cristo. Eis o verdadeiro liberalismo - sem cruz não há liberdade.

3) Sei muito bem o que esses salvacionistas representam: uma desgraça completa. Bolsonaro é o novo Hermes da Fonseca. Se algum dia ele for chamado de "capitão sem compostura", isso não me será surpresa.Se República e desgraça completa são a mesma coisa, então eu estou vendo em Bolsonaro a síntese disso que Deodoro falou, pois ele é a personificação disso. Eu vou ser crucificado por falar a verdade, mas eu vou ficar feliz, pois cumpri a minha missão.

Lula, o segundo Tiradentes

1) Estão dizendo que Tiradentes foi pego numa delação premiada. Isso é o que dá conspirar contra tudo aquilo que foi edificado por força do Crucificado de Ourique. 

2) Naquela época, sempre que havia abusos, era perfeitamente possível você oferecer embargos ao Rei, que eram julgados na Casa de Suplicação, em Lisboa. D. Maria I, a Pia - primeira Rainha do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves -, dizia que seu pai, D. José I, estava no inferno, por não ter interferido nos abusos que Pombal havia implementado. D. José I preferiu caçadas a reinar - sua omissão gerou a propaganda republicana.

3) Se Tiradentes foi enforcado e esquartejado, Lula, se for preso na Lava-Jato, deveria ser fuzilado por alta traição. Lula é o segundo Tiradentes, é o "cristo" da Nova República, tão fake quanto o da República Velha, que inventou esta falsa tradição. Fora com todos eles! Eu prefiro Jesus a Barrabás - Ele é o caminho, a verdade e a vida - e por conta da missão que recebemos em Ourique, fundamos esta nação, que é a Terra de Santa Cruz, o Império do Brasil, parte do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.

Honremos a Santa Cruz!

21 de abril - Tiradentes, o "cristo" de araque. Esse dia é dedicado ao Judas, ao Traidor - seu boneco deveria ser enforcado e esquartejado. Não se comemora feriado fake.

22 de abril - Descobrimento do Brasil - desdobramento da missão que herdamos do Cristo Crucificado de Ourique no Continente Americano. Lembremos da Primeira Missa que fundou a Terra de Santa Cruz. Feriado verdadeiro, que deve ser celebrado.

Todos nas Igrejas, neste dia 22 - a presença é necessária, por força própria das coisas, pois se isso se funda na conformidade com o Todo que vem de Deus! Glória a Deus e ao Cristo Crucificado de Ourique! Neste Porto Seguro, tomaremos nosso País como se fosse um lar, em Cristo. Este dia tinha que ser tomado como se fosse preceito, o que justifica o feriado.

Tudo o que é dito por quem age sabidamente de má-fé é irrelevante

1) Se a parte autora da alegação, os esquerdistas, é conhecida por mentir em nome da verdade, então estes estão a litigar de má-fé. Para eles, direito é preconceito - por isso, não precisam provar, pois sabem que há uma legião de juízes, promotores ou mesmo advogados que estão em conluio com eles. E o resultado é que eles dilapidam os cofres públicos com essa indústria de indenizações milionárias, por conta dessas falsas alegações de que foram torturados.

2) Sobre essa questão de que a "direita" também torturou, o argumento só seria válido se a outra parte, a esquerda, estivesse litigando de boa-fé. Como o adversário é conhecido por mentir em nome da verdade, então o debate não faz sentido.

3) O que vi de gente, por puritanismo ou por vaidade, discutindo algo que é sabidamente inútil foi de assustar. Muitos fizeram o jogo da esquerda.

4) Se há algo de bom neste debate todo é o fato de que esse teatro está sendo dinamitado sistematicamente. Muitos estão correndo atrás do livro do Coronel Brilhante Ulstra. Ainda que tardiamente, este livro está finalmente se tornando um sucesso editorial, por conta das verdades sobre o que houve durante o governo de exceção (Regime Militar).

Notas sobre a falsa alegação de que os esquerdistas foram torturados

1) A tortura é um daqueles crimes que deixa vestígios - e essas marcas podem ser físicas ou psicológicas.

2) Se eu fosse torturado, eu faria exame de corpo de delito voluntariamente e publicamente, de modo a provar o que alego.

3.1) Em direito, a mera alegação não é prova. Você precisa provar o que diz. 

3.2) Esses esquerdistas que se dizem torturados não possuem nenhum vestígio físico ou psicológico de que foram torturados. Além disso, jamais apresentaram um exame de corpo de delito.

3.3) Essa história me lembra aquela da cota dos negros. Eu não preciso provar que tenho ascendente negro - basta eu alegar e aí terei uma grande vantagem sobre aquele que foi honesto e conforme o Todo que vem de Deus. 

4) Quando digo que essa discussão que presenciei ao longo desses três dias foi a mais inútil que já presenciei desde 2014, eu não estava brincando. É por essas e outras que continuo escrevendo o que escrevo e me mantenho alheio a essa discussão. Odeio questões bizantinas!

Liberdade dos mares dentro da tradição ouriqueana

1) Todos os caminhos, fundados na conformidade com o Todo que vem de Deus, levam à Roma. Se quem tem o controle dos mares tem o controle de tudo, então Cristo, que quis construir um Império para si, deu aos portugueses a tarefa de servir a Ele em terras distantes. E para isso concedeu os caminhos dos mares - Cristo é o verdadeiro Senhor dos Mares, pois Ele é dono de tudo, pois Ele tem o Poder, pois é o Senhor de todas as nações. As nações verdadeiramente livres são livres em Cristo, por isso, a liberdade dos mares só existe se houver a prerrogativa de servir a Cristo em terras distantes - e Cristo a concedeu a Portugal, em Ourique.

2) Se em Portugal temos o interesse nacional casado na missão universal, então o mar fechado, fundado na vocação, se torna um mar aberto universalmente, se todos os povos se associarem a Portugal, de modo a que este cumpra a esse chamado. Por isso, os portos de Portugal sempre serão as portas do chamado, do destino (ports of call)

3) A liberdade dos mares está fundada num chamado, pois os mares se tornaram caminhos que levam continentes inteiros à Roma, na conformidade com o Todo que vem de Deus. A liberdade dos mares, fundada no amor ao dinheiro, pregada pelos holandeses, leva à liberdade para o nada, pois leva a uma corrida colonial e a uma Guerra Mundial.

4) A propriedade dos mares é universal, por atender ao Cristo Crucificado de Ourique. E neste ponto, o argumento de Welwod tem fundamento, se for fundado dentro daquilo que foi edificado em Ourique. Enfim, todo o Direito Internacional, fora daquilo que é conforme o Todo que vem de Deus, está errado - por isso, as leituras de Hugo Grotius são irrelevantes, por se fundarem em sabedoria humana dissociada da divina.

Notas para quem deseja se casar comigo

1) Houve quem dissesse: "o que eu mais quero é um marido para me sustentar. Em troca, como prova da minha devoção, eu cuido da casa e dos filhos." E eu digo, como homem: o que eu mais quero é uma mulher que cuide de mim, quando estiver doente, e que me alimente, quando estiver com fome. Minha mãe sempre fez isso por mim e gostaria de ter uma esposa que continue fazendo isso por mim, quando minha mãe partir desta pra melhor.

2) Sempre dependi dos meus pais, de modo a poder realizar minhas tarefas intelectuais com afinco, com independência. Se hoje ganho meus próprios recursos, isso tudo eu recebi de Deus - a família que eu tenho e as pessoas que conheci ao longo da minha vida, nestes meus quase 10 anos de rede social, que amam e rejeitam as mesmas coisas, tendo por Cristo fundamento.

3) O único reparo que deve ser feito na mentalidade conservadora é que o conceito de rua, tal qual o conhecíamos, foi alargado. Como falei em um artigo anterior, há a chamada rua virtual - e eu estou sempre nesta rua, embora esteja em casa o tempo todo. É dela que tiro os meus recursos, de modo a manter a minha vida - como vida de solteiro é vida cara e difícil, então continuo vivendo com os meus pais, de modo a progredir na vida mais rapidamente. Como estou em começo de carreira, ainda tenho poucos doadores. Quando já tiver um número considerável de doadores fiéis, que não me deixarão na mão, aí eu posso pensar em ter uma esposa. 

4) Prefiro uma que não me dê problemas, que não interfira nisto que estou fazendo agora, pois faço isso pelo bem do País - e dela e dos meus futuros filhos, indiretamente. Tirar-me da missão [de escrever a todo o povo], por egoísmo ou por capricho, é ingratidão a Deus - e eu não tenho outra coisa a fazer senão ir embora. Saí de um relacionamento de um ano e poucos meses, o único que tive de fato, justamente por conta disso - e isso não faz muito tempo: me livrei dessa dor de cabeça no ano passado e não penso em ter outro relacionamento, se isso se der da mesma forma como se deu. 

5) Há algo muito maior do que eu em jogo: quero meu país livre do comunismo, onde nele possa tomá-lo como se fosse um lar, em Cristo, dentro daquilo que foi edificado em Ourique. E, para isso, sou soldado essencial, apesar de ser um mero colono. Por isso que escrevo - é por isso que luto com as armas que tenho: meu computador, internet ilimitada, meu senso de empiria, minha capacidade de escrever bem e a expectativa de que tudo o que digo ecoe por toda a sociedade. Faço as coisas de modo a que fiquem dentro do plano de Deus - e não admitirei mulher alguma que me atrapalhe nesse projeto. 

6.1) Se casamento se funda na eternidade, então minha futura esposa deve cuidar de mim de modo a que eu possa continuar desempenhando bem as funções que estou a desempenhar agora. Para isso, deve imitar os meus pais, que cuidam de mim enquanto exerço os meus trabalhos. Não tenho tempo para mulheres que estão a agir como adolescentes apaixonadas, apesar de seus quase 40 anos, pois convivo com várias moças online, com metade da idade, agindo como verdadeiras damas - e uma delas terminará sendo minha esposa. O único problema é que não moram no Rio - muitas moram longe. E ainda não tenho dinheiro para ficar na estrada aérea constantemente, de modo a me encontrar freqüentemente com os meus pares, incluindo essas que estejam a me querer como marido, algum dia. Sondarei a todas - e escolherei a que souber me tratar melhor.

6.2) Esse tipo de coisa é parte do meu trabalho, pois o professor Olavo falou que o movimento contra-revolucionário necessita da presença física dos que promovem todo esse caminho de restaurar a pátria, dentro da conformidade com o Todo que vem de Deus - e nas atuais circunstâncias, a possibilidade de viajar com freqüência, pelo País afora, ainda não me é possível.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

O distributivismo favorece à desobediência civil, à luta contra o mal

1) A Igreja Católica tem uma grande tradição de desobediência civil, principalmente quando a heresia tentou se apossar do Estado de tal modo a destruir tudo aquilo que se funda na conformidade com o Todo que vem de Deus, base para se tomar um país como se fosse um, em Cristo.

2) O princípio básico do distributivismo é dar a cada um o que é seu e a dar ao seu irmão aquilo que ele pede. E dar sistematicamente implica distribuir.

3) Se todos fossem donos de seus próprios meios de produção de riqueza, fazer desobediência civil, de modo a combater a mentalidade revolucionária, terminaria sendo mais fácil.

4.1) A descristianização da sociedade, promovida pela nefasta Teologia da Libertação, e a promoção de todo o relativismo moral foram responsáveis para que a resistência à mentalidade revolucionária no Brasil diminuísse. 

4.2) Além disso, os militares, chamados a intervir constitucionalmente em 1964, não fizeram o papel de vacinar o povo contra o comunismo. Aderiram à teoria da panela de pressão do Golbery do Couto e Silva, o que deixou nossas universidades como territórios livres para o esquerdismo, em pleno Estado de Exceção. Quando houve o restabelecimento da democracia, o caos estava instituído, pois a esquerda estava controlando toda a cultura. 

4.3) Quem controla cultura controla todo o resto - o que é o capitalismo senão uma técnica para se acumular dinheiro de uma maneira eficiente, economicamente organizada? Isso é um dado cultural.

O distributivismo favorece à liberdade política dos cidadãos

1.1) O lado bom de ser escritor está no fato de que este não possui vínculo com ninguém, uma vez que seu ofício não está situado num ambiente de economia subordinada, coisa que faz com que o domicílio onde esteja a exercer o seu trabalho acabe se tornando um domicílio necessário, tal qual o do presidiário ou o do funcionário público. 

1.2) Como não possuo vínculo com ninguém, eu posso ir para onde quiser, dentro do território nacional - além disso, posso montar meu próprio horário e fazer coisas próprias de um ativista político.

2.1) Do ponto de vista político, agentes subordinados, com domicílio necessário diverso ao da sede da atividade política, tendem a ser penalizados, justamente por colocarem o interesse da pátria à frente das questões privadas - no caso, as questões trabalhistas, o que caracterizaria nobreza, desprendimento. Imagino que muita gente deva ter sido descontada por conta desse período de acampamento de 3 semanas em Brasilia e por conta dessa nobreza.  

2.2) A atividade política é própria de pessoas livres - em geral, donas de seu próprio negócio ou autônomas. Essa gente, que não está subordinada a ninguém, assume os riscos de suas atividades - como a vida da pátria, tomada como se fosse um lar, está acima de questões privadas, elas assumem o prejuízo decorrente da paralisia de suas atividades economicamente organizadas de modo a combater o mal objetivo, coisa que é prioritária e que não pode ser adiada. 

2.3) Infelizmente, O libertarismo preparou o caminho para o totalitarismo porque a maior parte da força de trabalho que não comunga dos ideais esquerdistas está situada na economia subordinada. Como estão sujeitos ao poder de direção das empresas, os que se encontram nesta circunstância serão penalizados, por se engajarem na luta contra o mal - afinal, vivemos num pais onde se dá mais valor ao dinheiro do que a missão que herdamos do Cristo Crucificado de Ourique.  

3.1) O que caracteriza a esquerda, enquanto organização política, está no fato de que seus intelectuais são engajados, por terem tempo livre para fazer atividade revolucionária, além de serem sustentados para fazer essa atividade livremente. Os mais jovens, como não trabalham e são sustentados pelos pais, são perfeitos para isso.

3.2) O movimento contra-revolucionário não dispõe do mesmo efetivo - ainda são poucos os que podem se dar a esse luxo. Para que isso ocorra, o primeiro passo para isso seria que as pessoas fossem proprietárias de seus próprios meios de produção - e isso deve ser estendido ao maior número de pessoas possível. Isso explica o porquê de os camponeses na Idade Média ou mesmo no início da Renascença terem tanto poder - e foi esse tipo de coisa que o capitalismo tirou de nós, com  o processo de proletarização da sociedade. 

3.3) Se todos fossem donos de seus meios de produção, o processo de se quebrar a hegemonia esquerdista no âmbito cultural seria feito de uma maneira avassaladora - se o escritor for dono de sua própria editora, ele acabará tendo uma poderosa bomba cultural em suas mãos, nos mesmos moldes de uma bomba atômica, edificando coisas sensatas em massa e destruindo coisas fundadas na mentalidade revolucionária, da mesma forma.

3.4) Havendo escritores sérios, em conformidade com o Todo que vem de Deus, vivendo de seu trabalho intelectual, seja por cota dos direitos autorais das obras ou das doações que vierem de seus leitores, estes poderão se dedicar livremente a fazer atividade contra-revolucionária sem empecilho, sem receio de serem penalizados por conta disso, pois o teclado do computador e a internet ilimitada 
são instrumentos perfeitos para esse tipo de trabalho, seja ele dentro ou fora da rede social.

4.1) A Anatel quer inviabilizar a formação desse tipo de militância, coisa que está muito além da atividade político-partidária, pois esta serve à verdade, à conformidade com o Todo que vem de Deus - é por conta disso que está alegando que a Era da Internet Ilimitada acabou. Nada mais arbitrário do que isso!

4.2) Desde que a Câmara autorizou o processamento e julgamento da Presidente Dilma por crimes de responsabilidade, o assunto mais comentado no facebook foi a homenagem do Bolsonaro ao Coronel Brilhante Ulstra - e essa discussão já está em curso há dois dias ininterruptos. Essa questão da Anatel, entretanto, passou batida.

4.3) Como Maquiavel diz em seu livro O Príncipe, a maioria das pessoas está interessada nas coisas miúdas - elas não se interessam pelas grandes ofensas, como essa tentativa da Anatel de matar a única liberdade que ainda nos sobrou: a internet ilimitada, base para a atividade política na rede social. Isso é de partir o coração!

terça-feira, 19 de abril de 2016

Notas sobre inflação, no sentido sociológico do termo

1) Inflação, no sentido sociológico do termo, implica massificar pessoas, torná-las estúpidas.

2) Se o recém-nascido é uma grande folha de papel, então os idiotas que seguem as idéias iluministas pensam que este ser pode ser preenchido com qualquer idéia que seja. É um prato cheio para a ideologia.

3) A inflação sociológica nasce da abolição da família - numa família desestruturada, o homem não nasce e nem se forma - ele apenas vegeta. Se ele vegeta, então ele pode ser substituído por um outro da mesma espécie, quantidade e quantidade. Eis o homem fungível.

4) A fungibilidade se torna mais extrema quando há androginia. Eis aí o homossexualismo sendo incentivado.

5) Havendo uma massa de apátridas imbecilizados, que não farão outra coisa senão se dedicar ao hedonismo e ao consumo extremo, então eles se matarão de trabalhar de modo a ter o que querem. 

6) Como a economia da nação está toda centrada na aliança que se entre os grandes conglomerados industriais e o governo, então a moeda será impressa da mesma forma como se pensa o homem hoje: a partir de uma folha de papel. É como dar lavagem aos porcos - no final, haverá inflacionismo econômico.

7) Por conta da inflação, haverá muitos pobres - e para se acabar com a pobreza, a solução é esterilização em massa dos pobres ou fomentar uma pandemia que mate a todos de uma só vez.

8) O extermínio drástico da população, uma das medidas buscadas pela Nova Ordem Mundial, nasce do inflacionismo sociológico, que gera apátridas. O inflacionismo econômico decorre disso. 

Darwinismo econômico e globalismo

1) Se a economia é uma grande floresta, então cada moeda nacional, por conta do nacionalismo monetário, é uma espécie de floresta de uma só espécie. 

2.1) Uma floresta só de carvalhos morrerá se houver uma doença específica que mate a todos os carvalhos, o que acaba com a floresta - se houver uma floresta rica em diversidade, no entanto, a doença atingirá uma espécie, mas não prejudicará as outras componentes do bioma. 

2.2) Eis aí o cerne da seleção natural - circunstâncias específicas, sejam elas internas ou externas, poderão promover a valorização da espécie monetária  ou a extinção dessa mesma espécie.

3.1) Seleção natural em economia se dá por conta de sabedoria humana dissociada da divina, marcada pelo pecado original - se o ser humano foi criado à imagem de semelhança de Deus, então é, portanto, parte da natureza, desse projeto que Deus criou por amor.

3.2) Se um beócio toma uma medida que impede o desenvolvimento de uma nação por conta de ideologia, isso constitui uma ação útil que favorece o desenvolvimento de um outro lugar onde o governante é sensato e promove o desenvolvimento do país, de modo a que este seja tomado como se fosse um lar, em Cristo. 

3.3.1) Se esse governante é conforme o Todo que vem de Deus, então as pessoas vão buscar refúgio nesse país de modo a refazer suas vidas - e de lá se reorganizarão de modo a retirarem o beócio do poder.

3.3.2) Se a tirania causa miséria, então a contra-revolução, a luta contra a tirania fundada na mentalidade revolucionária, precisa ser feita desde o exterior - sob a proteção do governante sensato e sob a proteção de Deus, você vai organizando a resistência de modo a lutar contra o insensato.

3.4) Em um mundo fundado no hedonismo e no amor ao dinheiro, o sujeito sai de um país subdesenvolvido e vai para um país desenvolvido, uma vez que ambos são países descristianizados - e a independência, fato gerador da falsa soberania, é apenas um pretexto para se alegar que cada país tem a sua verdade e que não devemos nos meter em assuntos internos, seja para o bem, seja para o mal. Neste tipo de ordem, as pessoas saem de um país para o outro com o objetivo de ter uma vida melhor - a nacionalidade não passa de um mero vínculo formal, pois, na verdade, as pessoas não terão laços com lugares, nem com pessoas. É só um cidadão do mundo - um agente da Nova Ordem Mundial.  Enfim, um apátrida. 

4) Eis o produto de tudo aquilo que se pensou no Iluminismo: o ser humano como se fosse uma folha de papel. Se as pessoas são moldadas por ideologia, então ocorre inflação, pois há muita gente medíocre e sem valor algum. Assim é o papel moeda, destinado a esse tipo de pessoa. O que é o abortismo senão uma solução fraudulenta para algo que foi moldado de maneira fraudulenta?

Matérias relacionadas:

http://blogdejoseoctaviodettmann.blogspot.com/2016/04/o-perdulario-e-quem-pratica.html

http://blogdejoseoctaviodettmann.blogspot.com/2016/06/se-o-homem-e-uma-arvores-entao-nacoes.html

Notas sobre economia florestal

1) É preciso pensar a economia como uma grande reserva florestal. Se cada real é uma árvore, então você precisa saber muito bem a hora de abater a árvore, quando for adquirir algo de que necessita.

2) A pessoa que poupa por poupar está seguindo a cartilha democrata do farms here, forests there e o extremo oposto é o desmatamento desordenado, onde a pessoa gasta de tal maneira desordenada que não terá material para repôr o que foi perdido. Resultado: toda a reserva se perde. Ambas as condutas são estúpidas, pois são fisiológicas.

3) Na hora de desmatar, é preciso que se tenha material suficiente para repor o plantel que foi sacrificado em troca de algo. Se você vai abater 250 árvores numa reserva de quatro mil, você precisará de 250 mudas disponíveis, de modo a ter R$ 250 árvores lá na frente.

 Matérias relacionadas:

http://blogdejoseoctaviodettmann.blogspot.com/2016/11/como-uma-relacao-harmoniosa-com.html

http://blogdejoseoctaviodettmann.blogspot.com/2016/06/se-o-homem-e-uma-arvores-entao-nacoes.html

http://blogdejoseoctaviodettmann.blogspot.com/2016/04/darwinismo-economico-e-globalismo.html 

segunda-feira, 18 de abril de 2016

A etnografia leva ao relativismo

1) Se cor da pele, cor dos olhos, cor do cabelo, altura e outras características físicas são adaptações ao meio-ambiente, então não me é lícito dizer que as características étnicas de um europeu têm sua própria verdade, ao passo que as de um africano têm a sua própria verdade, pois isso foge ao princípio da causalidade, por estar fundado na conformidade com o Todo que vem de Deus,

2) A espécie humana é uma só - e Deus a criou por amor.  Tomar dados etnográficos, antropológicos e geográficos como se fossem uma verdadeira religião é promover a liberdade voltada para o nada. Assim como é tolice o fato de que todos têm a sua verdade, então é igualmente falacioso dizer que cada etnia tem a sua verdade. Eis a prova de que antropologia e relativismo caminham lado a lado.

3) Se o libertarismo preparou o caminho para o totalitarismo, então o fez de várias formas:

3-A) Na forma de determinismo geográfico.

3-B) Na forma de polilogismo (se cada um tem a sua verdade, então cada um tem sua lógica)

3-C) Na forma de país tomado como se fosse religião de Estado, onde tudo está no Estado e nada pode estar fora dele - ou mesmo contra.

3-D) Na forma de riqueza enquanto sinal de salvação, de predestinação.

3-E) Na crença de que o ser humano é uma folha de papel, onde nele você preenche o que quiser através do ensino público.

4) Eis porque ele foi condenado como algo tão funesto quanto o comunismo.

Notas sobre determinismo geográfico

1) Se a palavra de Cristo abrange a Terra inteira, então o país para ser tomado como se fosse um lar, não deve se prender a um determinismo geográfico - ele deve se dispersar de modo a que possa explorar as realidades locais e reter o que é bom, de modo a que sua própria cultura, fundada na conformidade com o Todo que vem de Deus, possa se aperfeiçoar.

2) Todo país, para ser tomado como se fosse um lar, deve servir a Cristo em terras distantes e deve conservar o que é conveniente e sensato, por se fundar na verdade. 

3) Se o país ficar preso ao determinismo geográfico, então o clima, o lugar, a organização política, a ação humana adaptada para as circunstâncias do lugar serão tomadas como se religião fossem - e competirão de tal forma a destruir e relativizar a fé verdadeira, fundada na conformidade com o Todo que vem de Deus. 

4) O conceito de nação não abrange um povo, mas vários povos que abraçaram a fé verdadeira, fundada na conformidade com o Todo que vem de Deus. A herança de Israel foi distribuída também aos pagãos. Onde a palavra de Deus for conhecida e observada, o senso de tomar aquele lugar como se fosse um lar é uma possibilidade que merece ser explorada.

Do nacionismo enquanto uma possibilidade a ser descrita, dentro de uma literatura de viagem

1) Se a Geografia nasceu do diário de viagem, então o senso de se tomar o país como se fosse um lar é uma possibilidade que deve ser explorada. 

2.1) Coisas que você não consegue aplicar, por conta da realidade local A, podem ser tentadas na realidade local B, seja por conta do clima, seja por conta de medidas políticas. 

2.2) Se o governo do país B proíbe ou permite as coisas fundadas em boa razão, em conformidade com o Todo que vem de Deus, eis aí uma boa razão para se experimentar fazer coisas que no país A você não pode fazer, uma vez que o critério de permitir ou proibir está dissonante da lei natural, por estar fora da conformidade com  o Todo que vem de Deus. O país B, dentro do ponto de vista cristão, está livre em Cristo, é liberal, pois seu regime político é fundado na magnificência, fundado na Aliança do Altar com o Trono - o outro é conservantista, preso a uma mentalidade revolucionária, que edifica liberdade voltada para o nada, relativizando tudo aquilo que há de mais sagrado.

3) O fundamento decisivo para se colonizar um outro lugar está no fato de que aquele país oferece aquilo que o outro não tem: liberdade, fundada na conformidade com o Todo que vem de Deus. E é essa liberdade é a base para a prosperidade, para se tomar o país como se fosse um lar.

4) Quando dois países são livres em Cristo e se respeitam mutuamente, o trânsito entre essas pessoas deve ser livre. E aí a questão da imigração deixa de ser uma defesa e passa a ser uma liberdade, fundada na livre escolha de vida, fundada na vocação. 

5) Se o senso de tomar o país como se fosse um lar é afetado pela imigração, então ela deve ser feita de maneira ordenada, fundada numa tradição verdadeira. Quando se busca o multiculturalismo, busca-se o relativismo cultural - e só a força é que manterá ordem no lugar.

Fundamentos para uma boa literatura

1) O professor Olavo de Carvalho fala que o trabalho do escritor é o de fomentar a imaginação das pessoas. Para que essa imaginação produza boa consciência, o escritor precisa ter uma vida reta, uma fé reta e uma consciência reta.

2) Tudo o que se funda na eternidade leva à realidade. Um ficcionista imaginário deve lidar com o potencial das coisas, ainda que o fato não esteja presente na realidade. Se o fato estiver presente, flagrante, deixa de ser literatura e vira fato jornalístico.

3) A escrita deve ter forte caráter realístico - a descrição deve ser a mais realista possível, o comportamento dos personagens deve ser convincente e o diálogo entre os personagens deve ser construído de tal modo a que essa situação, quando se tornar real, seja aquilo que você está descrevendo no livro. Ou seja, a ficção literária deve antecipar-se ao fato jornalístico e não pode ser feita de maneira sensacionalista, de modo a relativizar tudo o que é mais sagrado. 

4) É por essas razões que o escritor precisa de certos elementos das outras ciências - como História, Antropologia, Psicologia - de modo a que tenha conhecimento suficiente para descrever as coisas com a mais absoluta precisão - no entanto, ao descrever o fato, deve fazê-lo numa linguagem simples e de fácil entendimento ao maior número de pessoas possível. A ficção, para ser realista, necessita de muito conhecimento científico - quanto mais um escritor puder descrever a realidade potencial com precisão, mais crível o fato se torna, quando um dia se tornar presente na realidade.

5) Verdade conhecida é verdade observada - mesmo que não esteja presente num lugar, pode estar presente em outros. Por isso, os escritores devem viajar com certa regularidade, de modo a colher o máximo de informações necessárias de modo a revelar essas coisas para os pares com a finalidade de se tomar o país como se fosse um lar, advertindo das conseqüências ruins que podem ocorrer caso algo vindo do exterior se torne um modismo por aqui. A Geografia, enquanto ciência, nasceu de diários de viagem - conhecimentos de História, Política e Sociologia também ajudam e muito a compreender a realidade do lugar.

6) A morte da literatura, enquanto elemento que antecipa as coisas, está profundamente relacionada à cultura do materialismo. Para o materialista, aquilo que não está visível não existe - e por não existir, isso não merece ser observado. Isso empobrece a linguagem, pois aquilo que merece ser observado, mesmo que não esteja presente na realidade, deve ser registrado - e isso leva à conformidade com o Todo que vem de Deus, pois devemos ter fé naquilo que não podemos ver, mas que é verdadeiro. Sem essa dimensão espiritual, não há literatura.

sábado, 16 de abril de 2016

A garra do aprendizado é própria dos inocentes

1) Em processo penal, nós vemos a garra dos inocentes.

1.1) Quando um inocente está sendo acusado injustamente de um crime, a mente dele não estará em paz, enquanto tudo isso não for devidamente esclarecido. Isso é um atestado de honestidade, de conformidade com o Todo que vem de Deus;

1.2) A mesma coisa podemos encontrar com todo aquele que deseja aprender alguma. A garra do aprendizado é a mesma dos inocentes - ele tentará conquistar a simpatia dessa pessoa que detém o saber, de modo a que seja digno desse aprendizado. Isso se o portador desse saber for uma pessoa íntegra e conforme o Todo que vem de Deus,

2) Em debates relevantes, a garra do aprendizado deve estar presente. Do contrário, é perda de tempo - e é pecado perder tempo com gente que vampiriza.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Mais notas sobre o método geométrico

1) Padre Paulo Ricardo ensinava a diferença entre ídolo e ícone:

1.1) Ídolo é toda imagem que leva a um nada. A adoração a um ídolo é puramente sentimental, voltada a coisas de momento, fisiológicas - não está fundada na reta razão e nem na verdade. 

1.2) Exemplo disso são as imagens da deusa do Sol, da Lua e da Chuva - como essa gente não compreendia direito esses fenômenos, adorava-os somente pelo fato de que existiam e porque traziam benefícios que não podiam compreender. 

1.3) No mundo moderno, a adoração a estrelas do rock ou do futebol tem profunda relação com os ídolos de antigamente: eles são adorados por conta da qualidade de suas músicas, por suas atitudes que desafiam as convenções sociais ou porque fazem gols que garantem a vitória do time. A vida por trás deles nem sempre é motivo de santidade ou de dedicação à verdade - e uma vida fora da conformidade com o Todo que vem de Deus não merece ser digna de registro, pois não é relevante para a posteridade.

1.4) Em inglês idol (ídolo) e idle (desocupado, vago) têm a mesma pronúncia. E são parecidas, quanto à forma de se escrever. Por isso, faz todo o sentido dizer que o libertarismo, que edifica uma 
liberdade fora da liberdade de Cristo, restaura os ídolos, pois isso é cultura apontando para o nada, destituída de sentido verdadeiro.

2.1) Ícone é uma imagem que aponta para o que é verdadeiro, para o que é conforme o Todo que vem de Deus. É a fotografia de algo que é amado, por conta do seu serviço à verdade e à virtude. Eis a imagem dos Santos ou de Jesus na Cruz. São símbolos que fortalecem a fé de comunidades inteiras - símbolos eternos que fazem com que a cosmologia das coisas se perpetue em nossa civilização, por se fundar na verdade, naquilo que é conforme o Todo que vem de Deus.

2.2) Se a tradição apostólica é um cone, então essa imagem é indelével, por representar a verdade - é um ícone, pois é próprio, inato, desse cone, que representa a verdade. E destruir esse cone, que é o símbolo da Igreja, é promover iconoclastia. É um pecado contra a bondade de Deus.

Teoria do processo e método geométrico

1) No processo, angularização é o ato de chamar o réu a responder às acusações feitas pelo autor, desde o momento em que a petição foi distribuída ao juiz competente.

2) Se o processo tem toda uma história, então o juiz deve ouvir as duas partes, o autor e o réu.

3) Se justiça é ver a verdade que há por trás das ações humanas, então este prisma decorre da conformidade com o Todo que vem de Deus. É o natural right aplicado aos casos concretos.

4) O prisma está contido tanto na pirâmide quanto no cone, pois o bispo era também um juiz, tal qual o Deus verdadeiro que decorre do Deus verdadeiro também é, enquanto juiz dos vivos e dos mortos. É a menor parte de todo esse sistema, seu dado irredutível.

Deus é o método geométrico

1) Tudo o que sabemos de Jesus, Nosso Senhor, está narrado nos quatro autores do Evangelho.

2) Cada autor apresenta Jesus dentro de um ângulo, de um ponto de vista fundado na eternidade, na conformidade com o Todo que vem de Deus - juntados os quatro ângulos, temos uma base quadrangular, um verdadeiro sistema de crenças tendo Nosso Senhor, o Deus verdadeiro que decorre do Deus verdadeiro, o centro de todas as coisas. Eis o cristianismo.

3) Essa base não seria possível se não decorresse do mais alto dos Céus. Os quatro ângulos do Evangelho receberam inspiração do Divino Espírito Santo, de modo a escrever o que viram - e isso forma uma pirâmide. 

4) Quatro foram os evangelistas - doze eram os apóstolos. A pirâmide está inscrita num cone, na razão de um terço - esse cone é a tradição apostólica e São Pedro tem a chave dos céus - tudo o que é fora da conformidade com o Todo que vem de Deus feito na terra está desligado dos Céus e tudo o que é verdadeiro está ligado aos Céus, por ser conforme o Todo que vem de Deus, criando uma verdadeira ponte que subsidia todas as coisas para virtude, edificada a partir da boa fé e das boas obras, ambas fundadas na boa razão.

5) A Lei Eterna se dá a partir de fatos que descrevem o longo caminho que foi preparado de modo a que o Evangelizador por excelência pudesse passar - quando este caminho foi preparado, valores foram edificados. E para que isso tivesse pleno cumprimento, Jesus ensinou que é preciso que nos amemos uns aos outros tal como Ele nos amou. Dito por essa forma, a teoria tridimensional do Direito é válida, pois a Lei Natural é fundada de fato, valor e norma, pois é tridimensional também.

6) Se há um método geométrico verdadeiro, uma única causa que explica todas as outras, então ela está em Deus. E não existe outra.

Analisando uma marchinha de carnaval

1.1) Na monarquia, o país é tomado como se fosse uma grande família. 

1.2) Na família, este microcosmos da pátria tomada como se fosse um lar em Cristo, a vida é feita de nãos - isso é feito de modo que as crianças possam ter um desenvolvimento sadio e viver a vida em conformidade com o Todo que vem de Deus. 

1.3) Por isso que em casa de monarquista não se racha lenha e nem se pica fumo.

2.1) Na república, o país é tomado como se fosse uma grande casa de prostituição ou uma grande casa de negócios. Como prostituição é um grande negócio da China, é o atalho mais seguro para o comunismo, para o abismo. 

2.2) Como o comunismo é o caminho fundado na mentira e na morte, então o primeiro passo para esse mal se enraizar, enquanto cultura, começa a partir da abolição da família. 

2.3) Da conjunção carnal - da ligação casual que se dá entre homem e mulher, fundada no desejo da carne -, o que aparenta ser eterno é na verdade ad hoc, pois o que é sólido se desmancha no ar, por força de incentivo governamental - consumado o ato, cada um vai segue o seu caminho e tem a verdade que quiser.  

2.4) Como isso edifica liberdade para o nada, tais atos ad hoc não passam de falsa adoração - para essa gente, um bezerro de ouro vale mais que o Deus verdadeiro que decorre do Deus verdadeiro. Eis o conservantismo, enquanto ordem diabólica.

Do auto-aprendizado como loucura merecedora de elogios por toda a eternidade

Nos anos 90, quando estudava na Nicarágua (Escola Municipal Nicarágua, que fica em Realengo, no Rio de Janeiro), eu estava lendo um livro de ciências destinado à sexta série, numa época em que estava na quinta série.

Uma colega me perguntou:

_ Você é de que série?

_ Quinta!  - disse eu.

_ Você é maluco! - e ela foi embora.

Aprendi, por essa via, que estudar segundo meu próprio ritmo é ser chamado de maluco. Então, eu sou maluco com muito orgulho, pois estudei História sozinho, sem precisar de professor - e quando estava na oitava série, eu dava aula particular para colegas meus que estavam no terceiro ano do Segundo Grau.

Eis o elogio à loucura, que precisa ser feito por toda a eternidade. Isso se chama auto-aprendizado.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Marchinha de Carnaval que explica tudo

Mulher Monarquista:

_ Na minha casa não se racha lenha!

Mulher Republicana:

_ Na minha racha! Na minha racha!

Homem Monarquista:

_ Na minha casa não se pica fumo!

Homem Republicano:

_ Na minha pica! Na minha pica!

Homem Republicano + Mulher Republicana + Carnaval da Bahia = fornicação, pecado - neste triângulo das Bermudas, todos estão perdidos! Nada mais revolucionário do que isso.

Notas sobre trajes típicos da minha região

Se me perguntassem lá fora quais são os trajes típicos da minha região, o Rio de Janeiro, eu diria o seguinte:

1) Se for para o baile funk, é camisa com decote ousado e short curto com a racha ou o rego quase à mostra, para mulheres - para os marmanjos, roupa de grife da última moda.

2) Dentro de casa, cueca para os homens - sutiã e calcinha para as mulheres. Isso porque onde moro faz um calor danado e não se pode ligar o ar condicionado, pois o custo da energia elétrica é muito alto. Calçado: sandálias havaianas. Isso quando não há visitas, o que torna as coisas perfeitamente compreensíveis, pois a intimidade do lar é inviolável - em muitos lares acostumados à presença quase constante de amigos de família ou familiares, entretanto, usa-se camisa, camiseta, bermuda, sandálias havaianas. O short das moças é, em geral, bem curtinho.

Alguns podem me perguntar: onde podemos encontrar pessoas mais modestamente vestidas?

3) Na Igreja, mas o brasileiro está tão preso a essas liberdades fora da liberdade em Cristo que até nisso estão republicanizando. Já vi umas moças - ou mulheres, em torno de seus 30 ou 40 anos - usando decotões indecentes na Santa Missa. Só em ambientes imperiais ou de missa tridentina é que você encontra modéstia, coisa essa fundada na conformidade com o Todo que vem de Deus. Só uma classe muito especial de gente nascida aqui é que se veste da forma como se deve - como digo, brasileiros somos poucos.

4) Em ambientes imperiais, o homem usa terno e gravata. As mulheres vestem-se como verdadeiras damas. Mesmo eu sendo aristocrático, eu não posso usar estas roupas, a não ser no inverno - isso se não houver um veranico. Além disso, eu moro numa área de ladeira - se não tiver um carro que me leve em casa, eu tenderei a suar muito, enquanto subo a ladeira. Por isso que não vou de terno e gravata na missa - onde eu moro, isso me é impraticável, seja pelo calor, seja por conta de morar em parte alta.

Polônia - uma terra rica em nacionismo

1) Hoje faz 1050 anos que a terra do meu padrinho foi batizada.

2) Na mesma semana, um dia antes, declarei que conservador é quem está com a serva do Senhor - como na Polônia a intercessão por Nossa Senhora é causa nacional, isso implica necessariamente tomar o País como se fosse um lar em Cristo, causa de nacionidade.

3) Por conta disso, a Polônia tem uma tradição muito rica de nacionismo, pois toda a política se funda no fato de se tomar o país como se fosse um lar em Cristo - e qualquer medida que faça o povo abjurar da verdadeira fé é combatida de maneira obstinada, pois o justo nacionalismo vem do verdadeiro nacionismo.

Notas sobre dízimo e dação em pagamento

1) No dízimo, nós damos 10% da nossa riqueza.

2) Como conhecimento, coisa que decorre da sabedoria dos humildes, é maior que ouro e prata, dar conhecimento, ensinar ao próximo, em vez de ouro e prata é uma dação em pagamento fundada na conformidade com o Todo que vem de Deus.

3) A partilha de conhecimento, fundada em constante meditação e em constante contemplação, é uma obra de misericórdia espiritual. Como você está dando a melhor parte que há em você, e não o que sobra, então isso é sacrifício perfeito, uma perfeita oferenda, pois você está investindo na Igreja (não só na estrutura física, mas na comunidade como um Todo).

4) Se você está dando o que há de melhor em você, então a sua oferta representa a sua gratidão, pois o que você tem, o seu dom, você recebeu de Deus.

5) Muita gente tem uma visão muito estrita do dízimo, pensando que é contribuição financeira. Se o direito, fundado nas relações humanas, é o mais abrangente possível, isso não contraria a Lei Natural - muito pelo contrário, isso dá pleno cumprimento à Lei Mosaica. Se partilha é amor, então essa dação em pagamento é válida, pois se funda em boa intenção.

6) Nem todas as pessoas têm dinheiro para dar - por isso, dão outra coisa em vez de dinheiro. E isso é estar quite com Deus.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Notas sobre política desde o espelho

1) Uma imagem no espelho é uma imagem virtual e invertida da realidade. Se estivesse escrevendo num caderno e olhasse para minha imagem no espelho, eu estaria vendo a caneta no lado direito - na realidade, está no lado esquerdo, pois sou canhoto.

2) Nós estamos num mundo à imagem e semelhança dos revolucionários - como tudo foi criado à imagem e semelhança de tudo aquilo que decorre de sabedoria humana dissociada da divina, então quem é conforme o todo dessa ordem está a direita disso - e nós, que estamos à direita do Pai, em conforme o Todo que vem de Deus, estamos à esquerda dessa ordem revolucionária. Por isso faz jus rebelar-se de modo a restaurar a estrutura da realidade.

3) Quebrar o espelho não gerará sete anos de azar, mas a restauração da realidade perene - tal como no Antigo Testamento, o Egito teve sete anos de fartura, seguidos de sete anos de fome. E quem é conforme o Todo que vem de Deus dá valor ao amanhã, por isso poupa e estoca para gastar nesses tempos de 7 anos de fome.

4) Olhem para a realidade e vocês verão se a ordem é uma imagem real ou virtual acerca da realidade. E aí vocês poderão dizer a situação em que nos encontramos, de modo a conservar aquilo que decorre da dor de Cristo.

Todo conservador está com a serva do Senhor

1) Todo aquele que conserva a dor de Cristo segue necessariamente o princípio do ad Iesu per Mariam.

2) A presença da verdade em pessoa entre nós não seria possível se a virgem Maria não tivesse dito esta frase: "Eis aqui a serva do senhor - faça-se em mim segundo vossa palavra". Por esta via, quem conserva a dor de Cristo está necessariamente com a serva do Senhor, em conformidade com o Todo que vem de Deus.

3) Quem não estiver com a serva do Senhor por excelência não poderá estar em conformidade com o Todo que vem de Deus, muito menos conservar a dor de Cristo, fundada na verdade que se fez carne. Tratá-la como uma mulher qualquer é não ver que desta criatura veio o evangelizador por excelência, o Nosso Salvador. 

4) Quem estiver com a serva do Senhor aprenderá a amar e a rejeitar as mesmas coisas tendo por Cristo fundamento. Cristo disse: eis a mãe. Se você quiser Cristo como irmão, você deve ter Nossa Senhora por Mãe e Deus por Pai. 

5) Negar tudo o que foi exposto aqui é conservar o que e conveniente e dissociado da verdade. Contra fatos não há argumentos.

A rede social é uma arma

1) Em um programa de TV, um professor de tiro dizia o seguinte: "estar armado é uma responsabilidade muito grande - é preciso estar preparado para isso".

2) Com a internet é a mesma coisa. A rede social é uma arma - é preciso estar muito bem preparado, antes de vir aqui e atuar. 

3) Este ambiente não é para inocentes - é para pessoas que em sua vida souberam dizer sim a Deus, de modo a servir a Cristo em terras distantes. 

4) Se você deseja a vida online, prepare sua vida para isso. Não adira a isso como se fosse uma moda, tal como foi apregoado, desde o advento desta tecnologia. Isso aqui é coisa séria. O que você fala deve ser servido de modo a nos levar à conformidade com o Todo que vem de Deus - se for servido com fins vãos, vazios, a pessoa acaba se condenando aos confins do inferno, por conta de sabedoria humana dissociada da divina.

Eurípedes estava errado

1) Há quem diga que o mais sábio dos homens segue o seu próprio destino, como se isso fosse uma bússola em si mesma.

2) Se o próprio destino for tomado como se fosse a sua própria verdade, então é uma vida voltada para o nada. Não será uma bússola, mas uma autêntica biruta de aeroporto.

3) Se o mais sábio dos homens é rico em sabedoria humana dissociada da divina, então comete o pecado da soberba sistematicamente, pois conserva o que é conveniente, ainda que isso esteja dissociado da verdade.

A busca pela conformidade com o Todo que vem de Deus começa pelo registro das impressões autênticas

1) Se literatura é o registro das impressões autênticas, então é preciso que se domine muito bem a linguagem e suas nuances, de modo a dizer as coisas na conformidade com o Todo que vem de Deus.

2.1) Exemplo disso é a palavra conservador. 

2.2) Se fizermos da língua portuguesa um verdadeiro prisma, a palavra leva a uma expressão: aquele que conserva a dor - no caso, a dor de Cristo, pois na cruz ele  pagou pelos nossos pecados.

2.3) Se conservador é quem conserva a dor de Cristo, o outro termo, conservantista, deriva desta fórmula: coserva + nte + ista, onde "nte" indica aquele que faz algo e "ista" indica alguém que professa uma fé.

2.4) Há dois tipos de conservantistas: o sensato e o insensato. 

2.4.1) O sensato conserva o que é conveniente, pois isso leva ao caminho de Cristo, tal como São Paulo nos ensinou - e é de tanto acumular impressões autênticas, fundadas na sensatez, que aprende a conservar a dor de Cristo, pois sabe que Ele é a verdade em pessoa

2.4.2) O insensato conserva o que é conveniente e dissociado da verdade. É um herege, um réprobo. Ele sabe o que faz, por isso é capaz de corromper a linguagem de modo a que o falso pareça verdadeiro. Exemplo disso é a expressão "liberal-conservador" - o conservantista, o revolucionário, busca liberdade fora da liberdade em Cristo - por isso é libertário. Logo, o libertário-conservantista se mascarará de liberal-conservador, de modo a que mentira seja dita como se fosse verdade. Como a maioria das pessoas não têm o real interessado pelo domínio da linguagem, acabam sendo enganados por esse tipo de gente mal-intencionada.

3) É só a partir do momento em que você acumula impressões autênticas, fundadas na conformidade com o Todo que vem de Deus, que você começa a escrever de modo a edificar o imaginário das pessoas, de modo a que elas aprendam resistir às falácias e às heresias, base para todo relativismo moral. Eis a contra-cultura, por excelência, pois vai contra a cultura revolucionária, que no nosso tempo acabou por se tornar dominante.

Notas sobre a importância da cultura de doação

1) Quando uma pessoa é chamada a fazer uma vocação, ela dedica toda a sua vida a fazer uma atividade organizada, voltada para todos aqueles que amam e rejeitam as mesmas coisas, tendo por Cristo fundamento - e esse trabalho, voltado para essas pessoas, tem caráter salvífico, pois reforça a fé dessas pessoas de modo a que isso não seja relativizado pela heresia, além de converter quem não teve a oportunidade de conhecer a fé verdadeira. Enfim, trata-se de empreendimento fundado na conformidade com o Todo que vem de Deus - uma forma de evangelização.

2) O apostolado deve ser mantido por doações, de modo a que essa boa árvore continue dando bons frutos. A cultura de doação deve ser incentivada tal como se incentiva a agricultura, a jardinagem - se a doação é uma semente, uma muda de planta, então do dinheiro doado, investido nesta nobre atividade, nascerá uma nova árvore, por força da plantação e do cuidado que se dispensa, de modo a que ela cresça vigorosa e produtiva. 

3) Se Cristo nos disse que conheceremos a árvore através dos frutos, então nós também seremos capazes de conhecer o caráter dos doadores não só pelo ato de doar, o que mantém esse apostolado funcionando, como também pelo quanto esses participam no desenvolvimento dessa obra, ao divulgá-la a todos aqueles que amam e rejeitam as mesmas coisas, tendo por Cristo fundamento.

O conservadorismo decorre da transcendência

1) Quem alega que conservadorismo não decorre do religioso está a alegar necessariamente que aquilo que for conveniente deve ser conservado, ainda que dissociado da verdade. 

2) Quem prega a imanência necessariamente prega o conservantismo, em sua forma mais qualificada: a forma revolucionária. Pois caberá ao Estado, à sabedoria humana dissociada da divina, definir o que é conveniente ou não - e se as leis do Estado não estiverem em conformidade com o Todo que vem de Deus, o que haverá é perversão da Lei Eterna e da ordem natural das coisas.

3) O conservantismo parte do pressuposto de que cada um tem a sua verdade. Mas o fato é que a verdade não precisa ser minha ou sua para que seja nossa: quem a proclamou morreu por todos nós e com seu sangue remiu os pecados de nossa ignorância, por não estarmos em conformidade com aquilo que Deus estabeleceu para nós, por conta do pecado original. Pois quem a proclamou não tinha pecado nenhum - e Ele é a causa de toda a santidade. Essa pessoa é Cristo.

4) Enfim, quem faz tal alegação, conforme descrevi no item 1, está a praticar estelionato intelectual. A palavra de tal pessoa não merece ser ouvida. Não se deve debater com esse tipo de pessoa; na verdade, deve-se mandá-la para aquele lugar: o inferno.