Pesquisar este blog

sábado, 31 de outubro de 2015

Sobre a natureza da ação humana no plano real e virtual

1) A ação humana virtual distribui a sua presença em vários lugares ao mesmo tempo. Por isso que a lógica econômica tende a ser a da abundância. Isso é bem diferente da ação humana no plano real, em que a presença em um lugar implica a renúncia em estar em outro. Por isso que a economia no plano real depende da escassez, pois nada pode ser criado do zero - além disso, existe um limite para a quantidade, por conta das leis da física.

2) Se o Olavo nos pede que estudemos a realidade, então devemos estudar a ação humana nas duas realidades: física e virtual. Não haverá um dualismo, mas a reunião dos dois tipos de conhecimento de modo a que sirvamos aos nossos irmãos naquilo que é conforme o Todo que vem de Deus. Isso leva a um tipo de teoria de conhecimento em que possamos fazer com que essas duas realidades se completem, de modo a que o Cristo seja servido, tanto aqui quanto lá, ao mesmo tempo e sistematicamente. E ele precisa de um sim consciente, de modo a que seja bem explorado.

Debate Suplementar:

Thomas Dresch:

1) a questão da presença real é um assunto delicado, pois o espaço e o tempo são sensações de consciência.

2) Uma evidência disso foi o Padre Pio ou a Virgem Maria estarem em lugares diferentes ao mesmo tempo - não que sejam onipresentes, mas eles têm a capacidade de alastrar a própria presença. A mesma coisa acontece com o tempo - neste caso, trata-se de uma situação mais comum, porque o tempo adquire diferentes ordens de grandeza na nossa consciência, sendo, portanto, expansível.

3) Essa questão a respeito do espaço e o do tempo serem sensações de consciência, isso é coisa minha. Eu preciso desenvolver melhor o assunto - o fato é que o problema realmente existe, como ocorre num dèja vu, em que de alguma forma acabemos sabendo sobre o futuro antes mesmo de acontecer. Isso faz com que se acabe com toda a noção de mecânica, de tempo.

4) Eu convido a fazer a experiência. É só fechar os olhos - comece a meditar sobre o espaço da sua casa, do seu bairro, da sua cidade; o que ocorrerá é só um borrão, pois está misturado e fundido numa coisa só. A mesma coisa ocorre com o Tempo.

José Octavio Dettmann:

1) A onipresença leva necessariamente a uma onisciência.

2) O fato de a ação humana no âmbito virtual distribuir a minha presença em vários lugares, no momento em que ocorre esta circunstância, isso não quer dizer necessariamente que eu possa saber de tudo. Até porque isso nos foi negado por Deus.

3) Quando A me responde ao que eu falo, eu não posso necessariamente dar a mesma qualidade de atenção a B - da mesma forma como dou para A, admitindo que haja duas conversas diferentes.

4) O que eu sei é que, quando eu digo algo verdadeiro, a minha presença, mesmo distante, ela se torna real, por conta do fato de falar as coisas em conformidade com o Todo que vem de Deus. Isso não quer dizer necessariamente que eu me tornei um Deus.

5) Quando a pessoa se declara arrogantemente ser um Deus, ela escolhe algo sabidamente errado, pois sua mente e seu estado de espírito estão nas camadas mais baixas da personalidade - por isso que essas almas estão muito retardatárias, com relação à compreensão da dimensão do problema que estamos estudando, pois uma mente nobre não arroga aquilo que não é da sua competência, por força de Lei Natural

6) Pelo menos, é como venho observando. Mas estou de acordo com você - a questão é delicada e pede muita reflexão a respeito. Eu percebi essas coisas quando combinei nacionismo, distrbutivismo e o efeito da ação humana na rede social e o processo como reunimos todas essas informações dispersas pelo mundo em um único sistema - no caso, nós, como indivíduos. E foi aí que me deparei com essa questão.

Thomas Dresch:

1) Só Deus enxerga as coisas perfeitamente bem, pois ele tem onipresença, onipotência e onisciência. O que podemos fazer é expandir o borrão - e mais nada.

2) Os santos conseguiram expandir muito as coisas, além do normal - a ponto de terem visões nítidas sobre o futuro. Isso tudo é expansão da consciência - existem técnicas para isso, dentro da própria Igreja. Veja o caso de Santo Antão, ele se enfiou numa caverna e nela enxergou a Santíssima Trindade.

3) Além disso, outros povos e outras culturas também conhecem tais técnicas.

José Octavio Dettmann:

1) Se meditação é um processo de expansão da consciência, então muita coisa que escrevo, tal como isso que falei agora, deriva do processo de meditação. A impressão é que a mente, quando está em conformidade com o Todo que vem de Deus, parece querer ter vontade própria, a ponto de querer registrar tudo por escrito o que viu, pois isso que vejo por meditação decorre do fato de se estar em conformidade com o Todo que vem de Deus - e isso, num primeiro momento, parece ser muito estranho, embora não me seja perturbador. E eu só consigo escrever as coisas somente com a intercessão do Santo Espírito de Deus - e é assim que consigo descrever as coisas com precisão e clareza. E a tendência é a meditação progredir por meio de aproximações sucessivas, criando um poderosíssimo efeito de capitalização moral, em que a sabedoria chama mais sabedoria.

2) Posso, volta e meia, usar um livro ou outro como referência. Mas sinto que jamais serei capaz de fazer aquilo que o Olavo faz, que é ler 80 livros por ano. Mal dou conta de um, pois a meditação compensa e supera todo o quantitativo de páginas que deixei de ler.

Thomas Dresch: É por isso que a oração e ascese são muito importantes. Veja o caso das moradas, de Santa Teresa D'Ávila. Tudo isso é um Manual, pois Cristo quer que nos aproximemos dele e que vivamos a vida em conformidade com o Todo que vem de Deus. E este caminho está aberto a todos, pois o Evangelho exoterizou a verdade.

José Octavio Dettmann: Ao contrário do que eu faço, muitos lêem e só repetem o que foi dito, sem ter a perspectiva crítica do que lêem. E abraçam isso como se fosse uma segunda religião. Muitos abraçam o pensamento anglo-americano dessa forma, mas não percebem a nossa realidade, por conta do que houve Ourique. E isso explica porque eu tenho uma linha de conservadorismo diferente das demais, pois ela dá conta da nossa realidade melhor do que essas doutrinas importadas. Elas não percebem que o conservadorismo é mais do que uma doutrina política de moda - é algo tão sério que merece ser estudado por pessoas especiais, capazes de dizer sim àquilo que é conforme o Todo que vem de Deus. E que essas pessoas o próprio Deus escolhe, através da vocação intelectual, que é um sacerdócio complementar ao sacerdócio praticado na paróquia.

Thomas Dresch: É verdade. Esse dogmatismo dos conservantistas é mesmo insuportável. Outro dia eu tive um debate sobre o simbolismo - e o meu interlocutor era um aluno do Gugu, filho do Olavo. Ele disse que Sansão era o símbolo da força - se isso fosse verdade, esse símbolo deveria se comportar do mesmo modo, não importando qual fosse a situação, com o passar do tempo. A maior prova disso é que Sansão mostrou fraqueza, diante de Dalila. Meu interlocutor ficou puto comigo, dizendo que isso era um erro primário meu - ele dizia essas coisas porque tomou como tábula rasa tudo o que foi ensinado pelo Gugu. Ele me chamou de ignorante, só porque rejeitei a doutrina ensinada - isso mostra como os conservantistas têm uma relação muito estreita com os fariseus, com os antigos mestres da lei. Eles fazem uma leitura muito hermética do dogma, a ponto de se fecharem para a realidade - por isso que são pessoas doutrinadas e não sábias, fecundas.

José Octavio Dettmann:

1) Elas não percebem as nuances da realidade, fundadas na eternidade. Elas não percebem que a força de um símbolo está na sua constância - essa força se mantém a mesma, não importa qual seja a circunstância. Essa força é constante porque é verdadeira, pois é conforme o Todo que vem de Deus.

2) O maior exemplo disso é a doutrina da Santa Igreja de Deus. A doutrina da Igreja se mantém a mesma há mais de 2 mil anos. Ela só se expande quando algo novo surge por conta do tempo. Por isso que há o desenvolvimento do dogma, pois há um relato na própria Bíblia que fala que há coisas que, naquele tempo, não puderam ser ditas porque não estávamos prontos, de modo a viver a vida na conformidade com o Todo que vem de Deus.

Thomas Dresch: Exatamente! As únicas pessoas que podem ser tomadas como símbolos são as pessoas ideais - como a Virgem Maria, que é símbolo de mãe - e Adão e Eva, símbolos do Pecado. Essas pessoas estão tão presas ao filosofismo que acabam se tornando católicas nominais, a ponto de fazerem coisas estranhas ao catolicismo.

José Octavio Dettmann: Por isso que estão à esquerda do Pai, no seu grau mais básico - e quando digo isso, vira motivo de escândalo. Desnecessário dizer que tenho pouca gente adicionada ao meu perfil.

Thomas Dresch: eu vivo dizendo que o mundo visível é apenas um reflexo da ordem transcendental, que é a Suma Realidade. Sócrates sempre pensava as coisas em conformidade com o Todo que vem de Deus - como ele não conheceu Jesus, ele praticou um conservantismo sensato, que se tornou conservador quando o Evangelizador por excelência esteve entre nós e confirmou tudo o que foi dito antes. Mas hoje em dia, os conservantistas querem é tomar a imanência como se fosse a realidade, a ponto de negar a transcendência. É por isso que um amigo meu está se separando da Igreja, por conta de todo esse filosofismo, que se tornou uma moda.

Como a internet facilita a captação das mais diferentes experiências de se tomar o país como se fosse um lar, de modo a ser processada num único sistema?

1) A grande vantagem da Internet é que minha presença é distribuída simultaneamente e sistematicamente para várias pessoas. Como a noção de fronteira e de espaço geográfico temporal é dissolvida, eu estou tomando o lugar dos meus contatos como se fosse meu lar também, embora eu permaneça em casa, pois a essência da eternidade permanece presente.

2) Como estou servindo em locais múltiplos, e isso é possível de maneira virtual, eu tendo a ser tratado como se fosse um igual, seja dentro ou fora do Brasil. E acabo sendo remunerado na moeda local, por conta do trabalho prestado, o que mata o nacionalismo monetário - e o comércio da moeda, decorrente do câmbio. Com isso, não existe um serviço internacional, mas um serviço nacional aprimorado que respeita a multiplicidade dos diferentes sensos de nacionidade, gerando uma espécie de internacionidade, decorrente do compartilhamento dos diferentes sensos de se tomar um lugar como se fosse um lar em Cristo, a partir do momento em que as solidões são compartilhadas - e isso faz com que meu senso de tomar o meu país como se fosse um lar se aprimore e se torne ainda mais humano, conforme o Todo que vem de Deus.

3) Graças a esses senso distribuído, eu posso reunir as mais diversas informações num único sistema: o da minha pessoa - e isso vai sendo distribuído a todas as outras, de modo a que possam tomar este meu país como se fosse um lar, com base nas experiências que adquiri.

A rede social é um reflexo dos muitos anos de mentalidade revolucionária, decorrente da Revolução Francesa


1) Antigamente, antes da rede social, eu era uma pessoa paciente e ouvia pacientemente a todos. Hoje, por conta dos anos de serviço na vida online - e por conta de ouvir verdadeiras boçalidades dos conservantistas, da esquerda que, por sabedoria humana dissociada da divida, costuma se dizer de "direita"-, a minha paciência é muito curta: qualquer ato de insensatez já é ato de atirar o revolucionário no seu grau mais básico janela abaixo. Eu literalmente quebro o vidro, em caso de emergência: eu defenestro o sujeito mesmo, não importa se ele chegou hoje ou se tem 20 anos de casa comigo.

2) Graças à liberdade irrestrita dos libertários e do sufrágio universal, em que a opinião do boçal é igualada à opinião do mais esclarecido, agora nós vemos a olhos vistos como os efeitos da Revolução Francesa foram nefastos, e o reflexo disso está nas redes sociais: todo mundo fala o que der na telha e isso dá nos nervos.

3) Ao mesmo tempo em que lidamos com uma invasão virtual, reflexo de uma invasão vertical, dos bárbaros, dos brutos, nós percebemos que há algumas flores de lis que prosperam, em meio a esse lamaçal. E uma verdadeira florestá há de vir dessa lama: eu me refiro aos verdadeiros conservadores que realmente conservam a dor de Cristo, cuja liberdade, que decorre deste nobre sacrifício, nos faz com que tomemos o nosso país como se fosse um lar, e não como se fosse religião totalitária de Estado, causa de toda a apatria.

4) Por isso, não percamos a esperança, ainda que percamos a paciência. Ainda que sejamos poucos, nós reedificaremos a velha e boa ordem que se perdeu,

5) Eu digo as coisas porque meu tempo se funda na eternidade. E um conservador deve ter seus olhos voltados para a eternidade. Se voltarmos nossos olhos para o presente, para esse materialismo neopagão que nos acomete, nós estaremos caindo no jogo dos conservantistas, a ponto de querer pular fora do país, neste momento tão importante e delicado.

6) Eu estudei durante 20 anos a História do Brasil, de modo a saber por que razão eu estou aqui. Aprendi História sem precisar de professor - e hoje tomo meu país como um lar, por conta do tempo que estudei e continuo a estudar. Se você não estuda da forma como eu tenho estudado, você vai cair no discurso e na ética protestante que deu base a esta República: você não acreditará em fraternidade universal e você mergulhará de vez na apatria. E você será um soldado morto nesta batalha: nada vai me acrescentar - você terminará avolumando ainda mais minha longa lista de pessoas já bloqueadas, seja pelas boçalidades ditas ou pela patente apatria declarada, dizendo que vai pular fora do Brasil ou instigando as pessoas a seguirem o seu nefasto exemplo, ao invés de lutar, por conta da missão que o Cristo Crucificado nos deu, por força de Ourique.

Tratado filosófico sobre a loucura

A loucura é dividida em três estágios: a idiotice consciente, a lucidez plena e, finalmente, a loucura total.

A idiotice consciente tem início na pré-adolescência e vai até aos 22 anos. Há casos em que esta fase só termina aos 35 anos, acompanhada de bastante terapia de grupo. É nesta fase que esses indivíduos se apresentam extremamente vulneráveis a qualquer tipo de ideologia e são disputados a tapas pelas agências de publicidade.

É nesta fase também que vivem a sua maior crise existencial, quando descobrem que nunca existiu papai-noel e que foram enganados por muitos anos. Passam então a não acreditar em mais ninguém que acreditavam antes, usando primeiramente os familiares como alvo de sua indignação e, em seguida outras instituições, sendo a escola a mais alvejada delas.

Começam a acreditar em tudo que nunca ouviram falar antes e em pessoas que morreram por alguma causa, sem saberem exatamente quais seriam estas causas. Mudam de comportamento e começam a vestir roupas que antes achavam ridículas. Duendes, Che Guevara, Raul Seixas são alguns dos seus ídolos. Passam a acreditar no Socialismo de uma hora para outra, mas no Socialismo de Mesada. Talvez uma compensação pela perda da imagem do papai-noel, mas não há nenhum estudo sério sobre isso, assim como a preferência pela cor vermelha nos dois casos.

Já a lucidez plena, que vai dos 25 aos 50 anos, os indivíduos estão na fase de consolidação do seu caráter, ou da falta dele. De posse de bastante conhecimento e “vasta” experiência profissional, social e sexual, passam a montar suas estratégias para os próximos 50 anos, mesmo não tendo certeza do que irá acontecer ao término desse prazo.

Os indivíduos que se sentiram muito enganados por seus ídolos do passado, papai-noel, familiares, bancos, agências de publicidade, adotam, nesta fase da vida, a tática do “agora sou eu”, muito utilizada na infância e também conhecida como “meinha”. Eles começam enganando seus cônjuges, depois seus patrões, seus gerentes de banco e por aí vai. Alguns desses contraem uma doença antiga, mas só recentemente diagnosticada, conhecida como TUCO (Transtorno Um-sete-um Compulsivo Obsessivo) mas, curiosamente, muitos dos indivíduos que a contraem conseguem uma brilhante carreira em algumas áreas de atuação profissional ou no cenário político nacional.

Já os indivíduos desta fase que foram pouco enganados, ou que não apresentaram muitas seqüelas em relação a esse trauma, adotam uma estratégia diferente da dos demais. Começam a refletir sobre tudo que viveram nos últimos vinte e cinco anos e chegam a conclusão que tudo aquilo que viveram, desde a pior desilusão até os melhores momentos de suas vidas, como a primeira transa, foram coisa muito positivas, tornando-se obcecados em partilhar suas experiências com outras pessoas.

É nessa fase que se casam, têm filhos e constroem suas carreiras, pautando sempre suas ações em princípios e experiências vividos anteriormente. Alguns desses indivíduos são extremamente inquietos e criativos, a ponto de transformarem suas experiências vividas na mais genuína arte.

Geralmente são pessoas bem sucedidas profissionalmente e bem vistas pela sociedade. Alternam utopia e pragmatismo na administração de suas vidas, tornando-se pessoas equilibradas e solidárias.

Chegamos finalmente ao último estágio, onde a loucura se dividirá em dois tipos distintos: O maluco beleza e o doido varrido. Está fase inicia-se aos 50 anos e se entenderá até os últimos dias de suas existências. Por tratar-se do último estágio da loucura, essa fase pode ser comparada à pré-estréia do juízo final.

Os indivíduos considerados malucos beleza são todos aqueles que já não levam a vida tão a sério como faziam antes e filtram todas as informações que obtêm, evitando ao máximo as armadilhas contidas nelas. Conseguem diagnosticar o momento presente com extrema precisão e com apenas uma taça de vinho, prevêem o futuro com a mesma precisão que suas sogras prevêem a meteorologia.

Já os doidos varridos são aqueles indivíduos que falam o tempo todo, geralmente com quem não está presente, mas que eles acreditam estar. Adoram escrever cartas aos jornais, enviar emails catastróficos aos amigos e acham que naquela semana vão ganhar na loteria, mesmo cientes que naquela semana não jogaram. Compram medicamentos na farmácia, mas é só em casa, e com muita paciência, é que escolherão o sintoma da doença. Acreditam que o INSS sempre conspirou contra eles e que o grande problema do Brasil são as “Perdas Internacionais”.

Alguns desses chamados doidos varridos, mesmo com fortes indícios desse tipo de loucura, conseguem mandatos para administrar diversas cidades pelo Brasil afora a até cadeiras nas maiores casas legislativas do país. Tem muito louco por aí que ainda vota nesses caras, acreditam? Mas isso já é outra história.

(Vitória Régia Borges)

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Pensador que trabalha na rede social também faz um trabalho sério


1) A esquerdireita instiga o preconceito de que pensador de facebook não é sério.

2) Eu passo boa parte do meu tempo na rede social e escrevo coisas edificantes e só lido com gente que escreve coisas edificantes.

3) Além disso, lidando com tanta gente boa, tendo a criar mais e melhor. Além de melhorar como escritor, me tornei um pensador prolífico. Se tivesse que fazer tudo isso sozinho, eu não seria tão produtivo quanto sou - e não saberia tanto quanto sei hoje, por conta de lidar com tanta gente tão boa quanto eu o tempo todo.

Escritor sério não é vagabundo


1) Muita gente da esquerdireita, ao se referir a Marx, está pregando por aí a balela de que a pessoa que só escreve, como é o meu caso, é "vagabunda". Marx era vagabundo, sim, e só escrevia coisas diabólicas - no entanto, há pessoas que se dedicam a escrever coisas construtivas o dia inteiro e que merecem e muito ser bem pagas - mais do que muito pagodeiro por aí, sustentado por esse capitalismo libertário, nascido da mais pura ética protestante, e pela famigerada Lei Rouanet.

2) Se criar e dizer coisas edificantes todos os dias fosse um trabalho fácil, eu, se estivesse na sua pele, pensaria muito bem antes de chamar alguém de vagabundo, só porque a pessoa dedica boa parte do seu tempo a escrever.  

3) Estou na qualidade de escritor porque é isso que me sobrou e porque sou capaz de fazer isso muito bem. A advocacia, do jeito que está, está ideologizada e inviável - além disso, eu já não tenho mais saúde e nem estômago para lidar com criminosos, seja na forma de prova da OAB, seja no MP ou seja na forma de juiz togado.

4) Vagabundo é quem fica na rede social pregando maledicência e conservantismo, além de incentivar toda uma ordem fundada na impessoalidade, no amor ao dinheiro e que deriva de algo que nega a esposa de Cristo, a Igreja Católica. Vocês são tão canalhas que se chamam de direita, quando vocês estão sabidamente à esquerda do Pai. 

5) Isso que vocês fazem é apostolado da maledicência - e lugar de maledicente é no inferno.

É preciso viver a vida de uma maneira católica, no sentido econômico do termo


1) Ainda que me convidem para ir tomar um café na Confeitaria Colombo e que paguem minha conta, eu me sentiria desconfortável. Os preços aqui no Rio estão tão fora da realidade que acho que não vale à pena gastar dinheiro em algo que nem sempre é de qualidade - principalmente, num mundo onde se ama mais o dinheiro do que as pessoas. Em 2012, quando eu fui ao CCBB com a minha então namorada, Cecília Botafogo, eu fiquei horrorizado com o preço da água mineral. Algo muito simples estava custando os olhos da cara - mesmo eu rachando a conta, eu não me conformei com isso.

2) Se eu tivesse condições financeiras, eu moraria na minha própria casa e faria mais ou menos como minha mãe faz, aqui em casa - eu preparava meu próprio pão, cultivaria os ingredientes para usar na cozinha e ainda tentaria ter uma fazendinha onde pudesse ter meu próprio leite e outras coisas de que necessitasse. Se tivesse sobra, eu procuraria trocar o excedente da minha produção por outras coisas que meus amigos produzissem. Além disso, tentaria comprar as coisas sempre na promoção, de modo a que pudesse comer do bom e do melhor, no conforto de meu lar, sem ter que pagar muito caro por isso.

3) Pelo menos, melhoraria não só a minha própria vida, como também a vida dos que estão ao meu redor. Por isso que tenho asco do capitalismo, dessa ordem fundada na impessoalidade e no amor ao dinheiro. Enfim, tudo o que nasce da ética protestante é fora da conformidade com o Todo que vem de Deus - eu sou católico e quero viver a minha vida dentro da conformidade com Todo que vem de Deus. Por isso, eu estou vencendo a preguiça e trabalhando da melhor forma que posso: escrevendo muito. Quem sabe um dia eu não consiga o que tanto desejo?

Definição de Política, segundo meu amigo Paulo Henrique Cremoneze


"Política é a arte de negociar sem tergiversar valores - neste contexto, é a base da capitalização moral, de tudo aquilo que é conforme o Todo que vem de Deus"

(Paulo Henrique Cremoneze)

Ver também:

Política é o exercício da capacidade humana de julgamento: http://adf.ly/7CQmb

O debate político se dá no alto dos céus e não debaixo da terra: http://adf.ly/1P00Ti

Da amizade como a base para a sociedade política: http://adf.ly/c8q6A

A ordem se edifica a partir dos poucos que te ouvem: http://adf.ly/c8q9b

Comentários sobre a política em Aristóteles: http://adf.ly/bmJVe

Lição de Silas Feitosa sobre o processo de formação da opinião pública: http://adf.ly/1RczZS

Notas sobre o verdadeiro carisma

1) Se sou uma pessoa empática, capaz de muito bem separar a verdade da mentira, eu preciso ser necessariamente capaz de servir a verdade a todos os que me são próximos, de modo a aprenderem a amar e a rejeitar as mesmas coisas, tendo por Cristo fundamento. Quanto mais capacidade eu tiver de dizer as coisas boas e necessárias dentro daquele momento ou circunstância crucial em que me encontro, mais facilmente convenço as pessoas acerca do que digo, de modo a que estejam em conformidade com o Todo que vem de Deus. Quanto mais convenço as pessoas naquilo que digo, mais a pessoa tem a impressão de que sou conforme o Todo que vem de Deus, a ponto de me ver subindo aos céus - eis aí o fundamento da admiração.

3) Se separo bem a verdade da mentira e sei convencer os outros a fazerem aquilo que é bom e necessário, a ponto de me admirarem pelo serviço que presto, então eu sou carismático - e sendo carismático, eu poderei colher benefícios pessoais maiores, por conta do fato de ser uma pessoa séria e honrada - e, com isso, poderei ter favores pessoais melhores, como ter uma boa esposa, ou um bom sócio, ou um bom empregado - eis aí um fundamento da capitalização moral. E se muito me foi dado, muito me será exigido - eis aí o fundamento verdadeiro da política, enquanto vocação, enquanto sacerdócio.

4) No caso de um padre, o fato de ser carismático faz com que a Igreja fique cada vez mais cheia quando ele abre a boca para a pregar, pois é a política mais pura que se dá no alto dos céus e é a base para se tomar o país como se fosse um lar, em Cristo. Por isso, o sacerdócio do político e do padre se completam.

5) O surgimento desses padres carismáticos modernos está no fato de que o carisma pode ser construído, por conta do sensacionalismo midiático. Como vivemos num mundo cada mais libertário, sem Cristo, cada pessoa tem o "direito" de dizer a verdade que quiser, criando um verdadeiro relativismo moral. Como a mídia amplia a voz da pessoa, isso arrebata consumidores, que gostam daquilo que mais lhe interessa, uma vez que conservam o que é conveniente e dissociado da verdade. E isso acaba edificando uma espécie de heresia entre nós.

6) O carisma verdadeiro não pode ser construído através de uma mídia sensacionalista. O verdadeiro carisma pede uma mídia que amplie a voz da verdade, fazendo-a chegar até os ouvidos mais distantes. Por isso que a mídia deve ser tão católica quanto o serviço de um excelente padre católico, pois a ampliação da voz leva a um verdadeiro distributivismo.

Notas sobre o serviço bancário, no âmbito da economia personalista


1) Para a economia bancária atuar como um serviço, você precisa ser honesto e confiável, enquanto administrador - você precisa servir a quem e ama e rejeita as mesmas coisas que você, tendo por Cristo fundamento, de modo a que possam te passar a responsabilidade de você ser guardião do dinheiro alheio, coisa que é de uma elevadíssima responsabilidade, dada a nobreza da ação a ser feita. Você precisa ser honesto, organizado e prestativo; você precisa ser um bom servidor e ter um bom caráter - e isso é escasso.

2) Se você se mostrar confiável e responsável, a pessoa deixará o dinheiro contigo porque é mais seguro. Se ela confia no seu senso de responsabilidade, ela está investindo em você, ao te dar responsabilidades maiores.

3) Se você tem contatos que recorrem a ti, de modo a pedir dinheiro emprestado, empreste o dinheiro de modo a fazer com que ele tenha caráter produtivo - e se ele tem causa produtiva, é porque obedeceu ao princípio da causalidade, dando causa a um enriquecimento com causa madura, fundada em bom direito natural - por isso, diga a ele que o dinheiro emprestado nasceu do fato de que alguém confiou em mim, pelo fato de ser responsável e honesto, a ponto de julgar seguro guardar dinheiro no meu banco. Por conta disso, eu acabo estabelecendo uma relação direta entre aquele que depositou o dinheiro no meu banco e o que tomou o meu empréstimo - estes, se amarem e rejeitarem as mesmas coisas que você, tendo por Cristo, podem até fazer uma parceria juntos - e como eu uni as duas pontas do negócio, eu tenho direito a receber uma comissão pelo serviço prestado.

4) A economia bancária, no âmbito da economia personalista, pede sempre um cadastro de bons pagadores - os bons pagadores poderão ter um limite de crédito maior - e em troca receberão maiores benefícios.

5) A economia bancária personalista pede a aproximação de pessoas. O banqueiro precisa ser um corretor espiritual, além de ser um bom administrador. Ele precisa amar mais as pessoas que o dinheiro, de modo a promover uma verdadeira capitalização moral.

Notas sobre a economia servil


1) Quando você está colonizando uma outra terra e empreendendo de modo a que outros possam tomar esta terra como se fosse um lar em Cristo, muitas pessoas que amam e rejeitam as mesmas coisas que você, tendo por Cristo fundamento, desejam colaborar contigo, mas elas não possuem dinheiro para pagar a viagem até a terra que você coloniza.

2) Por caridade, você paga a viagem - e em troca, a pessoa serve a você por um determinado período de tempo - geralmente por 7 anos, que era o que acontecia na Terra Santa. Durante o período da servidão, o servo passa a ser parte da sua família e você deve tratá-lo como parte da sua família. Após esse período, a pessoa recebe um prêmio por conta do serviço prestado, como terras e dinheiro, de modo a que possa abrir seu próprio negócio.

3) Quando você dá um emprego a alguém por caridade, você está chamando essa pessoa a ser parte da sua família, como um servo. Trata-se de parentesco agnatício. Por isso, você deve tratá-la como se fosse parte da família até o dia em que a servidão terminar. Nesse dia, a pessoa recebe uma recompensa pelos serviços prestados, como terras ou dinheiro - ou no caso de Jacó, o direito de casar com uma de suas filhas.

4) A rigor, a economia servil não é ruim - ela tem mais cunho personalista do que a economia fundada no amor ao dinheiro, fundada no libertarismo. Para se combater a impessoalidade, é preciso agir de maneira personalista - é preciso ser santo e servente - święty.

5) A servidão é, pois, uma dação em pagamento que cria uma relação jurídica. O libertarismo, por conta do amor ao dinheiro, nega a possibilidade de se pagar por um serviço prestado de maneira diversa que o dinheiro, caso não o tenha. Até porque quando eu pago por algo de uma maneira diversa que o dinheiro eu estou necessariamente me envolvendo no serviço que ele presta - inicialmente, eu me torno seu servo e depois me torno seu sócio. A ordem que veda a dação em pagamento cria conflito de interesses - e no final, tudo passa a ser regulado, seja pelo judiciário, seja pelo legislativo e executivo. É a negação da fraternidade universal.

Efeitos da cultura de doação, no âmbito da economia personalista


1) Quanto mais doações eu receber, maior será a possibilidade de comandar o trabalho dos outros, através de encomendas necessárias ao desempenho das minhas funções - graças a isso surge uma economia complementar organizada, gerando novos negócios ou até mesmo uma economia de subordinação, seja na forma livre ou servil. O fato gerador de toda essa economia se faz na demanda - e é por essa razão que a demanda deve estar sempre à frente da oferta.

2) Numa economia personalista, as necessidades de um estimula toda uma atividade organizada de modo a satisfazer as necessidades desta pessoa, de modo a que o trabalho desta possa prosperar, se esse trabalho for conforme o Todo que vem de Deus. Eis que surge a cultura de colaboração, que tanto pode se dar tanto por via coordenada (através da organização de negócios complementares, que servem de meio para uma atividade-fim), quanto por via subordinativa, coisa que se dá através do emprego ou da servidão.

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Sobre a realidade do nosso ensino universitário

1) Desde que surgiu, no século XIII, coração da Idade Média, a universidade foi espaço de debates, de disputas, de enfrentamentos de idéias. 

2) Desde aquela época, estudantes já se envolviam em tumultos, bebedeiras e festas - e, para fugir da "polícia" da época, se refugiavam no campus, pois ali a jurisdição era da Igreja, do papa, não do rei. 

3) Atualmente, no Brasil, a universidade é terra arrasada, especialmente nas "Ciências Humanas". A universidade se tornou campo da atividade revolucionária - ela deixou de ser campo de produção do saber, do senso de se tomar o país como se fosse um lar, em Cristo.

O texto foi baseado num escrito de Ricardo da Costa, do qual fiz adaptações.

A empatia tem profunda relação com o discernimento


1) Enxergar o outro como se fosse a si próprio implica renunciar a todo o tipo de impressão que faça com que ele seja tomado como se fosse objeto, pois o outro é também sujeito, é criatura criada e amada pelo criador tal como você. Por isso, a empatia tem profunda relação com o discernimento.

2) Uma pessoa sem discernimento é uma pessoa que não crê na fraternidade universal. É um apátrida na pátria do céu - logo, incapaz de tomar o país como se fosse um lar em Cristo. Ela tomará o pais como se fosse religião totalitária de Estado - para ela, tudo deve estar no Estado e nada deverá estar fora dele.

3) Ao conservar isso que é conveniente e dissociado da verdade, a pessoa sem discernimento está à esquerda do pai no seu grau mais básico. E se ela o faz de modo sistemático, isso se torna uma doença, pois vai contra tendência natural do homem de conhecer a verdade.

A empatia é a base para se viver a liberdade em Cristo e crucial para se conservar a dor de Cristo


1) Se a empatia é a capacidade de separar a verdade da mentira, então quem é realmente conforme o Todo que vem de Deus deve ser sempre empático - sua capacidade de separar a verdade do erro deve estar presente e deve ser distribuída ao mundo. Se a sinceridade é a presença dessa capacidade de executar tal ação no mundo, então a pessoa sincera deve dar o testemunho corajoso de que Cristo é o caminho, a verdade e a vida - e que ninguém vem ao Pai senão pelo Filho, o evangelizador por excelência.

2) A capacidade de separar a verdade da mentira precisa de uma ferramenta que favoreça a distribuição desse senso a todas as outras pessoas. E a capacidade de convencer outras pessoas, no plano da realidade, se dá através da retórica, da arte bem dizer as coisas no plano da realidade, de modo a que todos estejam em conformidade com o Todo que vem de Deus. Não é à toa que todos os que morrem para si, de modo a servir a Cristo Jesus, são treinados na retórica, como são os padres.

3) A presença dessa capacidade de estar no mundo virtual pede um equivalente à retórica, no plano real: a capacidade de saber muito bem manejar o teclado ou a pena, de modo a falar aquilo que é conforme o Todo que vem de Deus. Por isso, um bom escritor pode fazer tão bem um trabalho de evangelizador quanto um bom orador.

4) É por essa razão que a vida intelectual é uma vida vocacionada - é um outro tipo de sacerdócio.

Como a economia virtual leva ao distributivismo


1) A economia presencial é uma economia de escassez - estando a pessoa num lugar, ela não pode estar presente em outro. Sendo escassa, faz muito sentido o comércio entre moedas, o câmbio - e com o câmbio, a usura, fundada na negação da fraternidade universal.

2) Na era virtual, o que digo é distribuído a todos os lugares do mundo - e se sou sincero no que falo, a minha presença é distribuída a todos os lugares do mundo e ao mesmo tempo, como se estivesse falando para um ouvinte na França, na Itália, em Portugal e na China, gerando uma verdadeira multiplicação das impressões. Se meu texto é traduzido, eu falo para o chinês tudo o que penso, de modo a que ele possa entender, pois tradução implica converter as nuances em português para as nuances de uma língua estrangeira, de modo a que tenham um sentido equivalente ou idêntico àquilo que estou pretendendo dizer, ampliando ainda mais a minha presença no mundo. Se na era virtual ocorre o distributivismo da minha presença, então a doação, que é o pagamento pelos meus seviços prestados, será feita nas mais diferentes moedas locais e se dará de maneira generosa e liberal - e isso acaba gerando uma economia de abundância, fundada na gratidão. E isso mata o câmbio - e, por conseguinte, a usura.

3) O pai da internet era Cristão. E sendo Cristão, ele aplicou os fundamentos do distributivismo, ainda que não tenha atentado quanto a isso. 

Sobre o efeito da era virtual no senso de se tomar o país como se fosse um lar

1) Quando a economia era fisicamente presencial, a pessoa, para poder progredir na vida, ela tinha de emigrar de seu país de origem e ir para um outro pais, de cultura completamente diferente da dele. Em duas ou três gerações, esses imigrantes eram tomados como cidadãos locais - e como havia uma forte cultura de se tomar o país como se fosse religião, havia-se a tendência de se renunciar à cultura originária. 

2) Na era virtual, em que a sua presença se distribui através da sinceridade com a qual você prega o seu pensamento, não há fronteiras culturais ou idiomáticas que te impeçam de tomar todas as regiões habitadas por seus ouvintes como se fossem um lar. Onde quer que haja brasileiros dispostos a ouvir o que tenho a dizer, o lugar onde ele se encontra é também meu lugar. E se meu pensamento for convertido para outras línguas, de modo a que os nativos do lugar possam compreender o que digo, o meu eu-nacional se amalgamará ao eu-nacional desse novo ouvinte - e aí uma nova nação surge por conta do compartilhamento dessas experiências que decorrem do senso de se tomar o país como se fossem um lar. E isso leva a uma teoria geral da nacionidade.

3) Enfim, o nacionismo é continentalização das almas porque crê na fraternidade universal, coisa que é conforme o Todo que vem de Deus.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

A capitalização moral na rede social pede que você lute contra as adições arbitrárias, impessoais e massificantes

1) Já cansei desse negócio de gente tentando me adicionar arbitrariamente, sem antes falar comigo qual é a razão pela qual me adiciona.

2) Por conta da atividade intelectual que desempenho, eu não adicionar qualquer um. Eu trabalho com capitalização moral e não estou interessado em adicionar samambaias - muitos menos massificar os serviços intelectuais que presto. Afinal, um católico deve ser distributivista e não capitalista.

3) Se você quer mesmo minha amizade, faça aquilo que eu faço com outros contatos, antes de me adicionar: converse primeiro com aquele que você deseja adicionar como amigo e vá debatendo sobre idéias relevantes, coisas essas que você encontra no perfil da pessoa que você deseja adicionar. Um exemplo disso foi o que fiz quando resolvi adicionar a Cinthia Tonani: antes de adicioná-la, eu conversei sobre coisas relevantes que se encontravam no perfil dela e só depois é que entrei com o pedido de adição, pois eu percebi que ela amava e rejeitava as mesmas coisas, tendo por Cristo fundamento.

4) Além de ser uma maneira simpática, dialogar com a pessoa antes da adição dá um toque mais humano à rede social.. Eu pelo menos faço aquilo que meu coração me pede - e meu coração e minha mente estão em conformidade com o Todo que vem de Deus. Se liberdade é uma prerrogativa, então eu devo exercê-la de maneira honrosa - por isso, antes de adicionar alguém, eu converso com a pessoa até o momento em que sinto em que ela vai ser muito bem-vinda para colaborar comigo nos meus projetos intelectuais, coisa que executo aqui neste mural, para vocês todos.

Ver também:

1) Da Amizade como a base para a sociedade política: http://adf.ly/c8q6A

A ordem fundada no saber se move através da atividade intelectual independente


1) A ordem fundada no saber pede necessariamente a atividade intelectual independente - e a atividade intelectual independente volta-se para uma economia personalista e visa a semear consciência reta, fé reta e vida reta, base para o verdadeiro processo de capitalização moral, coisa que é conforme o Todo que vem de Deus.

2) Para cada serviço bem prestado, fundado no trabalho liberal, magnificente, a remuneração deve ser igualmente liberal, magnificente. Eis aí porque a atividade intelectual independente se move precipuamente de doações; ela é caridade intelectual organizada, de modo a que o próximo cresça intelectualmente e espiritualmente - e o país desse prestador acaba sendo tomado como se fosse um lar em Cristo.

3) O que explica o fato de muitos intelectuais serem contra o capitalismo está no fato de que a atividade intelectual, por sua natureza, é incompatível com a economia de massas, voltada para a impessoalidade, onde todos têm direito de ter a sua própria verdade, coisa que é fora da conformidade com o Todo que vem de Deus. Nada é mais inconstitucional do que o libertarismo - nela, a liberdade é voltada para o nada e servida de modo vazio. Se Cristo é a liberdade, então a palavra de Deus, que depende de um verdadeiro esforço intelectual e pessoal de modo a que seja bem compreendida, dentro da tradição da Igreja, não pode ser servida vazia, sob pena de gerar uma apatria sistemática, tal como vemos no marxismo cultural.

Ver também:

1) Notas sobre a natureza econômica da atividade intelectual independente: http://adf.ly/1QhlJI

2) A ordem se edifica a partir dos poucos que podem te ouvir: http://adf.ly/c8q9b

3) Da amizade como a base para a sociedade política: http://adf.ly/c8q6A

Notas sobre a natureza econômica da atividade intelectual independente


1) A atividade intelectual independente possui dois mercados: o mercado de idéias novas, que é alimentado com doações, e o mercado de reapresentação das idéias já expostas, fundada no file-sharing remunerado, tal como faço no adf.ly.

2) Uma idéia nova puxa a reapresentação das idéias mais antigas já expostas, de modo a que se reveja constantemente o estado da questão já discutida. E isso acaba promovendo um verdadeiro processo de capitalização moral, alavancado por uma compensação financeira. 

3) Como cada acesso ao meu blog me remunera, a capitalização moral leva necessariamente a uma remuneração econômica. E quanto mais gente envolvida no processo, maior a remuneração que é devida ao intelectual, que está fazendo do seu trabalho uma atividade economicamente organizada, de modo a fazer com que o país seja tomado como se fosse um lar, em Cristo.

Notas sobre economia personalista - o caso do file-sharing remunerado


1) Por muito tempo, eu apliquei economia impessoal no mercado de file-sharing remunerado. Tinha ganhos elevados num único dia, mas, no longo prazo, eu fracassava. Pela minha experiência, este tipo de economia é muito bom para conhecimentos perecíveis e isso atende muito bem à mentalidade concurseira, pois o brasileiro tende a se contentar com aquilo que está disponível. Se a pessoa estiver mais interessada em ganhar dinheiro do que a servir a seus pares, a economia massificada tenderá a promover a pirataria - e isso acaba se tornando uma fonte de problemas.

2) Uma economia personalista de file-sharing pede que eu trabalhe constantemente as lealdades, de modo a que as pessoas possam entrar sempre no meu blog, sempre que sentirem necessidade de aprender algumas coisas. É preciso estar sempre servindo de maneira reservada e organizada, de modo a atender as necessidades de conhecimento de cada contato, de modo a ele possa te remunerar melhor por cada acesso.

3) Fiz um estudo de caso hoje com minha Sara Rozante. Mandei para ela algumas postagens do meu blog sobre assuntos que já discuti antes e que estavam sendo discutidos em um outro lugar - eu enviei estas postagens como efeito de subsídio para os debates. Como cada postagem fazia remissão a outras postagens, o acesso de uma pessoa só gerou muitos acessos remunerados  - e o blog acabou gerando uma verdadeira fonte de capitalização moral e financeira. Enfim, tendo a ter um ganho mais sustentável se fizer um file-sharing mais personalizado, fundado naquilo que tenho de melhor: meu pensamento.

4) Se houver um debate relevante - e se houver necessidade de rever algum pensamento importante que já produzi antes -, então eu promoverei o file-sharing das postagens anteriores, todas elas revistas e sistematizadas. Com isso, eu acabo promovendo aquilo que é bom e necessário, algo que é conforme o Todo que vem de Deus - e dessa forma, eu tendo a ganhar a mais por acesso, por conta do serviço prestado. 

5) Pelo que percebi ao longo da minha experiência, impessoalizar o acesso do meu blog não atrai muitos visitantes, pois muitos não estão realmente interessados em aprender e em meditar.

6) Eis aí algo de bom que pode ser feito. 

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Não se pode ser condescendente com o conservantista


1) Se uma pessoa conserva o que é conveniente e dissociado da verdade, por mais pequeno que seja o pecado, isso já revela uma falta de consideração com Deus enorme, pois preservar a ignorância é ser contra a amizade com Deus como sendo base de todo o verdadeiro conhecimento. 

2) Por isso que não podemos ser condescendentes com os conservantistas - eles serão os hereges de amanhã.

Como detectar o conservantismo nas pequenas atitudes


1) Da mesma forma como cito alguém de uma maneira positiva, eu vou citar alguém também como um exemplo de algo que não deve ser feito.

2) O fato, por exemplo, de eu marcar alguém só porque escreve um nome polonês errado e apontar que o erro tem a mesma natureza que escrever lingüiça sem trema ou cedilha não é nenhum tipo de humilhação, mas um jeito de chamá-lo à correção fraterna. Se você foge da marcação, isso revela que você conserva o que é conveniente e dissociado da verdade: a ignorância - e isso não é conforme o Todo que vem de Deus. 

3) O conservantismo se funda no pecado capital da soberba, base para outros pecados - um processo de capitalização imoral, marcadamente revolucionário, feito de tal modo a abolir o que é bom, correto e elegante, conforme o Todo que vem de Deus. E ser conservantista não é necessariamente ser conservador.

4) Estou sempre atento às pequenas atitudes - elas revelam o caráter da pessoa.  Fugir da marcação, ainda que isso cause constrangimento, é conservar o que é conveniente e dissociado da verdade. E eu tenho uma política bem simples: ao pequeno sinal de conservantismo, defenestrar a pessoa.

Ver também:

1) Dando uma de Fábio Salgado de Carvalho: http://adf.ly/1QgHgg

Um subsídio para o estudo da sociologia da apatria


1) Eu nunca vi ninguém me perguntar como é que se escreve o meu nome - até porque nunca observaram que há "Otávio" e "Octavio" - e até mesmo a forma bárbara, que é "Octávio".

2) Essa indiferença revela que há na sociedade uma falta de empatia pelos outros sistemática. E uma pessoa assim será incapaz de separar a verdade da mentira, a enxergar aquilo que está por trás da retórica. Como vou tomar esta pessoa como amiga, se ela não é capaz de amar e rejeitar as mesmas coisas tendo por Cristo fundamento? Eis aí um subsídio para a sociologia da apatria.

Mais sobre a indiferença dos apátridas


1) Da mesma forma, quando um aluno prefere fotografar o que está escrito na lousa a copiar o que está escrito para o caderno, o apátrida está se contentando com o conhecimento que está disponível, que pode ser falso.

2) Se a pessoa não copia, ela cai na mesma atitude que a das pessoas quando escrevem o nome de outra pessoa sem perguntar qual é a forma correta, caso não saiba. Isso revela uma personalidade arrogante e pouco afeita à verdade, visto que não vai se dar ao trabalho de separar a verdade da mentira.  E isso é um sintoma claro de conservantismo, pois ela tratará ao próximo com indiferença. E o papo dessas pessoas é o mais vazio possível - digo isso por experiência pessoal

3) Uma sociedade de pessoas egoístas, preguiçosas e com pouca empatia pelo outros é a base da apatria. Não será uma nação, mas um espectro de nação - pois o país será tomado como se fosse religião de Estado. O ateísmo será norma e tudo desabará tal qual uma árvore podre, carcomida pelos cupins.

Matérias relacionadas:

Smartphones estão fomentando uma sociedade de pessoas burras e egoístas, incapazes de ter empatia pelos outros: http://adf.ly/1QemHN

Estudantes trocam o processo de se copiar o que está escrito no caderno pela fotografia na lousa: http://adf.ly/1Qemd3

Ver também:

1) Dando uma de Fábio Salgado de Carvalho: http://adf.ly/1QgHgg

Dando uma de Fábio Salgado de Carvalho


1) O apátrida nascido nesta terra não respeita a ortografia dos nomes das pessoas - até porque é um bárbaro que toma o país como se fosse religião de Estado e não se incomoda muito com a questão de o  Estado legislar a seu bel-prazer sobre a língua, já que se contenta com o conhecimento disponível, com aquilo que é permitido por esse mesmo Estado para se ensinar a toda população, coisa que é nas conveniências deste Estado, que por sua vez são fundadas em sabedoria humana dissociada da divina. Eu já cansei de ver gente escrever "Octávio" ou Otávio, em vez de escrever Octavio, que é a verdadeira forma, na ortografia antiga.

2) Se ele escreve Wojtyla, em vez de Wojtyła, imagine agora o nome da nova primeira-ministra da Polônia, que é Beata Szydło?

3) Certa vez, um certo alguém escreveu Dabrowski, em de Dąbrowski, como deve ser. É como escrever "lingüiça" sem o trema e a cedilha. Quando chamei a atenção dele, ele preferiu conservar o que é conveniente e dissociado da verdade: a ignorância. E aí tive de bloqueá-lo.

4) Se o Fábio Salgado de Carvalho ralha zé-povinho por um erro de vírgula, agora eu vou ralhar vocês quando errarem nomes poloneses (estou brincando, não vou fazer isso com vocês - afinal, não sou arrogante como ele).

5) Eu tenho boas razões para chamar a atenção de vocês, pois vocês estão tratando a forma certa de escrever com indiferença, o que faz com que os revolucionários destruam a língua portuguesa a seu bel-prazer. Não seria melhor vocês me perguntarem como se escreve a forma correta do meu nome ou a de um nome polonês? Eu estudei polonês e estou aqui para ajudar. Perguntar como se escreve o nome certo de uma pessoa é uma forma de demonstrar empatia pelos outros, pois isso é tomá-la como um espelho de seu próprio eu, coisa que é conforme o Todo que vem de Deus.

6) Uma mera pesquisa no Google já mostra como se deve acentuar corretamente. E preocupar-se em escrever o nome corretamente de uma pessoa é tentar ver nela um espelho de seu próprio eu  - por isso que sempre me preocupei em escrever corretamente o nome das pessoas.

7) Enfim, essa indiferença com a qual se trata a ortografia é o que faz com que eu chame a maioria dos nascidos nesta terra de apátridas - e é por conta disso que este país não vai pra frente, pois muitos agem fora da missão que o Crucificado nos deu por força de Ourique. Os apátridas são muitos - e os brasileiros somos poucos. E depois ficam ofendidinhos, quando chamo as coisas pelo seu verdadeiro nome - no fundo, eu tenho razão para dizer isso, pois eu busquei a verdade e ela me libertou.

Ver também:

1) Mais sobre a cultura da indiferença praticada pelos apátridas: http://adf.ly/1QgHsX

2) Um subsídio para a sociologia da apatria: http://adf.ly/1QgI6p

3) Como detectar o conservantismo nas menores atitudes? http://adf.ly/1QgIIX

4) Não se pode ser condescendentes com os conservantistas: http://adf.ly/1QgIjG

Eis um debate importante que me aconteceu

Tiago Barreira:

01) Creio que exista uma diferença entre a remuneração dos serviços prestados aos amigos, fundada no mercado pessoal, e aquela prestada no mercado impessoal - neste segundo mercado não se pode esperar um retorno certo da ajuda dada a alguém, posto que você não conhece a pessoa, a ponto de incorporá-la ao seu mundo interior - e há momentos e circunstâncias em que esta integração se torna inviável. Eis ai o momento em que a impessoalidade se torna um fator de risco e fonte do conflito de interesses qualificado pela pretensão resistida.

02) Tenho dúvidas, por exemplo, quanto ao atendimento das necessidades humanas em um mercado pessoal, pois no mercado impessoal é possível se fazer promessas claras e objetivas e a violação da promessa leva a uma punição legal.

03) Tendo a ver o mercado pessoal como se fosse um casamento - é muito difícil manter o atendimento de expectativas mútuas entre um casal, ainda mais onde os papéis de cada um estão cada vez mais confusos e obscuros. 

04) Afinal, não há cristalização mais clara das trocas pessoais como há na instituição do casamento, que é uma das mais antigas da sociedade. Por isso que a economia fundada nas relações familiares tende a ser a base do cristianismo - por isso que a regra basilar do distributivismo é a amar a sua família - e isso implica amar o próximo como a si próprio sistematicamente. 

José Octavio Dettmann:

01) Esta dúvida que você tem aponta para a existência de dois mercados: o mercado pessoal descristianizado, em que todos têm a sua própria verdade, e o mercado pessoal cristianizado, cujas leis de lealdade e reciprocidade se dão na carne, na conformidade com o Todo que vem de Deus.

02) No mercado pessoal descristianizado, nós temos toda uma economia voltada para o ativismo revolucionário. É o capitalismo a serviço da mentalidade revolucionária, voltado para tornar qualquer utopia fundada em sabedoria humana dissociada da divina possível. Essa edifica ordem herética.

03) Toda economia personalista fundada numa liberdade fora da liberdade de Cristo é a economia da mentalidade revolucionária - é a economia fundada no ativismo. E essa economia não merece ser estudada, a não ser como um meio para se obter informações estratégicas sobre de que modo devemos combater a mentalidade revolucionária. Basta ver a "caridade" do terceiro setor e das ONGS, que é uma caridade interessada, pois tem mero caráter publicitário. A descristianização da caridade leva ao assistencialismo e ao populismo. No fundo, ONGS não passam de extensões do Estado, subsidiadas por impostos.

04) Agora, quando eu trato a economia personalista, eu olho para dentro de uma tradição cristã, pois Cristo é o caminho, a verdade e a vida. Nela, nós vemos uma economia personalíssima se tornar pessoal - a economia do mundo interior, do quarto, começa primeiro a envolver as pessoas da casa e depois vai para as ruas e para as paróquias. E ela cresce até um certo ponto - e a partir deste ponto a pessoa perde o controle de tudo isso. Enfim, a extensão máxima da economia pessoal é o espaço da família e da vizinhança. O cerne do problema está na limitação do ser humano - o mercado pessoal abrange o ambiente próximo e local, mas não abrange regiões distantes. E neste ponto, o comércio supre aquilo que falta. 

05) Da mesma forma como promovo a minha livre iniciativa, existem muitas outras em concurso e elas se encontram, de modo a formar um sistema de mercado que extrapola o campo da ação individual - eis a economia da cataláxia. Eis aí que temos um mercado impessoal formado pelo encontro das mais diferentes iniciativas e circunstâncias em torno de um ponto em comum. Isso não nega a teoria dos cículos concêntricas - o que ocorre é a comunhão de vários cículos concêntricos que se tornam um cículo público, comunitário, formado por conta do compartilhamento desses círculos e que transcende a soma de suas partes - e esse círculo espera ser colonizado por quem queira empreender e servir bem. Eis aí o ponto em que a ação pessoal é renovada, de modo preencher esse novo espaço vazio no corpo social, por conta da mudança de cenário, de circunstância.

06) Em todo o caso, o mercado impessoal é complementar ao mercado pessoal - eis aí o ponto de contato entre o micro e o macro. A economia impessoal abrange o comércio entre regiões, assim como o comércio nacional e internacional - e ela preenche os espaços que os indivíduos, sozinhos, não conseguem preencher. Ela leva à noção de país tomado como se fosse um lar e pede a colaboração do Estado de Direito, na construção deste projeto civilizatório, que é de muitos. Eis aí que a nação, por conta da nacionidade, acaba se tornando um Estado-mercado, cuja influência pode extravasar as suas fronteiras naturais, por conta da virtude cultural e civilizacional que essa nação exerce. E a economia, tal como conhecemos, cuida deste segundo mercado.

07.1) Se formos ver a ferro e fogo, existem dois tipos de economia: uma que examina a questão pessoal e a outra que examina a questão impessoal. E como falei, uma completa a outra. São duas ciências que levam a um sistema geral de conhecimento, a uma ciência geral da economia, que é a ciência da ação humana em geral. O estudo da ação humana abrange três áreas: a economia a sociologia e história

07.2.1) A sociologia trata das ações sociais que não envolvem o uso da moeda - os pactos e as trocas fundados na lei da reciprocidade e da cooperação, cuja lei se dá na carne. Enfim, ela estuda a ação da pessoal. O problema da sociologia, tal como a conhecemos, está no fato de que ela não leva em conta os critérios morais, posto que ela foi fundada em olhares outsiders, tomando os fatos como se fossem coisas que tivessem a sua própria verdade. 

07.2.2) Se a sociologia se contrapõe à economia ao observar o papel de ações não-monetárias que promovem a ordem social, por outro ela erra ao ignorar a importância que se deve dar ao caráter moral dessa ação. O verdadeiro conhecimento sociológico pede um olhar insider. Se Cristo é a verdade, então devemos estudar a ação social de modo a que ela fique em conformidade com o Todo que vem de Deus e não buscar justificativas, de modo a nos libertarmos da liberdade em Cristo, pois a negação da cruz no leva à prisão. 

07.3) A História estuda a ação social no tempo - de que forma ação humana mudou o comportamento da sociedade, a ponto de gerar uma renovação do senso de tomar o país como se fosse um lar, a partir de novas perspectivas conhecidas, a partir do melhor conhecimento da conformidade com o Todo que vem de Deus. Essa renovação, no sentido romano do termo, é chamado de revolução - e o tempo dela se dá na eternidade. Nada tem a ver com o sentido germânico do termo, que é materialista, violento e destrutivo.

07.4) A economia estuda o aspecto monetizado da ação social. E isso implica o estudo dos aspectos práticos, de modo a que a troca saia de modo mais rápido, em maior quantidade e volume e de uma maneira mais eficiente. E isso pede administração. É a economia que pede necessariamente a constante presença e interação de agentes e corpos intermediários - e são esses corpos intermediários que fazem com que a troca continue ocorrendo, mesmo com o passar das sucessões. E isso é que gera a estabilidade dos preços.

08) Neste sentido, a economia impessoal é conforme o Todo que vem de Deus. Basta ver o caso da Igreja como um banco, pois ela é a caridade organizada. Isso pede uma política organizada voltada para se promover a caridade, o que nos leva à noção de país tomado como se fosse um lar. E isso pede a aliança do altar com o trono - mais do que conveniente, essa ação é necessário, de modo a que Cristo seja a verdadeira ordem de todo o mundo civilizado. Tanto as relações econômicas garantem a ordem no que diz respeito ao plano interregional, nacional e internacional quanto vemos as relações sociais garantirem aquilo que se vê no plano local. Eis aí o cerne da integração da economia com a sociologia e história.

09) É possível, sim, estudar praxeologia, sem se contaminar com a ideologia que prega uma liberdade fora da liberdade em Cristo: o libertarismo. Pois liberalismo implica magnificência, conformidade com o Todo que vem de Deus.

10) De certo modo, estamos cristianizando Mises e Weber, de modo a desfazer esta barafunda. Sinto que é possível, sim, separar a impessoalidade que é conforme o Todo que vem de Deus com a aquilo que o protestante fomentou: a negação da crença da fraternidade universal. A heresia protestante contaminou a impessoalidade, de modo a contaminar a ordem fundada na pessoalidade, de modo a gerar uma economia personalista marcada na mentalidade revolucionária. Afinal, a heresia se deu em praça pública.

É preciso casar arte com ciência, da mesma forma que a fé e a razão


1) Se o cientista precisa o usar os sentidos, de modo a captar a verdade, aquilo que é conforme o Todo que vem de Deus, então o artista, para distribuir esse senso aos demais, precisa ser um cientista antes de fazer o que faz. 

2) Tal como a fé e a razão, essas duas pontas podem ser bem unidas - basta que você estude a verdade e a transmita de um jeito sério e organizado. Você precisa levar todos aqueles que amam e rejeitam as mesmas coisas tendo por Cristo fundamento àquilo que é verdadeiramente conforme o Todo que vem de Deus. 

3) Enfim, a arte é um tipo de evangelização - e para se fazer evangelização, você precisa ser científico, pois estudar a realidade é preciso, de modo a que se perceba aquilo que é bom e correto.

4) Fazer arte pela arte é como buscar a liberdade fora da liberdade em Cristo. É algo vazio, desumano, fundado na mentalidade revolucionária. É algo voltado para o nada - e nada de bom poderá a advir de algo destituído de finalidade, tal como é a arquitetura do Niemeyer.

Notas sobre a função empresarial


1) Os austríacos costumam falar em função empresarial pura. E que nela você pode criar riqueza a partir do zero. Eu discordo quanto ao fato de que é possível criar algo a partir do zero - se você está servindo aos outros por conta do fato de que as pessoas amam e rejeitam as mesmas coisas que você, tendo por Cristo fundamento, então a função empresarial se funda no princípio da causalidade.

2) Se você tem um amigo A que tem Euros, você presta serviços a ele em troca desses Euros. Se um outro amigo B está precisando viajar e está precisando de Euros, você dá esses euros, em troca de alguma coisa relevante, seja no presente, seja no futuro. 

3) A função empresarial é conforme o Todo que vem de Deus se as pessoas com as quais você lida amam e rejeitam as mesmas coisas, tendo por Cristo fundamento. Isso faz toda uma diferença, a ponto de ser uma contracultura àquela que toma a indiferença como o norte de todas as coisas, que tem caráter revolucionário, já que nega a fraternidade universal.

4) Quando você está atento a todos os detalhes, você sabe aquilo de que seus amigos estão precisando - e aí você vai atendendo as necessidades dos seus amigos até o momento em que é chegada a hora da devida recompensa pelos serviços prestados; como essa ajuda teve causa produtiva, já que você se importou com os outros, a ponto de investir tempo e trabalho para executar um empreendimento organizado, você merece ser remunerado, a título de juros. Como Deus é quem tem o controle do tempo, o que será dado vai ser bem maior do que aquilo que a sabedoria humana é capaz de convencionar, isso se seus amigos tiverem Deus no coração. De nada adianta fazer uma ação organizada se Deus não for o centro de todas as coisas.

5) Receber coisas diversas de dinheiro é extremamente vantajoso quando você serve a todos os seus pares, tendo por Cristo fundamento. E para se tomar o país como se fosse um lar, é preciso saber atender a certas pessoas em especial naquilo que elas mais necessitam, naquele momento, nas suas verdadeiras necessidades. 

6) É por essas razões que o nacionismo pede uma economia personalista - e a base dela é a comunidade dos que amam e rejeitam as mesmas coisas tendo por Cristo fundamento. Sem a amizade, fica impossível empreender servindo - e se você não for um bom servidor, você não poderá influir nas pessoas a ponto de trocarem o que é errado e falso pelo certo e conforme o Todo que vem de Deus. 

É preciso se fazer sociologia com olhos de católico

1) Confesso que acabei virando uma espécie de cientista social, ao olhar as coisas de dentro da Igreja - bem ao contrário dos demais, que faziam e ainda fazem sociologia com olhos de outsider. Afinal, você só consegue chegar à verdade estando em conformidade com o Todo que vem de Deus - e isso implica olhos de insider.

2) Esse negócio de se fazer sociologia da religião olhando de fora, como se todas as religiões fossem boas, é uma verdadeira pseudociência. Se Cristo é o caminho, a verdade e a vida, então que se faça sociologia ou ciência social dentro do ambiente católico - e isso se faz tomando o país como se fosse um lar, com base na pátria do céu.

3) Pelo menos, ao longo desta semana eu tentei examinar algumas questões que me pareceram importantes - como a questão dos bancos e a questão da moeda, enquanto artefato histórico. O apego ao passado, simbolizado no artefato histórico, isso nos aponta para Deus - sendo o dinheiro um artefato histórico, uma ferramenta de trabalho, isso gera um desapego, coisa que nos leva ao distributivismo. Parece estranho, mas é interessante examinarmos a questão por esse lado. Eu me vali do fato de ser um colecionador de moedas para ter essa visão, além de toda a experiência que tenho de tanto investigar o nacionismo.

4.1) Minha amiga Sara Rozante​ fica admirada com a forma com que trato as coisas, sob o ponto de vista Cristão. Questões que antes eram irrelevantes e secundárias acabam se tornando primárias e basilares.

4.2) Isso que faço não é muito difícil de se fazer - basta tomar a sã doutrina como referência e analisar todas as questões, pois uma boa pesquisa pede fundações bem alicerçadas. Se Cristo é o caminho, a verdade e a vida, então o que está consolidado nos dogmas é a consolidação de tudo o que já aconteceu ao longo de dois mil e quinze anos de História.

5) Afinal, estudar certos pontos do passado ou do presente tomando por base algo já consolidado é ser científico. E se você for cientifico tomando fato social como se fosse coisa, partindo do zero, isso é ser pseudocientífico. Trata-se de um verdadeiro conservantismo - por isso que não levo a sério a sociologia de Dürkheim.

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

O colecionismo evoca a inocência perdida

1) O lado bom do colecionismo é que, quando você vê a moeda como um artefato histórico, isso restabelece o senso da inocência perdida. E para se tomar o pais como se fosse um lar, é preciso ser uma criança espiritual. E uma criança espiritual dá as coisas em generosidade e presta um serviço de uma maneira justa, em conformidade com o Todo que vem de Deus. Por isso que Cristo nos pede que sejamos como são as crianças.

2) Olhar o dinheiro tão-somente pelo seu poder de compra, pelo seu valor de face, é olhar as coisas de uma maneira superficial, coisa que é fora da conformidade com o Todo que vem de Deus.

3) O pensamento econômico, marcadamente deste mundo e materialista, tende a negligenciar este aspecto que é muito valorizado pelos numismatas. De nada adianta você saber otimizar a riqueza de um país se você não ama aquilo que é importante, que é o senso de se tomar o país como se fosse um lar em Jesus Cristo. E sendo o país tratado como se fosse um lar, a moeda terá a dimensão própria da eternidade, e será tratada como um artefato histórico - e não como algo descartável, tal como fazem os comerciantes de moeda. E sendo um artefato histórico, as pessoas se apegam a ele pelo que evoca da pátria e não pelo que ele vale no momento - e quando um amigo precisa de ajuda, esse dinheiro deve ser dado, já que ele ama e rejeita as mesmas coisas tendo por Cristo fundamento.

4) Em uma cultura de sobrevivência, fundada em um ambiente civilizacional miserável, isso gera o amor ao dinheiro pelo seu poder de compra. Como o Estado faz a emissão da moeda e a manipula, a ponto de gerar inflação, o Estado tende a ser tomado como se fosse religião e acaba sendo totalitário. Agora, em um país onde a cultura de vocação de servir a Cristo é forte, a moeda vira símbolo de confiança - e tende a ser valiosa se ela evoca fortes memórias do senso de se tomar o país como se fosse um lar. E num país tomado como se fosse um lar, o serviço é prestado de maneira generosa e o pagamento pelo serviço se dá de maneira generosa. Isso é um atestado da fraternidade universal, fundado na conformidade com o Todo que vem de Deus.

Como o colecionismo de moedas dribla a usura

1) Uma das vantagens de se fazer colecionismo de moedas em circulação é que você está atento aos detalhes - e isso é uma qualidade própria do historiador do tempo presente; se você estiver atento às circunstâncias em que você se encontra, você adquirirá as moedas quase que de graça, seja por conta do troco ou por conta da generosidade dos amigos. Como são artefatos históricos que haverão de se valorizar no futuro, você deve guardar as moedas para a posteridade - e quando essas moedas estiverem valorizadas, como uma peça histórica, você as vende, guardando um exemplar para si, como um testemunho do passado vivido pela família, na tentativa de se tomar o país como se fosse um lar, em Cristo.

2) Por conta de um amigo que tive na faculdade, eu obtive para a minha coleção moedas de euro, moedas de libra esterlina e moedas de coroa norueguesa. Por conta de contatos do meu irmão, obtive algumas cédulas da moeda vietnamita. Todas moedas que estão em circulação no momento.

3) Eu aconselho que você faça mais ou menos como eu faço: à medida que você vai adquirindo moedas, por conta do colecionismo, você pode usá-las nas próprias compras, se ainda estiverem em circulação e se você as tiver em grande quantidade, mais ou menos o que você faria ao trocar figurinhas. O que é constantemente repetido vai sendo despachado  - e algumas peças acabam sobrando, sendo guardadas com finalidade histórica, pois elas terão valor lá na frente, dependendo do estado e da beleza dos detalhes. Quando as moedas saírem de circulação e passarem a ter valor histórico, aí você pode trocá-las e obter algum dinheiro, tal como se faz com todos os outros artefatos históricos.

4) Quem disse que ser historiador te leva à falência? O conhecimento da dimensão histórica, coisa própria da nobreza, somado ao senso de se empreender no presente e no futuro, são elementos que fazem com que a economia se fortaleça a partir do processo de se tomar não só um país como se fosse um lar mas também vários, por conta da oportunidade e das circunstâncias.

5) Fazer comércio de moeda em circulação, tal como se faz na usura, é não só imoral como também é uma prática cultural abjeta, pois o materialismo é um retrato da miséria espiritual humana, pois o dinheiro tende a ser tratado com impessoalidade e desdém, como se fosse um lixo. Pois amar o dinheiro por conta unicamente do seu poder de compra é um vício de caráter, pois revela ambição desmedida - e isso é ser indiferente para com o próximo, que deve ser visto como um espelho de seu eu - se Deus te ama, você deve amar o próximo como a si mesmo - nele encontramos o espelho do Deus verdadeiro que foi gerado e não criado - e ele é da mesma substância que o Pai.

Da relação entre o nacionismo e a numismática

1) Quando você toma um país como se fosse um lar, você se preocupa com todos os detalhes: desde a grafia correta dos nomes e sobrenomes das pessoas de um determinado país a aspectos sobre como as moedas dos países são feitas. Conhecer essas coisas não é cultura inútil - trata-se de se importar com aquilo que um determinado povo tem de bom, de modo a que você não se sinta um estranho naquela terra, caso algum dia você vá para lá para servir a Cristo em terras distantes.

2) As moedas e as notas de um país tomado como se fosse um lar tentam reproduzir o que há de melhor no seu povo. Elas são emitidas por uma autoridade soberana, que é a síntese de tudo aquilo que há de bom num povo. Por isso, a emissão de moedas e de cédulas tem forte relação com a tradição monárquica. Por isso que todas essas moedas eram geralmente cunhadas em ouro ou prata.

3) Na república, o amor ao dinheiro é tamanho que a impressão sistemática e massificada de dinheiro em metais de uso industrial leva não só a destruição do valor econômico da moeda como também encarna o desprezo de tudo aquilo que nos leva a tomar o país como se fosse um lar, com base na pátria do céu. Enfim, tratar com impessoalidade e desdém aquilo que a moeda simboliza evoca, enquanto um retrato da pátria, é uma das causas da inflação. Basta ver que as moedas de Real, por exemplo, possuem a imagem de Mariane e figuras decorrentes desse longo processo de tradições inventadas que não têm nada a ver com o senso de se tomar o Brasil como se fosse um lar. 

4) A própria instabilidade da República leva não só à inflação como também à mudança constante de moedas, coisa que é fundada em sabedoria humana dissociada da divina - e isso gera uma enorme entropia cultural, decorrente da falta de estabilidade, pois a moeda é também um importante dado cultural da nossa sociedade, além de ser um instrumento econômico.

5) Numismaticamente, o Brasil é nulo por conta do modernismo, por conta da inflação e por conta da instabilidade monetária, isso sem contar as tradições inventadas por conta do quinhentismo.

A verdade sobre o jornalismo jurídico

1) A verdade é que um jornalismo jurídico sério nunca será feito na TV Justiça. 

2) Se você quiser mesmo fazer um jornalismo jurídico sério, seja você mesmo advogado e apure os casos de interesse. Mantenha sempre um diário e construa boas relações com o juiz ou com o cartorário que cuida dos autos. Seja, pois, um intelectual independente, serviço a todos aqueles que amam e rejeitam as mesmas coisas tendo por Cristo fundamento.

3) Uma das vantagens da carteira da OAB está no fato de que você pode consultar os autos de qualquer tipo de processo, desde que isso não esteja sob segredo de justiça. Ora, o problema da OAB está no fato de que ela está ideologicamente aparelhada - com isso, perdeu sua legitimidade junto ao povo. Esta instituição deve e precisa ser abolida, para o bem do Brasil - dependendo da circunstância e da importância da consulta que vai ser feita nos autos que se encontram na vara de justiça, essa informação consultada pode ser útil, neste ambiente de guerra cultural em que nos encontramos.

4) O dia em que o STF permitir que eu exerça a minha profissão sem a necessidade da prova da OAB, aí, sim, poderei apurar tudo o que julgar interessante. A liberação acabará me gerando uma oportunidade para eu inventar meu próprio caminho, combinando minha formação jurídica e minhas habilidades intelectuais. Como diz o Olavo, o jornalismo é a porta de entrada dos intelectuais na esfera pública.

5) Enquanto isso não vem, eu faço outras coisas que me são possíveis, como ser escritor e pensador. Pelo menos, estou fazendo bem o meu trabalho e estou sendo bem pago para fazer o que mais gosto - afinal, não tenho do que reclamar. O que vai ocorrer é só a ampliação da minha competência - apenas isso.

Como se deu o processo de descristianização dos bancos?


1) Já vi muita gente ser contra os bancos. Tal como já falei em um artigo anterior, a própria natureza salvífica da Igreja faz com que ela seja um banco por excelência, pois a ordem fundada na caridade e no amor ao próximo é um empreendimento organizado.

2) O x da questão não são os bancos, mas o processo de descristianização dos mesmos, coisa que começou a partir do momento em que semearam a crença herética de que não se deve crer em fraternidade universal. No lugar dela, instituiu-se a divisão do mundo entre eleitos e condenados.

3) A referência a essa divisão está na riqueza como um sinal de predestinação. Com isso, o protestantismo perverteu toda a ordem econômica fundada na caridade, restaurando a ordem fundada no amor ao dinheiro, que é a ordem dos pagãos, anterior a Cristo.

4.1) O amor ao dinheiro leva a concentrar poder em poucas mãos. E a obtenção desse poder se dá através do processo de se concentrar os poderes de usar, gozar e dispor em poucas mãos. Inicialmente, esse processo se dá de maneira privada - e isso se dá gradualmente até se tornar público, patente, escancarado, incontestável. Esse gradual processo de concentração está sendo executado de maneira secreta, quase imperceptível.

4.2) A chave desse segredo está justamente quando se elimina toda a oposição a esse projeto de dominação através dos trustes e dos cartéis - uma medida típica de crime organizado. Se concorrência é colaboração, fundada no fato de que as classes produtivas se completam, justamente porque amam e rejeitam tendo por Cristo fundamento, então a competição é uma luta de morte, posto que se funda no amor ao dinheiro, como um meio de se obter poder absoluto, edificando toda uma ordem fora da conformidade com o Todo que vem de Deus.

5) Amor ao dinheiro, somado à cultura de se tomar o país como se fosse religião, leva ao nacionalismo monetário. E o nacionalismo monetário leva  a um novo tipo de metalismo, a idéia inevitável de que o país que dominar todas as reservas de ouro do planeta terá a sua moeda como referência universal de valor. Eis aí o que aconteceu com o dólar em Bretton Woods.

6) A usura, a cobrança decorrente de empréstimos improdutivos, foi liberada, edificando uma liberdade fora da liberdade em Cristo - e com ela, a agiotagem; e com a agiotagem, a extorsão. A máfia surgiu por conta desse contexto.

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 26 de outubro de 2015.

domingo, 25 de outubro de 2015

Três depoimentos sobre o indianismo

Marcos Peinado:

1) Eu já me cansei dessa história de que os índios são "donos do Brasil".

2) Eu já me cansei de dessa história de que nós devemos alguma coisa para eles, de que devemos terras, de que devemos isso e aquilo. 

3) Eles nunca foram e não são donos de absolutamente NADA. 

3.1) Em primeiro lugar, eles não possuem noção de propriedade privada - muito menos senso de nacionalidade ou de patriotismo. Isso NUNCA existiu entre os índios - isso começou agora, graças às ONG's de esquerda, que fazem agitação entre eles.

3.2) Em segundo lugar, eles se mudavam tão logo a fertilidade do solo se esgotava - eles se mudavam tão logo acabasse a água, tão logo se acabassem os animais, os peixes, etc.

4) É preciso se acabar com a visão romanceada do índio bonzinho, amigo da natureza. José de Alencar, quando escreveu Iracema, nem imaginou que isso iria acontecer; se soubesse, talvez tivesse desistido da idéia de escrever o livro.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
José Octavio Dettmann:

1) Se nômade não é capaz de tomar a terra onde vive como se fosse um lar, então o Estado será um totem, pois a constituição, fundada na liberdade para o nada, garante a livre mobilidade dele em qualquer parte do território nacional. 

2) Se índio tiver nacionalidade, senso de tomar o Estado como se fosse religião, ele estará conforme a esta cultura que a esquerda nos impõe: a idéia de que o país deve ser tomado como se fosse religião de Estado, onde tudo está nele e nada pode estar fora dele. Trata-se de nacionalidade destituída de nacionidade - causa de apatria, base para uma nova ordem mundial fundada na apatria sistemática

3) Esse tipo de coisa abrange não só o indianismo, que é usado como bucha de canhão de projetos verdadeiramente criminosos de poder, como também a causa gay. Não vai demorar a surgir "nações gays" por aí.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Sara Rozante:

1) É importante valorizar a cultura indígena naquilo que é verdadeiro e conforme o Todo que vem de Deus - e isso é muito diferente de se querer privilegiá-los, como se estes tivessem sua própria verdade, destituída de tudo aquilo que é universal. Digo isso porque sou tataraneta de bugres.

Como a Igreja é o fundamento da instituição bancária


1) Quando a Igreja ensina a todos os fieis a tomarem um país como se fosse um lar, ela presta um serviço, coisa que é remunerada através de dízimos, doações e ofertas.

2) Como a missão da Igreja se dá em todas as nações do mundo, ela recebe doações nas mais diferentes moedas do planeta.

3) Como a moeda reflete a força da economia de um povo, é natural que a Igreja promova a caridade fazendo com que o serviço num lugar leve às pessoas a doarem para Igreja - e ao se doar para a Igreja, a pessoa investe na caridade que será desempenhada em outro lugar. E o investimento produtivo leva à remuneração do capital investido, pois existe um compromisso em se servir bem àquele que me ajudou, de modo a que eu possa progredir - eis os juros.

4) A caridade sistemática leva à uma ordem econômica - isso pode levar às pessoas a criarem uma economia própria organizada, de modo a atender as necessidades da população, de modo a fornecer calçados, estudos e outros tipos de coisas que são necessárias de modo a que uma comunidade possa prosperar e tomar o pais como se fosse um lar, de uma maneira melhor

5) A natureza da Igreja, por ser organizada e por servir no mundo inteiro, leva a ser uma instituição bancária por excelência. 

6) Ao contrário dos bancos descristianizados, que fazem comércio de dinheiro e impessoalizam os seus negócios, a natureza bancária da Igreja estimula o dsitributivismo e o nacionismo.

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 25 de outubro de 2015.

sábado, 24 de outubro de 2015

Ad Jesu per Mariam

Se é basilar a expressão "ad Jesu per Mariam", então, para buscarmos os favores do Cristo Crucificado de Ourique, devemos recorrer sempre à Nossa Senhora de Fátima ou à Nossa Senhora de Aparecida - no fundo, a mesma pessoa. Sem Nossa Mãe, a restauração da monarquia e da verdadeira ordem edificada em Ourique fica  impossível.

Sobre a necessidade de ensinar o senso de nacionidade aos exilados

1) Muitos dos que deixaram o Brasil realmente querem tomar o país como se fosse um lar, mas não conseguem fazer isso porque a cultura de se tomar este país como se fosse religião, própria desta república totalitária, é tão dominante que impede a manifestação da verdadeira e sincera manifestação deste senso, pois nos nega a beleza da nacionidade e o direito natural e inalienável de se viver a vida em conformidade com o Todo que vem de Deus.

2) Se eu puder ensinar a eles o que aprendi, eles não só conseguem encontrar um sentido de vida como também me ajudarão naquilo de que estou precisando, dentro de suas circunstâncias. O simples fato de estar aceitando doações em dólares e em euros destes brasileiros que estão no exílio revela que estou expandindo o Brasil verdadeiro em outras terras, de modo a que este seja tomado como se fosse um lar, coisa que sai ainda mais fortalecida com a experiência no exterior. O verdadeiro nacionismo mata o nacionalismo monetário e a cultura de dinheiro que chama dinheiro própria do câmbio, que nega a fraternidade universal.

3) Havendo brasileiros em outras terras, fica mais fácil para mim pegar experiência, de modo a tomar outros países como se fossem um lar. Como eles estão na qualidade de pioneiros em outras terras, eles farão o intercâmbio entre mim e os que não são brasileiros, de modo a que o verdadeiro Brasil se expanda, de modo a que este seja restituído em seu verdadeiro lugar, numa pressão que será exercida de fora para dentro, através da legitimidade, coisa que é maior do que a legalística revolucionária. Enquanto não encontro tradutores confiáveis, os brasileiros que estão no exterior serão minha única fontes de doações do exterior, o que me ajuda a construir uma cesta de moedas estrangeiras de modo a custear minhas viagens e despesas que eu eventualmente fizer lá fora.

4) A capitalização moral e a conformidade com o Todo que vem de Deus são os motores propulsores do senso de nacionidade. E a cultura viciosa desta república morrerá com o passar das gerações.