Pesquisar este blog

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

A Lei Natural não pode ser interpretada com fins particulares


Ao descrever que os protestantes são considerados libertário-conservantistas, minha amiga Sara Rozante me mandou esta dúvida:

A) Sara:  

1) José, certa ocasião você disse que o protestantismo  se encontra naquilo que você chamou de posição libertário-conservantista

2) Não que eu os defenda, mas o fato é que há vários protestantes quese enquadram na situação descrita por você de liberal-conservador. Como assimilar este pensamento?

 B) José Octavio

01) O Padre Paulo Ricardo costuma dizer que o protestante pode ser humilde, embora o protestantismo não o seja. Os humildes, ainda que criados em tradição cismática, sempre voltam pra casa do pai, pois o Cisma, que decorre da sabedoria humana, não os afeta, já que estes estão conformes à sabedoria divina. Ele deseja voltar à casa do Pai, pois preza a unidade e a paz entre os homens em Cristo. As coisas devem ser analisada em conformidade com o todo, tal como tenho tentado fazer.
02)  Quem segue a Lei Natural, quem está conforme o todo, tende a seguir a reta tradição na Igreja que Jesus fundou. Quem está conforme o todo não busca o cisma e não se arroga achar mais sábio que Deus, Jesus ou o vigário de Cristo, no caso o Papa.

03)  São Pedro alertava que as Sagradas Escrituras não devem ser interpretadas com fins particulares - a mesma coisa se aplica à Lei Natural. O exercício de uma hermenêutica contra legem ofende ao Pai, pois dá margem para que as pessoas tenham a sua verdade. A Interpretação da Lei, neste ponto, é violação da Lei, o que caracteriza violação do princípio da não-traição à verdade revelada.

04) Basta negar a Igreja, que é a mestra da verdade, que deixam de ser conservadores, pois deixam de comungar com tudo aquilo que Cristo edificou - esta atitude basta para que eles não estejam mais conforme o todo, causa necessária para se conservar a dor de Cristo, que morreu por todos nós na Cruz. 

05) Afastada a Igreja, afasta-se a verdade, a sabedoria divina entre nós. Feito isso, conservar o que convém dependerá tão-somente de sabedoria humana, e isso por si não é confiável. Por isso que a sabedoria divina deve guiar a humana. Como fazer isso em mentalidade conservantista, que rejeita a autoridade da Igreja? Desnecessário dizer que eles, os protestantes, são esquerdistas em grau mais básico. E é de uma ordem protestante que veio o liberalismo herético, condenado pelo Beato Papa Pio IX, e o marxismo.

06) Seguir a Lei Natural fica impossível se o fim libertário, o da negação da autoridade da Igreja, for o norte para se interpretar os planos de Deus

07) Quando se nega a Santa Tradição e o Sagrado Magistério, o exame da Lei Natural fica dentro dos mesmos parâmetros de livre exame, tal como ocorre com as Sagradas Escrituras. Como já disse, assim como é vedado interpretar a Bíblia para fins particulares, a Lei Natural não pode ser interpretada com fins particulares. Quem faz isso faz interpretação contra-legem e ofende ao Pai.  

08) O liberalismo, que aqui deve ser entendido como libertarismo, perverte a lei natural, no tocante à sua interpretação. O que nascerá disso é algo pervertido, fora dos planos de Deus. Por isso que pensamentos protestantes da Lei Natural - principalmente os dos séculos XVI, XVII, XVIII, por não estarem amparados na Santa Tradição - tendem a edificar heresias libertárias ou totalitárias.

09)  O liberalismo moderno derivou de interpretações fora do sagrado magistério e da sagrada tradição da Lei Natural. Interpretações contra-legem. Por isso que é herético.

10) O grande perigo protestante é a hermenêutica libertária, que faz uma interpretação contra-legem da lei natural. Isso leva às pessoas a confiarem no fato de que cada um tem a sua verdade, mais cedo ou mais tarde, pois leva a uma ordem onde as pessoas são levadas a pensar dessa forma, o que causa relativismo moral.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

O conservador liberal, segundo a ortodoxia

1) Para Erik von Kuehlnelt-Leddin, liberal é todo aquele que conhece e defende a liberdade em Cristo, pois Cristo é o caminho, a verdade, a vida. 

2) O então cardeal Karol Wojtyla (Papa João Paulo II) apontava em seus escritos que não há liberdade sem se conhecer a verdade. Pois é conhecendo-a que você se libertará.

3) Eu disse, em meus escritos anteriores, que conservador é aquele que conserva a dor de Jesus Cristo, que morreu por todos nós na Cruz.

4) Neste sentido, o conservador liberal está conforme o Todo que vem de Deus. 

5) O conservador liberal semeará consciência, causa da liberdade em Cristo; conservará a dor de Cristo, uma vez ela existente entre nós; destruirá tudo o que vai contra a Sagrada Tradição e restaurará tudo que os revolucionários destruírem, através de um longo e demorado processo de sedimentação (aka capitalização) moral, coisa que se dá ao longo das gerações.

6) É muito importante que não se confunda o conservador liberal, com o libertário-conservantista, impropriamente chamado de "liberal-conservador". Este é revolucionário, síntese de muitos anos de semeadura sistemática de mentira, crimes e, sobretudo, difamação contra a Santa Madre Igreja.

7) O que compõe o libertário-conservantista? Heresias como o modernismo, o comunismo, o libertarismo, o protestantismo, uma má consciência e vontade para se cometer crimes, sobretudo o de mentir em nome da verdade.

8) Para ser um conservador liberal, no sentido ortodoxo do termo, examine sua consciência e livre-se de tudo aquilo que vai contra o que Jesus Crucificado pregou. Arrependa-se de seus erros, converta-se, e sirva a Ele, tal como deve ser feito, pois Deus quer assim.

Não é por centavos. É por Ordem e Progresso


1) Alguns regimes monárquicos sérios custam menos de um dólar por habitante. Neles, a gente encontra muita ordem e muito progresso

2) A Ré- Pública - Satânica, Banânica e Sindical - custa quase 15 doletas por habitante. Aqui, a gente encontra caos e retrocesso.

3) Se o povo brasileiro fosse mais inteligente, não faria o maior fuzuê por mais Estado, em razão dos 20 centavos

4) O povo brasileiro, se fosse consciente, deveria era fazer fuzuê por menos Estado, mais ordem, mais justiça e mais liberdade. E isso se consegue na monarquia, nunca numa república. Eis aí porque a razão pela qual o povo não é conservador, mas, sim, conservantista, coisa famigerada que dá poder aos esquerdistas.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Cultura liberal como predecessora do marxismo cultural


1) A cultura liberal de que cada um tem a sua verdade e do malminorismo são as causas fundamentais do marxismo cultural. De nada adianta uma refutação austríaca ao pensamento econômico marxista se o aspecto cultural que deu causa ao pensamento revolucionário não for no todo combatido.

2) Essa luta pela restauração da verdade e da liberdade em Cristo deve ser conforme o todo.

Hillaire Belloc - O Estado Servil

O Estado Servil

Hilaire Belloc
TRADUÇÃO: Guilherme Ferreira Araújo.

Nota do blogueiro: Começamos o projeto de tradução d’O Estado Servil, de Hilaire Belloc. Que Nossa Senhora nos ilumine e seu casto esposo, São José, nos proteja.

“...Se não restaurarmos a Instituição da Propriedade, não poderemos escapar de restaurar a Instituição da Escravidão; não há terceira via.”

Sumário

INTRODUÇÃO

O TEMA DESTE LIVRO: — Ele foi escrito para sustentar a tese de que a sociedade industrial tal como a conhecemos tenderá ao restabelecimento da escravidão — As seções nas quais o livro será dividido.

SEÇÃO I

DEFINIÇÕES: — O que é a riqueza e por que ela é necessária ao homem — Como é produzida — O significado das palavras Capital, Proletariado, Propriedade, Meios de Produção — A definição de Estado Capitalista — A definição de ESTADO SERVIL — O que ele é e o que não é — O restabelecimento do status em lugar do contrato — A servidão não é uma questão de grau, mas de estado. — Resumo dessas definições.

SEÇÃO II

NOSSA CIVILIZAÇÃO FOI ORIGINALMENTE SERVIL: — a instituição servil na antiguidade pagã — Sua característica fundamental — Uma sociedade pagã a tomou por certa — A instituição é desarranjada pelo advento da Igreja de Cristo.

SEÇÃO III

COMO A INSTITUIÇÃO SERVIL FOI DISSOLVIDA DURANTE UM CERTO TEMPO: — O efeito subconsciente da Fé nessa questão — Os principais elementos da economia da sociedade pagã — A Vila — A transformação do escravo agrícola no servo cristão — Próximo ao camponês cristão — A construção correspondente do ESTADO DISTRIBUTIVO por toda a Cristandade — Ela está quase completa no fim da Idade Média — “Não foram as máquinas que tiraram nossa liberdade, mas a perda do intelecto livre”.

SEÇÃO IV

COMO O ESTADO DISTRIBUTIVO DEFINHOU: — Esse malogro tem origem na Inglaterra — A história do declínio desde a propriedade Distributiva até o Capitalismo — A revolução econômica do século XVI — O confisco das terras monásticas — O que poderia ter acontecido se o Estado as tivesse retido — O fato é que aquelas terras foram capturadas por uma oligarquia — A Inglaterra era capitalista antes do advento da revolução industrial — Portanto, a indústria moderna, proveniente da Inglaterra, cresceu num molde capitalista.

SEÇÃO V

O ESTADO CAPITALISTA TORNA-SE INSTÁVEL À PROPORÇÃO QUE SE APERFEIÇOA: — Ele pode, por sua natureza, ser não mais que uma fase transitória entre uma primitiva ou tardia situação estável da sociedade — As duas forças externas que o tornam instável — (a) O conflito entre suas realidades sociais e suas bases morais e legais — (b) A insegurança e a insuficiência as quais ele condena os cidadãos livres — Os poucos proprietários podem conceder ou reter os meios de sustento dos não-proprietários — O capitalismo é tão instável que ele ousa não proceder à sua própria conclusão lógica, mas tende a restringir a competição aos proprietários e a insegurança e a insuficiência aos não-proprietários.

SEÇÃO VI

AS SOLUÇÕES ESTÁVEIS PARA ESSA INSTABILIDADE: — Os três arranjos sociais estáveis que sozinhos podem ocupar o lugar do instável Capitalismo — A solução Distributiva, a solução Coletivista, a solução Servil — Restam apenas a solução Distributiva e a Coletivista.

SEÇÃO VII

O SOCIALISMO É A SOLUÇÃO APARENTE MAIS FÁCIL PARA O PROBLEMA CAPITALISTA: — Um contraste entre o reformador que promove a Distribuição e o reformador que promove o Socialismo (ou Coletivismo) — As dificuldades encontradas pelo primeiro tipo — Ele está trabalhando contra a natureza — O segundo está trabalhando no “sentido dos veios” — O coletivismo é um desenvolvimento natural do capitalismo — Ele atrai tanto o capitalista quanto o proletário — Todavia, veremos que o empreendimento coletivista está fadado ao fracasso e a produzir algo muito diferente de seu objeto — a saber, o Estado Servil.

SEÇÃO VIII

TANTO OS REFORMADORES QUANTO OS REFORMADOS ESTÃO PROMOVENDO O ESTADO SERVIL: — Há dois tipos de reformadores trabalhando junto à linha de menor resistência — Estes são o Socialista e o Homem Prático — Porém, há dois tipos de Socialista: o Humanista e o Estatístico — O Humanista gostaria tanto de confiscar dos proprietários quanto de instituir segurança e suficiência para os não-proprietários — É-lhe permitido fazer a segunda coisa por via do estabelecimento de condições servis — Ele está proibido de fazer a primeira — O Estatístico fica satisfeito desde que ele possa conduzir e organizar os pobres — Ambos são canalizados em direção ao Estado Servil e ambos são distanciados de seu Estado Coletivista ideal — Nesse ínterim, a grande massa – o proletariado – sobre a qual os reformadores estão trabalhando, ainda que retendo o instinto da posse, perdeu qualquer experiência dele e está muito mais sujeita à lei privada do que à dos tribunais — Foi exatamente isso o que aconteceu no passado, durante a mudança oposta da Escravidão para a Liberdade — A lei privada tornou-se mais forte que a pública no início da Idade Média — Os proprietários saudaram as mudanças que os mantiveram em posse da propriedade e ainda ampliaram a segurança de seus rendimentos — Hoje os não-proprietários darão as boas-vindas ao que quer que os conserve como uma classe assalariada, mas aumente seus salários e sua segurança sem insistir na expropriação dos proprietários.

Um apêndice que demonstra que é vã a proposta Coletivista de resgatar o Capitalista em lugar de expropriá-lo.

SEÇÃO IX

O ESTADO SERVIL COMEÇOU: — A manifestação do Estado Servil na lei ou em propostas de lei consistirá em dois tipos — (a) Leis ou propostas de lei que obriguem o proletariado a trabalhar — (b) Operações financeiras que firmem o domínio dos capitalistas sobre a sociedade de forma mais intensa — No que diz respeito a (a), nós encontramos isso JÁ em atividade em medidas tais como a Lei de Seguro e em propostas tais como a Arbitragem Compulsória, o reforço das barganhas dos Sindicatos e a construção de “Colônias de Trabalho”, etc., para os “que não conseguem trabalho” — No que diz respeito ao segundo tipo, nós vemos que os assim chamados experimentos “Municipal” ou “Socialista” para a obtenção dos meios de produção JÁ ampliaram e continuam ampliando a dependência da sociedade em relação ao Capitalista.

CONCLUSÃO
__________________________________________________________________________________________
INTRODUÇÃO

O TEMA DESTE LIVRO

ESTE LIVRO FOI ESCRITO PARA SUSTENTAR e provar a seguinte verdade: —
Que nossa sociedade moderna e livre, na qual os meios de produção são detidos por poucos que estão necessariamente em equilíbrio instável, tende a alcançar uma condição de equilíbrio estável POR MEIO DO ESTABELECIMENTO DO TRABALHO COMPULSÓRIO LEGALMENTE OBRIGATÓRIO SOBRE AQUELES QUE NÃO DETÊM OS MEIOS DE PRODUÇÃO, PARA A VANTAGEM DAQUELES QUE OS POSSUEM. Com este princípio de coerção aplicado contra os não-proprietários deve também advir uma diferença em seu status; e aos olhos da sociedade e de suas leis positivas os homens serão divididos em dois grupos: o primeiro, política e economicamente livre, dotado dos meios de produção e firmado nesse domínio com segurança; o segundo, econômica e politicamente dependente, mas inicialmente firmado, por sua própria falta de liberdade, em algumas coisas necessárias para a vida e em um mínimo de bem-estar abaixo do qual ele não deve cair.

A sociedade que tivesse alcançado tal condição seria libertada de suas atuais tensões internas e teria tomado uma forma estável: quer dizer, capaz de ser indefinidamente prolongada sem mudança. Nela seriam resolvidos os vários fatores de instabilidade que perturbam aquela forma de sociedade chamada Capitalista, e os homens estariam satisfeitos em aceitar – e a continuar em – tal arranjo.
A tal sociedade estável darei, por razões que serão descritas na próxima seção, o título de O ESTADO SERVIL.

Não vou me comprometer a julgar se essa vindoura organização da nossa sociedade moderna é boa ou má. Preocuparei-me apenas em mostrar a tendência necessária em direção a ela que existe há tempo e as recentes disposições sociais que mostram que ela já teve início efetivamente.
Essa nova condição será aceitável para aqueles que desejam conscientemente ou por insinuação o restabelecimento entre nós de uma diferença de status entre proprietário e não-proprietário: ela será desagradável para aqueles que julgam tal distinção com má vontade ou com receio.

Meu trabalho não será penetrar na discussão entre esses dois tipos de pensadores modernos, mas mostrar para cada e para ambos que aquilo que um favorece e de que o outro foge está sobre eles.
Eu provarei minha tese especialmente a partir do caso da sociedade industrial da Grã Bretanha, incluindo aquela pequena, estranha e excepcional região da Irlanda, que sofre ou desfruta das condições industriais de hoje.

Eu dividirei o assunto da seguinte maneira: —

(1) Formularei certas definições.

(2) Em seguida, descreverei a instituição da escravidão e o ESTADO SERVIL do qual ela é a base, como no caso do mundo antigo.

(3) Esboçarei muito rapidamente o processo por meio do qual aquela antiga instituição da escravidão foi lentamente dissolvida durante os séculos cristãos, e por meio do qual o sistema medieval resultante, baseado na propriedade grandemente dividida nos meios de produção, foi

(4) destruído em certas áreas da Europa no momento em que atingiu um acabamento, e colocou no lugar dele, na prática ainda que não em legítima teoria, uma sociedade baseada no CAPITALISMO.

(5) Em seguida, mostrarei como o Capitalismo era instável por natureza, porque suas realidades sociais estavam em conflito com todos os sistemas legais possíveis ou existentes, e porque seus efeitos – ao negar a suficiência e a segurança – eram intoleráveis para os homens; como, então, sendo instável, ele consequentemente introduziu um problema que demandava uma solução: isto é, o estabelecimento de alguma forma estável de sociedade cuja lei e prática social deveriam estar em harmonia, e cujos resultados econômicos, por proporcionarem suficiência e segurança, deveriam ser toleráveis para a natureza humana.

(6) Mostrarei, em seguida, as três únicas soluções possíveis: —

(a) Coletivismo, ou o depositar os meios de produção nas mãos dos administradores políticos da comunidade.

(b) Propriedade, ou o restabelecimento do Estado Distributivo, no qual a massa de cidadãos deveria possuir individualmente os meios de produção.

(c) Escravidão ou o Estado Servil, no qual aqueles que não possuem os meios de produção serão legalmente forçados a trabalhar para aqueles que os possuem, e receberão em troca a segurança do sustento.

Ora, vendo o desgosto que os resíduos de nossa longa tradição cristã semeou em nós por advogarem diretamente a favor da terceira solução e por apoiarem audaciosamente o restabelecimento da escravidão, as duas primeiras, exclusivamente, estão expostas aos reformadores: (1) a reação em direção a uma condição da propriedade bem-dividida ou do Estado Distributivo; (2) uma tentativa de alcançar o Estado Coletivista ideal.

Pode ser facilmente demonstrado que a segunda solução interessa mais natural e facilmente a uma sociedade já capitalista, por causa da dificuldade que tal sociedade tem em descobrir a energia, a vontade e a visão requeridas para a primeira solução.

(7) Procederei, em seguida, a mostrar como a busca por esse Estado Coletivista ideal, que é nascido do capitalismo, leva os homens que atuam numa sociedade capitalista não em direção ao Estado Coletivista nem a nada parecido com ele, mas em direção àquela terceira coisa totalmente diferente — o Estado Servil.

(8) Reconhecendo que um argumento teórico desse tipo, apesar de intelectualmente convincente, não é suficiente para o estabelecimento da minha tese, eu concluirei dando exemplos da legislação inglesa moderna, os quais provam que o Estado Servil está de fato sobre nós.

Tal é o esquema que eu projeto para este livro.

Comentários Juan Manuel de Prada sobre a usura


Embora a economia foi considerada uma "ciência moral" (e, desde logo, não pode ser outra coisa, posto que depende das decisões dos homens), umas das questões mais debatidas pelo pensamento econômico foi a usura. No entanto, quando os moralistas foram expulsos do pensamento econômico, deixou-se de escrever e pensar sobre ela. Mas diga-se ou oculte-se, o certo é que a usura está no coração do sistema capitalista (em realidade, é a gangrena de seu coração); e também na raiz de todas as desordens econômicas e morais que hoje padecemos.

Se olharmos para trás (algo que o homem contemporâneo tanto odeia, para não ter que arrepender-se dos seus erros), comprovaremos que a usura esteve sempre proibida. "Não lhe emprestarás com juros o teu dinheiro, e não lhe exigirás mais grãos que os que lhe foram dados", lemos no Levítico. E no Evangelho de São Lucas, Jesus proclama: "Amai os vossos inimigos, façam o bem e emprestem, sem esperar nada em troca". Aristóteles considerava execrável "o tráfico de dinheiro que mostra ganância da moeda"; e o direito civil da Idade Média declarou-o delito. Em sua Encíclica "Vix Pervenit", Bento XIV condenava o pecado da usura, que se comete "quando faz-se um empréstimo de dinheiro e, com só a base do empréstimo, o prestamista demanda do prestatário mais do que lhe emprestou"; e ainda Leão XIII, na Rerum Novarum, se referia, em um sentido mais genérico, à "usura devoradora... um demônio condenado pela Igreja, mas de todo modo praticado de modo enganoso por homens avarentos". A condenação da usura foi unânime, pelo menos até a ruptura da Cristandade ocasionada pela Reforma, quando os príncipes protestantes começaram a introduzir legislações que, sob a aparência de favorecer o comércio e o sistema bancário, confundiam o lucro legítimo com a usura. Desde então, a usura converteu-se no "pão nosso de cada dia", também no âmbito católico, ou pseudocatólico.  

Na linguagem corrente, por usura entendemos "a cobrança de um juro excessivo pelo empréstimo de um capital". Mas antes de fixar qual é o juro excessivo e qual é o juro lícito que pode cobrar-se pelo empréstimo de um capital, devemos reparar em uma questão que geralmente passa inadvertida. É que a usura sustenta-se sobre uma incerteza, consistente em aceitar que o dinheiro pode reproduzir-se com a mera ajuda do tempo; e que, passado um certo tempo, quem emprestou, por exemplo, cem moedas, pode reclamar cento e dez, independentemente do uso que se deu a essas moedas. Mas o certo é que o dinheiro é um bem consumível que não se reproduz, de modo que como assinalava Aristóteles, os juros convertem-se em um modo de aquisição contrário a natureza e, portanto, devem ser reprovados.

No entanto, do mesmo modo que afirmamos que o dinheiro em si mesmo não pode reproduzir-se, não é menos certo que, mediante nosso trabalho, o dinheiro pode gerar um benefício. Pensemos, por exemplo, no proprietário de um terreno que pede um empréstimo para montar um sistema de irrigação que lhe permite multiplicar por três os frutos que esse terreno lhe fornece. Seria plenamente justo que quem emprestou o dinheiro que permitiu o proprietário triplicar suas culturas demande um juro; porque o que faz o que um juro seja ou não legítimo, não tem a ver com o que seja mais ou menos alto, mas com o fato de que o capital emprestado serviu para gerar um benefício. A participação do prestamista na riqueza gerada por seu empréstimo de dinheiro não pode considerar-se usura; usura consiste em crer que o mero empréstimo de dinheiro inclua juros. Usura é a cobrança de juros sobre um empréstimo improdutivo, ou de interesses superiores ao incremente de riqueza real gerado por um empréstimo produtivo.

Mas nossa época nega estabelecer uma distinção entre empréstimos improdutivos e produtivos; e impõe a cobrança de juros como fruto do dinheiro emprestado, independentemente de seu uso. Assim, não só erigiu o dinheiro em padrão e medida de todas as coisas, mas afirmar que pode multiplicar-se por arte de magia, desligado dos bens aos que representa e sem intervenção do trabalho humano. Só que essa multiplicação, enquanto enriquece ilimitadamente à uns, vem à custa do empobrecimento, também ilimitado, de outros. Isto é o que está acontecendo em nossos dias: por isso, embora a propaganda apedreja-nos os ouvidos repetindo que já saímos da crise, e que a Espanha volta a "gerar riqueza", você examina seus bolsos e descobre que cada vez estão mais vazios. 

Juan Manuel de Prada

Tradução: Sara Rozante. 

Hilaire Belloc - Da Usura


Usura não significa juros altos, e sim qualquer cobrança de juros, mesmo baixos, sobre um empréstimo improdutivo. Não é apenas imoral (tendo sido, em decorrência disso, condenada por todos os códigos morais – pagãos, muçulmanos ou católicos), mas também, em última análise, destrutiva da sociedade. Somente tornou-se prática usual do nosso comércio após o colapso europeu que se seguiu à Reforma Protestante. A Usura destruirá nossa sociedade, mas não há como escapar-lhe nesse meio-tempo. Aproximamo-nos do final de sua ação maléfica, não devido à conscientização sobre seus males, mas sim por ela beirar o esgotamento de seus recursos. Os empréstimos da Grande Guerra, usurários em sua quase totalidade, aceleraram intensamente esse processo.  

O mundo moderno se organiza segundo o princípio de que o dinheiro, por sua própria natureza, gera dinheiro. Uma soma em dinheiro emprestada, segundo nosso sistema atual, tem o direito intrínseco à cobrança de juros. Trata-se de um falso princípio, tanto em termos econômicos quanto morais. Após arruinar Roma, vem-nos conduzindo ao nosso fim.

Suponhamos que um homem o procure e diga: "Há um terreno junto ao meu, excelente para construção. Se eu construir ali uma boa casa, conseguirei alugá-la com lucro líquido de 100 libras esterlinas ao ano, já considerado o pagamento de todas as taxas, impostos e reparos. Só que não disponho de capital para construir a casa. O terreno custará 50 libras e a casa, 950. O senhor me emprestará mil libras, de forma que eu compre o terreno, construa a casa e desfrute dessa pequena renda?" Sua provável resposta seria: "E o que receberei em troca? Certo, o senhor ficará com suas 100 libras ao ano. Mas só as conseguirá graças ao meu auxílio, o que me confere o direito à participação nos lucros. Havemos de dividi-los meio a meio. O senhor retira sua parte de 50 libras ao ano pelo conhecimento da oportunidade e por seu trabalho e me repassa as outras 50. Elas representam 5% do meu investimento, e ficarei satisfeito."

Essa resposta, considerando-se a propriedade como direito moral, constitui oferta perfeitamente lícita. Ao aceitá-la, o indivíduo que solicitou o empréstimo nada tem a reclamar. Por muito tempo (teoricamente, para sempre) seria possível continuar retirando cinco por cento do valor emprestado sem qualquer peso na consciência.

Agora, suponhamos que esse homem o procure e diga: "Conheço o caso de um senhor de meia idade subitamente acometido por terrível doença. Um tratamento médico que custa mil libras esterlinas salvará sua vida, mas ele nunca mais poderá exercer qualquer trabalho. Ele recebe uma pensão de 100 libras ao ano, que garantirá sua subsistência após a operação e o tratamento subsequente. O senhor emprestará as mil libras? Elas serão devolvidas na ocasião de sua morte, por conta de um seguro de vida no valor de mil libras." Sua resposta: "Emprestarei as mil libras para salvar sua vida, mas exijo metade da pensão anual, ou seja, 50 libras ao ano, por cada ano que ele ainda venha a viver; e ele terá de sobreviver como puder com as 50 libras restantes da pensão." Caso ainda lhe restasse alguma sensibilidade, essa proposta o faria sentir-se um patife, e caso contrário – tendo-se tornado um, de fato, pela ação do que foi chamado pelo poeta de "longas jornadas de endurecimento e decadência da alma" – ainda assim seria uma atitude abjeta, embora não lhe causasse a menor inquietude.
Parece, portanto, que certas condições permitem, de forma legítima e moral, emprestar mil libras com cinco por cento de juros mantendo perfeita paz com a própria consciência, e outras não.

Vejamos agora a questão sob outra perspectiva.

Quando a cidade norte-americana de Boston foi fundada, há trezentos anos, um homem de Londres que se propôs a para lá emigrar deixou uma quantidade de ouro no valor de mil libras esterlinas aos cuidados de um ourives londrino permitindo que fizesse uso do dinheiro até que ele ou seus herdeiros o reclamassem, mas com a condição de que cinco por cento do capital deveria render juros compostos até a retirada. O emigrante não retornou. Com o avanço do século XVII, o empreendimento se desenvolveu, assim como muitos outros, em uma espécie de banco. No início do século XVIII, já era um banco em plena forma, e seu sucessor atual faz parte de um dos maiores sistemas bancários de nossos tempos. O depósito original "rendeu frutos", como se costuma dizer, com a dívida se acumulando sem ninguém para reivindicá-la.

Por fim, neste ano de 1931, eis que surge um herdeiro capaz de comprovar seu direito. A soma de capital alcançada pelo modesto investimento de mil libras a cinco por cento deve ser paga a ele por ordem judicial. Consegue imaginar o montante alcançado? – Mais do que o dobro da receita anual dos Estados Unidos na atualidade.

Tomemos um exemplo menos extravagante e talvez mais convincente. Supondo que um homem tenha emprestado dez mil libras esterlinas em regime de hipoteca, com juros de seis por cento, sobre a propriedade de um senhor inglês no início da Guerra da Independência dos Estados Unidos, em 1776: tal propriedade renderia 600 libras por ano ao credor. A dívida não foi cobrada. O constrangido senhor teve permissão para adicionar ao valor principal os pagamentos anuais devidos, de forma que o total fosse acrescido da taxa de juros compostos de seis por cento.

Não se trata de uma suposição de todo impossível. Imagina o que o credor da hipoteca poderia exigir da propriedade nos dias de hoje? Quase cinco milhões de libras ao ano!

Nenhum desses exemplos poderia ocorrer na prática, uma vez que a lei proíbe acumulação tão prolongada. Mas o próprio fato de que a lei viu-se obrigada a aplicar tal proibição comprova haver algo de errado com a noção atual, aplicada de forma generalizada, de que o dinheiro "faz jus" a determinada taxa de juros, tendo a ela direito moral, independentemente da forma como o capital seja empregado.

Pois o que há de comum a todos esses exemplos é o fato evidente de que os juros sobre um empréstimo podem constituir, sob certas circunstâncias de tempo ou extensão, uma exigência de tributação impossível. Podem representar em determinado contexto um tributo moralmente indevido, que não traduz produção extra de riquezas gerada pelo investimento original. Sob certas condições, os valores exigidos não equivalem mais o fruto do investimento original, não correspondendo, portanto, à remuneração de parte dos lucros, mas sim a um pagamento a ser feito, se possível, a partir de quaisquer outros bens que o devedor possa obter. E esse tributo, além de certo ponto, torna-se mesmo impagável, devido à inexistência na sociedade dos meios suficientes para tanto.

Que circunstâncias são essas? Que condições distinguem a exigência de juros moralmente legítima da ilegítima?

A distinção se dá entre a cobrança moral de parte dos frutos de um empréstimo produtivo e a exigência imoral de (1) juros sobre um empréstimo improdutivo ou (2) juros superiores ao incremento anual em riquezas efetivas geradas por um empréstimo produtivo. Tal exigência "esgota" – "consome" – "exaure" as riquezas do devedor, sendo por isso denominada "Usura". Uma derivação imprecisa em termos filológicos, mas correta sob o ponto de vista moral, conecta o termo latino "usura" à idéia de destruir, "exaurir", e não à idéia original do termo "usus," "uso".

A Usura, portanto, é a cobrança de juros sobre um empréstimo improdutivo ou de juros superiores ao incremento real gerado por um empréstimo produtivo. É a exigência de algo ao qual o credor não tem direito, como se eu dissesse: "Pague-me dez sacas de trigo ao ano pelo aluguel destes campos", após os campos terem sido tragados pelo mar ou terem passado a produzir anualmente muito menos do que as dez sacas de trigo.

Devo, com relutância, introduzir aqui um significado coloquial do termo "Usura" que confunde o raciocínio. As pessoas falam de "juros usurários" referindo-se a juros muito elevados. A forma como surgiu essa confusão é elementar. Juros muito elevados são geralmente superiores à riqueza real produzida até mesmo por um empréstimo produtivo, e cobrá-los significa, de fato, cobrar mais do que a produção do empréstimo original; mas não há nada na taxa de juros per se que a torne usurária. É possível cobrar juros de cem por cento sobre um empréstimo e estar em pleno exercício de seus direitos morais.

Por exemplo, uma pequena área de mineração que produzia 15 kg de ouro por ano tem a súbita oportunidade de produzir 200 vezes essa quantidade – 3.000 kg – com a obtenção do capital equivalente a apenas 30 kg para desenvolvimento. O credor desse novo capital não tem a obrigação moral de ceder ao devedor, como presente, os lucros imensamente maiores. É legítimo que reivindique sua parte; ele poderia muito bem exigir metade da nova produção, ou seja, 1.500 kg ao ano, 500 por cento sobre o empréstimo, pois esses juros altos corresponderiam apenas à metade da nova riqueza produzida. A demanda desses 500 por cento não representaria cobrança de tributo sobre riqueza inexistente, nem sobre riqueza que não foi criada pelo capital investido.

Portanto, a rigor a Usura nada tem a ver com o valor dos juros cobrados, mas sim com o fato de haver ou não um incremento produzido pelo capital investido que seja pelo menos igual ao tributo exigido.
Caso seja necessário avalizar uma posição moral tão evidente, esse aval pode ser encontrado em todos os principais sistemas morais sancionados pelas filosofias religiosas e sociais permanentes adotadas pela humanidade. Aristóteles1 a proíbe, assim como São Tomás de Aquino. O sistema ético muçulmano a condena [e, na prática, faz uma condenação ininteligível, ao proibir muitos empréstimos que seriam úteis]2. Temos, em particular, a brilhante decisão do Quarto Concílio de Latrão [1215].

Tudo certo até este ponto. Vejamos agora o desenvolvimento muito interessante que se deu nos tempos modernos, desde o rompimento de nosso sistema moral e religioso comum europeu, com a Reforma Protestante. Após esse desastre, a Usura passou a ser gradualmente admitida. Tornou-se prática comum sancionada pela legislação, com pagamento imposto pela magistratura civil. Na Inglaterra, foi sob o reinado de Cecil, no ano de 1571, que os juros, embora limitados a dez por cento, tornaram-se legais, independentemente da utilização do empréstimo. O ano de nascimento do que se pode chamar "Usura Indiscriminada" foi 1609, quando, sob o Calvinismo, o Banco de Amsterdã iniciou sua próspera carreira em estimular a capacidade dos afortunados e arruinar os desafortunados. De forma geral, os governos que se desligaram da unidade representada pela Cristandade introduziram, um após o outro, a Usura legalizada, obtendo vantagem sobre as nações conservadoras que se empenhavam em manter o antigo código moral. Às novas ideias morais, ou melhor, imorais assim introduzidas, devemos o rápido desenvolvimento do sistema bancário nas nações "reformadas", bem como o controle financeiro que adquiriram e mantiveram por três séculos. Por fim, todos se adequaram ao novo sistema, e hoje a Usura atua lado a lado com o lucro legítimo e, confundida com ele, universalizou-se no que já foi a civilização Cristã. É ponto pacífico que todo empréstimo deve produzir juros, sem questionamento quanto ao seu caráter produtivo ou improdutivo. Todo o aspecto financeiro de nossa civilização ainda se baseia nesse falso conceito. [ênfase acrescentada]

Seria possível escrever um ensaio muito interessante sobre os mais recentes frutos de tal concepção em nossos tempos. Se porventura viesse a ser escrito, um bom título seria "O fim do reinado da Usura". Afinal, vem-se tornando muito claro que o vício inerente ao sistema responsável, tempos atrás, pela derrocada da estrutura social do Império Romano começa a fazer ruir também nossas transações financeiras internacionais. Contudo, com a seguinte diferença: eles foram arruinados pela Usura particular e nós, pela pública.

Mas essas são digressões; voltemos ao assunto. Sendo a Usura uma demanda por dinheiro inexistente (um tributo cobrado não sobre a produção de capital, mas sobre uma margem superior a tal produção, ou mesmo sem que haja produção alguma) e, uma vez admitida em caráter universal, constituindo, de início, um mecanismo para a total concentração das riquezas nas mãos dos credores e, por fim, para a redução do restante da comunidade à servidão econômica; sendo a Usura, em última análise, um sistema fadado a ruir sob seu próprio peso – quando a demanda gerada for superior a toda a capacidade produtiva – surge o questionamento: por que vem sendo praticada com sucesso há tanto tempo? Por que parece estar nas origens de um progresso produtivo tão vasto em todo o mundo?
Ninguém poderá negar seu uso bem-sucedido ao longo de tantas gerações, desde seu sólido estabelecimento como prática generalizada durante o século XVII. Nem seria possível negar que vem acompanhando (e acredito ter, em ampla medida, causado) a grande expansão moderna da produção. E surge aqui uma daquelas aparentes contradições entre uma verdade matemática direta e os resultados de sua negação na prática, tão comuns na vida real. Convencida por tais aparências (pois tratam-se apenas de aparências, e enganadoras), a maioria dos homens abandona a reflexão abstrata e se satisfaz com o resultado prático. É por conta disso que, mesmo após tanto tempo, a simples menção da palavra “Usura” e o debate de sua ética traz em si a impressão de algo ridículo.

Há não muito tempo, qualquer pessoa diria que a atitude adotada aqui significaria escrever o próprio atestado de loucura. As conclusões de qualquer raciocínio lógico sobre o assunto simplesmente não eram levadas em conta, mas sim repelidas como noções imperfeitas, características de épocas primitivas e acríticas, quando o homem ainda não dominava a economia ou qualquer outra ciência.

O número crescente, embora ainda restrito, de homens instruídos que passam a suspeitar de tal desprezo pelo passado imemorial e pelas tradições morais da Cristandade retira dessas objeções parte do peso que tinham na geração anterior; ainda assim, elas exercem peso esmagador sobre a maioria. Diante da afirmação de que "a Usura é errada" ou mesmo de que "a Usura é perigosa", ou apenas de que "a Usura, a longo prazo, entrará em colapso", a grande maioria, ainda hoje, se recusará a discutir o assunto. A maioria dos desatentos e todos os tolos o incluirão entre os defensores da teoria de que a Terra é plana.

O erro é deles, e não nosso; ainda assim, o erro deles, como afirmei, possui sólido embasamento prático, pois a Usura tem funcionado. A produtividade aumentou consideravelmente desde seu estabelecimento. Os três últimos séculos foram de imensa expansão, liderada precisamente pelos primeiros a abolir a moral Cristã.

Como explicar esse fato? A explicação consiste em três reflexões: primeiro, quando a Usura é permitida e aplicada em caráter universal, torna-se simples parte de uma atividade geral de acumulação de capital para fins de investimento. Na época em que a Usura era ilegal e passível de punição, esse tipo de acumulação não era possível. Por acaso, era também uma época em que a produção de riqueza em escala crescente não representava a finalidade última da existência humana. De qualquer modo, sob o ponto de vista exclusivamente econômico, o fim dos questionamentos sobre a forma como o capital seria usado e o estabelecimento da regra de que todo o capital faz jus ao recebimento de juros, independentemente de como seja investido, logicamente criaram a tendência de acúmulo mais rápido e, incidentalmente, a avidez dos homens pela busca de oportunidades para fazer empréstimos, tanto produtivos quanto improdutivos.

Ao mesmo tempo, embora as causas fossem outras, veio o aumento do poder do homem sobre a natureza, com uma curva de crescimento cada vez mais acentuada e talvez ainda em progressão – embora haja sinais de fadiga e interferência de causas externas ao campo da economia nesse processo, a despeito da rápida escalada do conhecimento científico e da sua aplicação econômica. Esse aumento em nosso poder sobre a natureza é o segundo fator de mascaramento da falsa ação da Usura por tanto tempo. O mal econômico da Usura estimulou e acompanhou a grande vantagem econômica da acumulação para Produção, e a oportunidade para esse uso legítimo do dinheiro originou-se de um afluxo de descobertas geográficas e de novas conquistas das Ciências da Natureza. O terceiro motivo pelo qual a Usura ainda não concretizou seu total efeito nefasto é que, há tempos, tal efeito vem sendo detido automaticamente por repetidos colapsos que anularam as reivindicações usurárias. O capital de empréstimos improdutivos deixou de receber seus tributos, que tiveram de ser cancelados. Verdade seja dita, a Usura sobre esse tipo de capital é geralmente a última a ser cancelada 3; ainda assim, tal cancelamento se dá de forma contínua, promovendo a restrição intermitente dos tributos imerecidos e impedindo que o verdadeiro caráter de tais tributos se mostre em sua máxima potência.

O século XIX, especificamente, e ainda mais o início do século XX, estão repletos de exemplos desses colapsos – um sem-número deles. Uma soma em dinheiro é investida em determinada empresa. A empresa não atende às expectativas. Embora o dinheiro não produza mais juros legítimos, são emitidos debêntures, com garantia de juros estritamente usurários. Esses juros são pagos por algum tempo, até que, por fim, chega-se a um ponto em que nem mesmo os juros da debênture podem ser pagos. Todo o negócio se desfaz e o tributo usurário não pode mais ser exigido. É possível ver esse processo em funcionamento hoje em muitos setores da indústria têxtil. A fábrica está em dificuldade; o banco concede um empréstimo com a atribuição de juros, embora não haja superávit de riqueza em relação ao custo da produção. Os juros são pagos a partir de fontes externas; mas o processo não pode continuar eternamente e, em dado momento, o banco tem de cancelar o empréstimo como dívida incobrável. Como o banco continua a extrair recursos de outros investimentos bem-sucedidos e lucrativos, prossegue próspero a gerar dinheiro, sua receita aumenta, e a parte perdida por conta do colapso da Usura é ocultada no esquema produtivo geral. Não se faz distinção entre o caráter usurário de determinados recebimentos e o caráter legítimo da maioria. Mas, quando uma sociedade exibe sinais de decadência econômica, a verdadeira natureza da Usura, submersa e oculta nos tempos de prosperidade, fatalmente emerge acima da superfície.

Há muitos anos, o Sr. Orage, escrevendo em seu jornal, The New Age, traçou a esse respeito um dos muitos quadros ilustrativos e vívidos da questão, com o talento para a exposição que o tornou famoso. Ele partiu do exemplo de um oásis de palmeiras no deserto com um suprimento de água alcançado por meios bastante primitivos. Eis que surge um financiador disposto a emprestar dinheiro para o desenvolvimento. O capital é empregado de forma produtiva; poços artesianos são perfurados; o suprimento de água aumenta em grande escala; instaura-se maior organização do cultivo de palmeiras; a produção do oásis cresce com rapidez de um ano para outro; a demanda legítima de lucros pelo financiador faz parte do total de riqueza extra anual, cuja existência se deve ao seu empreendimento. Todos participam da prosperidade geral.

Então, seja devido a desgaste, guerra, epidemia, variações no mercado externo ou alguma calamidade climática, as coisas começam a dar errado. A riqueza produzida anualmente pelo oásis decai. Contudo, ainda é preciso pagar os juros sobre o dinheiro emprestado. À medida que aumenta o constrangimento dos agricultores, eles contraem empréstimos para pagar os juros até um ponto de "sobreposição" em que, paradoxalmente, o banqueiro parece cada vez mais próspero, embora a comunidade que o sustenta o seja cada vez menos. Mas, pela simples aritmética, o processo precisa ter um fim. Chegará o momento em que o agricultor não mais conseguirá obter dinheiro para pagar os juros, que há muito deixaram de ser moralmente devidos. A mera coerção, sob um sistema policial todo-poderoso, já lhe arrancou até os últimos centavos. A "sobreposição" entre prosperidade real e aparente – apenas financeira ou burocrática – deixa de existir; e a riqueza temporária desfrutada pelo credor chega ao fim, tal como ocorrera com a prosperidade real do devedor.

Em outras palavras, a grande prosperidade bancária em determinado período pode ser, e geralmente é, prova da prosperidade geral naquele período; mas não necessariamente, e nem sempre é assim. Uma não é o complemento inevitável da outra.

A essas conclusões gerais, há outra objeção que será feita prontamente por qualquer pessoa com razoável conhecimento histórico:

"O senhor afirma" [diz o objetor] "que em outros tempos, quando a Fé tinha alcance universal – época que talvez o senhor considere mais sadia, embora houvesse certamente muito menos riqueza e fosse preciso lidar com uma população, além de mais simples, muito menor – a Usura era proibida. Isso é verdade. Porém, o senhor erra ao argumentar que existe uma diferença essencial entre aquela época e a nossa, mais exatamente em relação ao passado recente, que o senhor denomina “o reino da Usura”, com a prevalência de uma ética diferenciada em cada um desses períodos. O senhor confunde o que é proibido com o que não é feito. É verdade que o código moral da Cristandade em tempos Católicos proibia a Usura e a punia; até mesmo na época das Cartas Provinciais de Pascal, os homens sentiam indignação moral para com a Usura e, até o final do século XVIII, a punição continuava a ser exercida nos tribunais e a vigorar nos códigos legais onde quer que a Igreja detivesse poder. Mas, a bem da verdade, a Usura sempre existiu, pois sempre deverá existir. É impossível traçar uma linha divisória entre os empréstimos produtivos e os improdutivos. O dinheiro emprestado a um doente pode criar as condições para que ele volte a ser produtivo, sendo considerado, portanto, um empréstimo indiretamente produtivo, apesar da intenção originalmente improdutiva. O valor de um empréstimo contraído por um perdulário para seus prazeres pode, no evento de sua morte antes que tivesse tempo de gastá-lo, ser transferido a um herdeiro econômico, que irá investi-lo de forma produtiva. Tais considerações sempre exerceram forte influência sobre a mente humana. Por isso encontramos a Usura amplamente disseminada, mesmo em épocas e sociedades que a condenavam sob o ponto de vista moral.

"Além do mais, mesmo naqueles casos onde é possível [o que certamente não é a regra] traçar uma linha exata entre os empréstimos produtivos e os improdutivos, há inúmeras formas de se burlar a proibição de cobrar juros sobre um empréstimo improdutivo, evadindo-se ao dever de descobrir se o empréstimo é produtivo ou não. Por exemplo, os governos Católicos, tanto quanto os Protestantes, emitiam os que os franceses denominaram “Rentes” – compromissos governamentais de pagamento de renda anual. Henrique IV da França, após sua conversão, era especialmente ativo nesse tipo de empréstimo. Filipe II da Espanha, o grande defensor do Catolicismo, afundou-se até o pescoço em constrangimento por tomar empréstimos a juros altos – ironicamente, das mesmas pessoas que vinham destruindo sua renda. Um governo preparando-se para ir à guerra – ou seja, prestes a gastar dinheiro em uma atividade normalmente improdutiva – implorava aos financiadores que comprassem direitos anuais sobre sua receita; e não existe qualquer diferença entre isso e a prática moderna de emissão de títulos da dívida pública. Havia ainda o óbvio método de assinar uma nota promissória em troca de dinheiro e receber uma soma menor do que a mencionada. Thomas Cromwell, de piedosa memória, foi adepto incondicional dessa prática, em uma época na qual toda a moralidade Católica em relação à Usura ainda era incontestável. Muito antes, em plena Idade Média, os príncipes tomavam empréstimos constantes para suas guerras – principalmente do recém-surgido sistema bancário italiano; e ainda antes, quando a Usura era privilégio excepcional, mas concedido legalmente aos judeus, e fonte de imensa renda para os príncipes Cristãos sob os quais viviam, a prática era admitida abertamente. Assim, a Usura sempre ocorreu na sociedade humana. E sempre ocorrerá; toda discussão sobre o assunto é meramente acadêmica e fútil."

A isso, respondo que o raciocínio lógico sobre assuntos práticos jamais é fútil. Se eu afirmar que o consumo excessivo de álcool faz mal à constituição física do ser humano, especialmente após certa idade, não é resposta satisfatória apresentar-me exemplos de alcoólatras que viveram até os noventa anos. O efeito danoso do excesso de álcool é algo demonstrável e, para qualquer pessoa de mente honesta, inquestionável. É uma simples questão de submeter à razão a experimentação e a experiência. Nos casos em que a experiência parece contradizer conclusões verdadeiras, o que de fato contradiz tais conclusões são outras forças, que não esvaziam seu caráter de verdade. [ênfase acrescentada]

O mesmo se dá com a verdade sobre a Usura. Seus efeitos empobrecedores, enquanto mascarados ou contrabalançados pela atuação de forças mais potentes, são negligenciados. No entanto, continuam a existir e estão sempre em atividade. Há grande utilidade prática em saber da existência de uma verdade, mesmo que oculta. Esse conhecimento é algo a ser mantido como um trunfo para permitir a ação quando chegar o momento crítico de sua aplicação.

Em seguida, é preciso apontar que existe toda a diferença do mundo entre um sistema que admite um princípio imoral e outro que nega tal princípio, embora a imoralidade seja praticada. Estão presentes na sociedade, e provavelmente sempre estarão inúmeros casos de adultério, assassinato, fraude e tudo o mais; contudo, existe enorme diferença entre a sociedade onde os direitos à propriedade são admitidos, o casamento é sagrado e tirar uma vida humana é abominável, e outra onde as relações sexuais são promíscuas, o Comunismo prevalece ou o assassinato para fins de vingança particular ou por mero impulso constitui passatempo aceitável. Assassinar um desafeto, fugir com a esposa do vizinho e até mesmo bater a carteira de alguém ainda estão entre as anomalias da nossa sociedade: anomalias que nós, pessoas antiquadas, atribuímos à Queda do Homem, mas cuja ocorrência nem o mais entusiástico pelagiano poderá negar. Existe toda a diferença do mundo entre uma sociedade onde esses lapsos continuam a existir, ou mesmo são tolerados, e outra onde são considerados positivos. [ênfase acrescentada]

O homem se sustenta sobre duas pernas, mas pode apoiar-se em uma ou em outra. Assim (para utilizar um exemplo que desenvolvo em outro ensaio), a sociedade, no que se refere à lei, precisa insistir tanto na justiça quanto na ordem; e, sem dúvida, em qualquer sociedade civilizada a justiça tende a ser sacrificada em benefício da ordem. Mas existe toda a diferença do mundo entre o ambiente e o caráter de uma sociedade onde a injustiça é considerada mais abominável do que a desordem e outra onde a desordem é considerada mais abominável do que a injustiça. Duas partes de um elemento químico para quatro partes de outro resultarão em determinado produto. Alterando-se as proporções, surgirá um produto inteiramente diferente. Uma sociedade em que a Usura, embora praticada, é considerada imoral (não totalmente, admito, para benefício do desenvolvimento econômico) é muito diferente de outra onde é considerada moral. Uma sociedade onde o credor considera seu dever moral examinar o objetivo de um empréstimo antes de levar em conta seu lucro pessoal é diferente de outra onde não se espera que ele faça tal coisa. Um mundo onde os juros sobre empréstimos improdutivos são repudiados e o Usurário é um malfeitor constitui sociedade muito distinta de outra onde os homens deixaram de questionar se um empréstimo irá ou não gerar lucro; e, ademais, é diferente de outra como a nossa, onde juros sobre qualquer empréstimo são exigidos como uma espécie de direito moral sagrado, sem qualquer relação com a produtividade do empréstimo – ou a ausência dela.

Bem, como para todo mal deve haver um remédio, o que podemos dizer da Usura nos tempos atuais? Como insisto em esta discussão tem o caráter prático, e quanto à prática?

Suponhamos que nosso oponente tenha sido convencido; deixemo-no replicar: "Concordo que a Usura seja um mal. E mais, estou inclinado a concordar que, por fim, começamos a perceber seus efeitos nefastos em todo o mundo – principalmente pelo assustador exemplo dos empréstimos da Grande Guerra. Então, o que devemos fazer a respeito?"

A isso, respondo, por minha vez, que não se pode fazer nada de imediato. Não se pode eliminar uma parte essencial de qualquer estrutura social existente. Todo o mundo de hoje se assenta sobre a estrutura bancária, e todo o sistema de investimentos considera normalmente impossível qualquer consulta sobre o caráter produtivo ou improdutivo de um investimento.

Há casos especiais, de cunho particular, onde se pode fazer a distinção claramente, e nesses casos verifica-se a ação dos homens de bem (como no caso dos empréstimos a indivíduos do nosso círculo de conhecimentos), pois a consciência humana atua em todos os momentos, ainda que na sociedade mais corrupta e complexa. Mas, em noventa e nove por cento dos casos, é impossível fazer essa distinção. Um homem se sacrifica para economizar. Ele precisa aplicar suas economias em um sistema que considera normal a cobrança de juros sem qualquer análise, e onde todos os infinitos detalhes de um sistema mundial de produção, distribuição e intercâmbio se baseiam há tanto tempo na aceitação da Usura – bem como no cálculo muito mais amplo dos lucros legítimos – que, na prática, não é mais possível distingui-los, assim como seria impossível separar as cores no tonel de um tintureiro. Se eu me ausentar por seis meses e deixar dinheiro depositado no banco, dificilmente poderei perguntar o que o banco fará com ele; e, mesmo que o fizesse, eles não me poderiam dizer. Ninguém poderia afirmar qual a parte destinada a alimentar animais em uma fazenda de extração de peles no Canadá; quanto se destinaria a um jovem que vem fazendo grandes retiradas com suas ações e gastando tudo em uma vida desregrada; e quanto contribuiria para o desenvolvimento de uma mina produtiva nos Andes. Que homem, em sã consciência, hesitaria em depositar o resultado de sua abnegação cotidiana em um título de renda fixa, ou suas modestas mil libras esterlinas em um Empréstimo de Guerra – esse exemplo gritante de Usura? O sistema precisa prosseguir até seu colapso, e mesmo a palavra “colapso” é imprecisa. Se a história servir como guia, o termo certo será “decadência”. Um pensamento animador.

Fiz bem em chamar este livro de Ensaios de um Católico, em vez de Ensaios Católicos. Pois, caso se tornasse uma questão de disciplina Católica que os homens de hoje não se envolvessem nessa prática impura – o empréstimo improdutivo com cobrança de juros – tal disciplina já nasceria condenada. Não seria possível obedecer à ordem eclesiástica. Se, ao propor tal análise, eu envolvesse também meus companheiros Católicos nas conclusões peculiares alcançadas, causaria prejuízo não apenas ao senso comum de meus confrades, mas também ao seu senso de humor.


O Sr. Belloc encerrou com a mesma frase em grego, mas, como a maioria dos navegadores não tem instalados caracteres em grego antigo, excluí a última linha do ensaio para evitar que aparecessem caracteres sem sentido.
_________________________________________________________________________________________
1. Quando eu, ainda garoto em Oxford, começava a articular minhas ideias, um sábio professor nos assegurou em sua preleção que o texto de Aristóteles deve ter sido adulterado, pois ele jamais poderia ter dito algo tão tolo como chamar a usura de errada. Do que São Tomás de Aquino a chamou, aposto que ele nunca soube.
 
2. Descobri em Túnis, há três anos, que um plantador de oliveiras muçulmano com o propósito de contrair empréstimo para o desenvolvimento de sua propriedade não podia obter o dinheiro de outros muçulmanos, mas precisava pedi-lo aos europeus. 
 
3. Vide os juros continuados ainda pagos sobre créditos bancários por nossas indústrias falidas. Outro excelente exemplo de cancelamento de juros usurários é a redução das dívidas da França e da Itália para com os Estados Unidos.

Extraído de ESSAYS OF A CATHOLIC, TAN Books, publicado originalmente em 1931.

O subjetivismo tira Deus do centro das atenções na economia


1) Se tudo é arbitrado em função da necessidade ou da vontade dos indivíduos, isso é admitir que cada um tem a sua verdade, o que está conforme a tradição liberal, que é revolucionária. Isso é anarquia.

2) Se levarmos isso a ferro e fogo, a revolução marginalista na economia não é uma boa coisa, pois tira Deus do centro das coisas. Pois no cerne do subjetivismo há o auto-interesse.

3) Esse aspecto kantiano na economia deve ter sido altamente brutal.

4) Dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus implica um norte necessário. E esse norte é objetivo: Deus no coração.

5) Não existe outro caminho senão atacar e destruir toda uma cultura fundada no marginalismo econômico, principalmente a escola austríaca, a mais radical delas.

6) Existem algumas partes, na ordem privada, em que é possível se fazer escolhas, mas as boas escolhas se fundam na vida eterna, pois a gente não só de pão vive, mas também da palavra de Deus.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Cristo, e não os austríacos, é que fundou o verdadeiro individualismo metodológico


01) O individualismo metodológico dos austríacos, onde cada um tem a sua verdade, é uma balela.

02) O verdadeiro mesmo é o do Cristão seguindo Jesus, pois Ele é a verdade.

03) Todo indivíduo Cristão deve anunciar o Evangelho e fazer Jesus ser ouvido por seus irmãos, não importa o tempo, o lugar, a circunstância.

04) O método? Os ensinamentos de Cristo, que recebemos diretamente dos Santos Apóstolos, o Sagrado Magistério e a Sagrada Tradição, na Igreja que Ele edificou.

05) Que me perdoem os austríacos, mas Jesus é o verdadeiro fundador do individualismo metodológico. Pois a verdade não precisa ser minha e nem sua para que seja nossa.

Quanto mais evangelização, mais Cristo será ouvido


1) O alcance da Sagrada Ordem vai até onde podem ouvir Jesus e entendê-Lo bem.

2) Pode ser que a pessoa não O ouça, mas você (catequista, padre, etc) pode conseguir fazer aquele que não O escuta entender Jesus muito bem: basta que você faça bem o seu trabalho de imitar Cristo claramente. Agindo assim, você acaba se tornando uma espécie de corretor, no âmbito da prestação do serviço de bem dizer a verdade, aproximando Jesus de seus seguidores. Isso é capitalização moral, base para a verdadeira autoridade. E servir bem a Jesus pressupõe serviço de maneira desinteressada.

3) O evangelizador bem preparado faz Cristo ser ouvido onde, por tempo, lugar ou circunstância, Ele não poderia. Este é o verdadeiro individualismo metodológico. Sem Cristo, nada é possível.

Das boas conseqüências quando se estabelece a diferença entre o conservadorismo e o conservantismo


01) Quando se estabelece com sucesso a diferença entre conservadorismo e conservantismo, o primeiro termo se enriquece no seu verdadeiro significado, pois os homens mais nobres servirão a Cristo, evangelizando e servindo aos seus semelhantes naquilo que realmente conhecemos. Os verdadeiros conservadores conservam a dor de Cristo, que morreu por todos nós na cruz, de modo a que os nossos pecados fossem perdoados.

02) Como conservadores, nós conservamos e semeamos a sabedoria divina entre nós, que não é a deste mundo. Pois a verdade não precisa ser minha ou sua para ser nossa - não há conservadorismo sem que haja bom serviço à causa da verdade, pois a verdade é o fundamento da liberdade. E a verdadeira liberdade, óbvio, está em Cristo.

03) Quando conservamos as lições de Jesus, nós exigimos dos nossos representantes que estão no Congresso que não traiam a verdade sagrada e consagrada per seculum seculorem. Só assim teremos ordem livre, espontânea, estável - é sob o signo da não-traição que teremos força para se tomar o País como sendo o nosso lar, assim como forças para cumprir a missão a que Cristo nos legou, ao aparecer ao nosso primeiro Rei, D. Afonso Henriques, em Ourique.

04) Restaurado devidamente o significado do conservadorismo, o conservantismo, o que sobra, é o seu espectro mais perverso. Por isso, nunca deve ser tomado como sinônimo de conservadorismo, pois o coservante nem sempre conserva a verdade - o conservante revolucionário conserva o que convém, pois perverte o sentido da verdade das coisas de tal modo a que o bom direito se torne um odioso preconceito.

05) Se conservarmos o que for conveniente e dissociado da verdade, estaremos caindo no problema do malminorismo, coisa profundamente anticristã. Se acreditarmos sistematicamente na balela liberal do malminorismo, estaremos correndo o risco de tirar de Cristo o seu lugar de Direito: o de ser o protagonista de nossa pátria. E a pátria é a janela para o mundo das nossas virtudes e defeitos.

06) Sem Cristo, a nação é tomada como se religião fosse. A relação deixa de ser nacionidade e passa ser a de nacionalidade - e a lei que rege os homens não será mais a lei perpétua e boa de Deus, mas a lei do Estado em dissonância com esses valores, que muda constantemente com a passagem dos homens pelo poder ao longo do tempo. Sintoma claro e perverso de totalitarismo, onde nada é permanente. Onde as fundações não são de rocha sólida, tudo desaba - e é por essa razão que somos, de certo modo, forçados a duvidar de tudo, o que nos leva a uma cultura de niilismo, que precisa ser combatida.

07) O malminorismo dá causa ao mais básico dos esquerdismos: o conservantismo

08) Desnecessário dizer que o libertarismo nasceu de uma tradição que ousou negar a autoridade da Igreja. O libertarismo nasceu do protestantismo. Por isso, os protestantes estão à esquerda do pai, na escala mais básica.

09) Mas o libertarismo possui uma faceta tão reprovável quanto o malminorismo: a anarquia. Ele sempre aponta que o Estado é o maior dos problemas. Quando se corrompe o Estado na função de garantir a segurança de um povo de dizer o direito de modo a que se sirva paz, ordem e segurança, a serviço de Cristo, aí ele se torna um problema grave. Quando eles corrompem o sentido de liberdade, eles corrompem todo o aparato instrumental feito para se servir ordem. 

10) Os libertários têm dentro de si o germe totalitário. E sua ganância dá causa a algo muito pior, que é o socialismo, esses cupins que matam uma árvore até torná-la oca.

11) A linha entre conservantistas, libertários e totalitários é bem tênue. Um revolucionário moderado não demorará muito para ser um revolucionário radical. Basta que haja um tradição em se semear radicalmente o mal que os moderados se tornam radiciais, pois o mal deriva da sabedoria humana, marcada pelo pecado original.

José Octavio Dettmann

Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2014.